Adão & Erva – Yumbad Baguun Parral (8/2019)

Este é o quarto livro do Parral que eu leio e, apesar deste ser melhor que o último que eu li (Biomarketing), ainda não é melhor que os dois primeiros (Sua Excrecência… e Santa Puta). Mas desta vez eu nem posso tecer muitas críticas, já que o livro é escrito como um cordel e eu simplesmente não consigo ler textos em versos. Falha minha!

De qualquer forma, a proposta é interessante: reescrever o mito bíblico da criação do mundo, do pecado original, e outras estórias do cristianismo, introduzindo vários elementos de outras mitologias. Neste livro, é Adão quem comete o pecado de, sob a influência de Prometheus, queimar e inalar a erva proibida. De uma certa forma, assim como no mito original, Eva é a personagem criada por um Deus(pota) para receber toda a culpa por esta “escorregada” de Adão e por tudo de ruim que acontece à humanidade à parti dai.

A premissa inicial é bem interessante, assim como o desenvolvimento, misturando diversas passagens da bíblia com alguns fatos históricos e tecendo uma crítica a uma sociedade misógina e ignorante (e na maioria das vezes arrogante também). Mas vou para por aqui devido à este meu problema com versos (eu fico “cantando” as rimas na cabeça e não consigo captar a mensagem).

Be happy 🙂

Wanderlust #57 – Munique – Alemanha

(31/08/2018-01/09/2018)

Quando estávamos planejando esta Eurotrip, já sabiamos que teriamos que fazer alguma conexão na volta da Croácia. Dentre as diversas opções, como Londres ou Lisboa, estava Munique. Como geralmente não existe um custo adicional além da taxa de embarque, resolvemos ficar dois dias na cidade, já que na primeira vez que visitei, além de ser bem durante o primeiro final de semana da Oktoberfest, choveu praticamente todo o tempo. E adivinhe o que aconteceu? Sim, choveu novamente! Acho que Munique não vai com a minha cara.

Dia 1 – Sexta

Estava chovendo cântaros! Então depois de deixarmos as malas no hotel, fomos dar um passeio pela região central. Primeiro paramos na Galeria Kaufhof em Marienplatz, uma loja de departamentos meio feita pra turista, geralmente nos centros das grandes cidades alemãs (tem uma bem na Alexanderplatz em Berlin), só pra dar uma olhada e esperar a chuva passar. Como não passou, desencanamos da chuva e fomos andar mesmo assim.    

Paramos então no Viktualienmarkt uma antiga farmer’s market que hoje em dia é um misto de mercadão e praça de alimentação ao ar livre. Infelizmente a chuva apertou novamente e só conseguimos tomar uma cerveja. Se tivesse um tempo melhor provavelmente pegariamos alguns beliscos nas barracas e teriamos ficado um bom tempo por ali.

Já tinha passado da hora do almoço e como estávamos passando pela Paulaner im Tal, por que não parar por ali para petiscarmos algo e tomarmos algumas? Depois da Paulaner, ficamos andando pela cidade, meio a esmo, até o início da noite, quando então fomos turistar na famosa Hofbräuhaus. Como era sexta-feira e faltavam algumas semanas para o início da Oktoberfest, o bar já estava cheio de locais fazendo happy hour com os trajes típicos da Baviera. Além das cervejas, obviamente pedimos um prato com porco para o jantar e para finalizar a sempre ótima Apfelstrudel.

Dia 2 – Sábado

Sábado de manhãzinha, após o café da manhã, fomos andando até o Theresienwiese, que é o enorme parque onde ocorre a Oktoberfest original (que tem a ver com a história do parque). Como faltavam apenas algumas semanas para o início da festa, uma boa parte do parque estava fechada e as obras estavam à todo vapor. Mas deu pra notar que a área da festa aumentou bastante de tamanho desde 2012, quando participei dela.

Como iria chover novamente (a previsão do tempo na Alemanha é muito precisa) fomos até a Primark, uma loja de vestuários bem famosa na Europa (agora tem algumas nos EUA também) que tem preços muito bons. É ótima pra comprar coisas básicas, tipo camisetas, meias, cintos, etc. Aconselho a sempre pesquisar se existe uma na cidade em que as pessoas forem visitar.

Voltamos para a região central para aproveitar que a chuva iria parar por umas duas horas para andar por ali. Andando um pouco para fora da região mais turística, acabamos passando pela Promenadepltz, que tem um estranho memorial ao Michael Jackson. O negócio é bem estranho e kitsch e não é nada que deva entrar numa programação (nem para os fãs mais ardorosos do Rei do Pop), mas foi interessante topar com esta atração.

De lá, como já haviamos planejado, fomos tomar umas na Augustiner-Keller, uma das “big six”, como são conhecidas as seis grandes cervejarias da cidade que participam da Oktober (as outras são a Löwenbräu, Spaten, Hofbräu, Hacker-Pschorr e a Paulaner). No caminho passamos pelo belo Alter Botanischer Garten e pela Hopfenstraße (Rua do Lúpulo), que não poderia estar em outra cidade ou país! A Augustiner tem um biergarten gigante, mas estava chovendo novamente (na verdade haviamos programado estas paradas justamente para fugirmos da chuva). Mas pelo menos uma pequena parte do jardim estava coberto e pudemos ficar do lado de fora. O atendimento no local também é muito bom, além da ótima cerveja, claro.

De lá fomos até a Löwenbräukeller e o atendimento foi totalmente o contrario da Augustiner. Mal chegamos e perguntaram se a gente ia comer, meio que de uma forma rispida. Porra! Nem sabiamos o que tinha lá pra comer, como vou saber se vou comer ou não? Falamos que não e então nos acomodaram em uma região do bar onde estavam os piores garçons: mal educados, não tinham paciência com turistas (e olha que eu engano no alemão). Tinha um casal de orientais na mesa do lado tentando se comunicar e uma das garçonetes simplesmente deixou eles falando sozinhos e foi embora. Tomamos apenas uma cerveja, só para “carimbar o passaporte” e fomos embora.

Saíndo de lá, passamos na Königsplatz, que é bem parecido com o portão de Brandemburgo, pela Karolinenplatz e Odeonsplatz. Em todas estas praças existem vários prédios históricos de várias épocas. Quando voltamos à região central (Marienplatz) já estava escuro, então fomos comer algo (e claro, tomar mais uma cerveja) e depois voltamos pro hotel para descansar.

Se tivessemos mais um dia teriamos conseguido visitar as outras duas cervejarias que faltavam. Quem sabe na próxima. Mas desta vez sem chuva, por favor!

Observações, dicas e considerações:

  • Quando fui pra Oktoberfest em 2012 eu cheguei na cidade bem na sexta-feira, na hora da saída do expediente e notei que o metrô estava cheio de pessoas com as vestimentas tradicionais (Lederhosen e Dirndl) que estavam simplesmente voltando do trabalho. Depois eu descobri que durante as festividades (e mesmo antes delas) o pessoal costuma ir trabalhar à carater às sextas-feiras. Imagina se fizessem isto no Carnaval no Brasil como seria legal!
  • Tenha sempre algumas moedas no bolso quando estiver em um bar para dar de Trinkgeld (gorjeta) para os tiozinhos/tiazinhas que tomam conta dos banheiros nos bares (a dica vale pros EUA também!).
  • Na Löwenbräu tive o pior atendimento da minha vida até agora.
  • Entre 18:30 e 20:30 é sempre o pior período para jantar na cidade. Todos os lugares lotam durante este horario.
  • Se ver algum grupo de homens ou mulheres usando alguns adereços engraçados (tiaras, camisetas, óculos ou mesmo fantasias completas) e portando uma cesta com garrafas de bebida em miniatura trata-se de uma despedida de solteiro. Normalmente eles pedem uma “caixinha” (coisa de 1 ou 2 euros) para as pessoas e em troca o doador escolhe algum dos “schnaps” da cesta. A grana arrecadada provávelmente será usada para uma cervejada.

Be happy 🙂

How Democracies Die – Steven Levitsky e Daniel Ziblatt (7/2019)

Steven Levitsky e Daniel Ziblatt são dois cientistas políticos, ambos professores de Harvard (de verdade!) e estudiosos do desenvolvimento de sistemas políticos na América Latina e Europa (respectivamente). Em How Democracies Die eles compilam seus estudos e observações para mostrar como sistemas autoritários podem se instalar à partir de democracias. Isto vem ocorrendo principalmente à partir do início do século XX e inclusive tem se tornado a forma mais comum, em contraposição ao que ocorria até então, onde estes sistemas se instalavam à partir de golpes ou de conflitos.

Usando exemplos dos mais diversos espectros políticos, como Hitler, Mussolini, Getúlio Vargas, Ferdinando Marcos, Pinochet, Perón, Fujimori, e mais recentemente Putin, Erdogan, Viktor Orban, Hugo Chaves, Rafael Correa e Evo Morales, eles mapeiam o modus operandi comum a todos estes déspotas (que eles chamam de demagogos). Normalmente estes chegam ao poder por vias democráticas, na maioria das vezes com a ajuda de pessoas, grupos e partidos comprometidos com a democracia, mas que vislumbram a tomada de poder a qualquer custo achando que, depois de chegar ao poder, estes déspotas serão facilmente controlados ou descartados. Porém, depois de instalados, estes déspotas começam a distorcer as leis e regras da democracia para perseguir adversários (incluindo muitos que eram até há pouco tempo aliados), a aparelharem a máquina estatal (legislativo, judiciário, estatais, etc.) e a colocar a imprensa e os adversários em descrédito ou sob ameaça, afim de se perpetuarem no poder.

Logo de início, eles trazem à pauta uma ferramenta desenvolvida por ambos a partir do trabalho do sociólogo e cientista político Juan Linz. A ferramenta consiste em uma tabela com quatro critérios principais (e 13 subquestões) para testar se um político é um potencial déspota. (1) Rejeição ou pouca aceitação de regras democráticas; (2) negação da legitimidade de oponentes políticos; (3) encorajamento ou tolerância à violência e; (4) uma prontidão para limitar as liberdades civis de oponentes, incluindo a mídia, são os quatro critérios. Os autores frisam que a associação de apenas um dos critérios a um político já deveria ser suficiente para descartá-lo como um potencial candidato/governante.

Depois de prover os exemplos e o modus operandi, bem como a tabela, eles entram especificamente no caso dos EUA, dando um apanhado geral em como o sistema democrático norteamericano se desenvolveu e evoluiu, muitas vezes sendo não tão democrático, até atingir uma estabilidade que, aparentemente, seria constante à partir de então. Neste capítulo eles trazem à tona o importante papel dos partidos e das lideranças políticas como gatekeepers (não achei uma tradução boa para o termo, mas seria algo como aqueles que impedem ou filtram a passagem), evitando assim que estes déspotas (que na sua absoluta maioria são também populistas) cheguem a disputar as eleições e contar com a infraestrutura partidária.

Porém, à partir do meio dos anos sessenta, por conta do movimento dos direitos civis, até o meio dos anos setenta, com a questão do aborto definida pela decisao do caso Roe vs Wade, esta estabilidade começou a ser ameaçada. Os republicanos (conservadores) começaram a concentrar eleitores brancos (especialmente nos estado do centro-sul e em cidades pequenas) e religiosos (contrários à legalização do aborto), “empurrando” os demais eleitores para os democratas (liberais). Importante frisar que, até então, ironicamente, os democratas destes estados eram os que se opunham à concessão de direitos iguais aos negros. À partir de então os republicanos têm ficado acuados, ainda mais devido às mudanças na demografia americana, que vem reduzindo ano a ano a proporção do perfil de eleitores republicanos (branco cristão). Sentindo a possibilidade da perda de poder, num movimento iniciado à partir do meio dos anos 80, o partido tem “apelado” à estes déspotas.

O ápice desta instabilidade democrática ocorreu em 2016, com a nomeação do então empresário e apresentador Donald Trump como o candidato republicano. Trump basicamente atende todos os critérios do teste e na verdade os usa como tática política. Para agravar o problema, nos EUA existem poucas leis e muitos acordos tácitos, ou light guard-rails, como eles chamam, que vêm sendo colocados à prova desde então.

Os autores também frisam que, apesar da tentação que a oposição tem de retribuir com a mesma moeda e usar as mesmas táticas (qualquer semelhança com o Brasil dos últimos 20 anos não é mera coincidência), os demais partidos, grupos e políticos precisam evitar o uso do mesmo ardil, pois senão a escalada rumo a um sistema iliberal (para citar o Identity do Fukuyama) é inevitável.

Be happy 🙂

Biomarketing – Yumbad Baguun Parral (6/2019)

Este é o quarto livro que eu leio do Parral. As outras três resenhas estão aqui, aqui e aqui (no primeiro link tem uma explicação de quem é o autor e um link para uma matéria da Piaui sobre ele, então não vou repetir). Entre todos este foi o mais fraco. A impressão que me deu é que este é uma colagem de pequenos trechos e textos avulsos que não foram muito bem ligados.

A idéia central do livro é fazer um paralelo entre o livre mercado (e suas ferramentas, como o marketing) e o desenvolvimento de um indivíduo. Também tenta trazer uma fórmula para atingir o sucesso em ambos: nos negócios e na vida pessoal. Existe também um paralelo entre as duas situações e a teoria da evoluçao de Darwin. Porém este segundo paralelo é bem fraco, pois o livro dá a entender que um indivíduo é responsável pelo desenvolvimento de sua prole (e por consequência da espécie) quando na verdade, segundo a teoria de Darwin, o processo é totalmente aleatório. O máximo que um indivíduo faz é tentar espalhar ao máximo o seu gene.

Depois de desenvolver estes paralelos, contando inclusive com muitas dissertações sobre componentes individuais (novamente dando a impressão de serem textos independentes), existe uma pequena autobiografia, onde o autor conta um pouco da sua trajetória e de como ele atingiu o sucesso segundo os seus critérios. E aqui eu concordo totalmente com o autor: o critério para o sucesso é muito pessoal. E ainda vou mais além: à partir do momento em que alguém deixou outro ente (outra pessoa, um grupo, a sociedade, etc.) determinar o que é seu sucesso, isto em sí já é um fracasso. Outro ponto é que o livro tem uma pegada de auto-ajuda, o que pode ter contribuido também para a minha má impressão. Mas fica a dica: se encontrarem o Parral pelos bares da Vila Madalena, adquiram um exemplar deste ou de algum outro (“E já vem autografado, pra virar relíquia!”).

Be happy 🙂

Wanderlust #56 – Croácia

(25/08/2018-30/08/2018)

Dia 1 – Sábado

A boa impressão sobre a costa da Dalmácia ja se iniciou ao nos aproximarmos de avião ao Aeroporto de Dubrovnik: a vista aérea, mesmo com o tempo não tão bom, é muito bonita. Depois de desembarcarmos e fazermos todos os trâmites (pegar mala, comprar chip, retirar o carro) nos dirigimos até Dubrovnik (o aeroporto fica em outra cidade, a cerca de 20 kilometros) e a boa impressão só foi se confirmando (apesar do mau humor da atendente da locadora). Ao chegarmos em Dubrovnik e nos perdermos um pouco na região central (as ruas são todas de mão única), finalmente encontramos a simpática pousada Villa Dubrovnik Garden e nos registramos. Após subirmos algumas escadarias carregando as malas, debaixo de um baita sol, deixamos elas no quarto e fomos aproveitar nossa curta estadia na cidade.

De cara nos dirigimos à Cidade Antiga, que é toda cercada por altos muros. Pode-se pagar um ingresso e andar por toda a murada, mas como o tempo era curto preferimos passar. Andamos um pouco pela cidade antiga, que estava bem lotada, passando pelas vielas estreitas e admirando a arquitetura. Pegamos a saída que dá acesso ao porto e caminhamos dali até Banje Beach, que parece ser a praia mais badalada da cidade. A cor do mar e a translucidez da água são impressionantes! Voltamos então para dentro da cidade antiga e fomos dar uma volta na parte mais alta, que é basicamente residencial. Existe a opção de se hospedar por lá também (Dubrovnik, como toda a Croácia, é cheia de opções de AirBnB, Pousadas, etc.) mas fica o aviso: precisa encarar bastante degraus.

Depois do passeio, resolvemos caminhar uns 3 kilômetros até a região do Novo Porto, que atualmente está se tornando uma região turística fora da área da cidade antiga. Demos uma volta por lá e fomos tomar umas cervejas na ótima Dubrovinik Beer Company. Ficamos lá até umas 20:00hrs e depois fomos jantar na Bon Appetit Bistro-Pizzeria, que tem opções boas e baratas, além de ser bem charmosa. Então pegamos um Uber de volta para a pousada.

Dia 2 – Domingo

Depois de tomarmos um café da manhã bem caseiro, pegamos a estrada de novo com destino à Split. O caminho entre as duas cidades é uma atração à parte e cada pequena cidade, vilarejo ou praia era uma surpresa, especialmente antes de chegar na Bosnia (falo um pouco abaixo).  Assim como na PCH na Califórnia, o mar fica do lado oeste, então a sensação que tive foi que talvez tivesse sido melhor “descer” (do norte para sul) de Split para Dubrovnik, além de reservar um dia só pra este percurso, para poder assim ir parando.  Depois da Bósnia, outra parada interessante é num mirante que dá vista para os lagos Bácina.

Como haviamos programado, paramos também em Makarska, um balneário já próximo a Split, onde demos uma volta pela região do porto e depois almoçamos. É um lugar que valeria até a pena ficar uma noite, mas logo após o almoço seguimos para Split e lá chegando fomos nos hospedar nos Apartamentos Bepo, uma ótima opção para ficar na cidade, tanto pelo preço, quanto pela localização e conforto. De quebra ainda ganhamos uma ótima programação, com muitas dicas, sugeridas pelo Josip, o proprietário e administrador dos apartamentos (uma figuraça!).

Após nos acomodarmos, fomos dar umas voltas pela cidade antiga e o calçadão à beira da baia. Paramos para comer e fomos tomar umas na Leopold Craft Beer. Porém fomos “expulsos” por uma onda inesperada de frio e chuva. O bar em sí é pequeno e existe uma área externa que, apesar de coberta, é aberta (tipo uma edícula), então preferimos pegar umas cervejas e irmos tomar no apartamento, até para dormirmos cedo e fazermos a programação sugerida pelo Bepo.

Dia 3 – Segunda

O Marjan Forest Park é uma enorme área verde situada numa península na parte oeste da cidade e que ocupa uma boa parte dela. Além de ser um parque, existem várias praias, trilhas e alguns pontos de interesse.  Para quem quer pegar uma praia enquanto estiver na região, é uma boa opção às ilhas. Algumas praias também contam com boa infraestrutura, mas qualquer espaço com acesso à água pode ser usado. Uma das primeira praias em que passamos foi Bene Beach, que conta com bastante infraestrutura como banheiros, restaurantes, playground e piscinas naturais. Porém resolvemos apenas olhar e continuarmos a caminhada até a Kasjuni Beach, onde já tinhamos programado de curtir.

Kasjuni tem dois bares, porém à exemplo da Grécia, precisa pagar para usar as cadeiras (cerca de US$ 22.00 por cadeira). Consumir no local também é um pouco caro quando comparado com os preços da cidade. Mas a praia é bem bonita e a floresta dá um visual interessante. Uma coisa chata porém é que o fundo é de pedra, ou seja, horrível para se entrar descalço. Até os locais usam aquelas sapatilhas para esportes náuticos.

Depois de algumas horas aproveitando a praia e o sol, pegamos as coisas e continuamos andando até a próxima praia, Ježinac Beach. Esta praia parece ser mais popular do que Kasjuni e inclusive os preços no enorme “quiosque” são bem mais baratos (a cerveja custava cerca de metade do preço). Ela também conta com algumas piscinas naturais. Logo em seguida fica a Baia Ježinac, que também tem algum espaço para jogar uma toalha e tomar um sol. Para quem quer um pouco de infraestrutura, existe um bar na marina ali presente, mas ai sem acesso à água.

Voltamos para o apartamento para tomar um banho e tirar o sal do corpo e fomos, depois de demorarmos dois dias para decidir, comprar o ticket do ferry para Hvar no outro dia. Como haviamos pesquisado e programado, fomos conhecer a Mandrill Nano-Brewing, uma pequena cervejaria, onde tudo é nota 10: atendimento, a pizza (feita por um dos cervejeiros) e a cerveja. Só faltou o sample flight. Depois voltamos para o calçadão, onde estava ocorrendo alguns shows dentro da programação de verão.

Dia 4 – Terça

À partir de Split existem várias opções de passeios para diversas ilhas na região, com diversos tipos de programação: festa no barco, passeios mais calmos com almoço incluso, jantares à noite, etc. Depois de pesquisar bastante, haviamos resolvido não fazer nenhum passeio (para não ficar preso a uma programação) e resolvemos apenas ir de ferry para Hvar.

Apesar da ilha ser grande, o vilarejo central de Hvar é pequeno, com várias pequenas praias (também de pedra) e o mar muito limpo e lindo. Talvez valesse pegar uma praia alí (mas não fomos preparados), mas ao contrário do que havia pesquisado, não creio que valha a pena ficar hospedado na cidade, a não ser que a intenção seja visitar as diversas praias e ilhas próximas. Um detalhe é que no calçadão que margeia toda a baia da área central é proibido andar sem camisa, em roupas de banho e consumir bebida alcólica, a não ser em bares. Depois de andarmos por praticamente todo o centro da cidade e até irmos em umas praias mais distantes, paramos num bar para tomarmos umas cervejas e observar o movimento enquanto esperávamos o horário de volta do ferry.

De volta a Split, demos uma volta novamente em Old Town e paramos na Kantun Paulina para comer um Kobasice, um sanduiche recheado de Ćevapčići (tipo uma linguiça/croquete de carne de porco) com um molho apimentado, que é um sanduiche típico da cidade. Existem outras opções no menu, mas a mulher que nos atendeu não nos deu opção de escolha…..hahaha. De qualquer forma o sanduiche é bem gostoso e valeu a experiência.

Deixamos as coisas em casa (já estávamos chamando o apartamento de “nossa casa”), tomamos um banho e fomos tomar uma num bar próximo ao porto. Mais tarde fomos experimentar um dos pratos típicos da Dalmátia, a Pašticada, no Fife Restaurant. O prato é uma peça de carne que marina no vinho por um dia e depois é cozida em um molho de tomate e ameixa, sendo então servida com nhoque frito (outra especialidade da região). Tão bom que reproduzimos o prato em casa algum tempo depois. Como não haviamos conseguido aproveitar o Leopold na primeira noite, fomos até lá para finalizar a noite e a estadia na agradável Split.

Dia 5 – Quarta

Saímos cedinho na quarta em direção a Zagreb, mas antes, como já haviamos programado, paramos em Zadar. Além da cidade antiga (também murada!), outra atração local é o famoso Sea Organ , uma instalação arquitetônica na beira do calçadão, ao lado da cidade antiga, que produz sons à partir do movimento do mar. Bem interessante, tanto a cidade antiga quanto o órgão, mas só vale uma parada se realmente tiver tempo. Se a agenda for apertada, pode pular sossegado.

Depois de um pouco de trânsito no horário de rush, finalmente chegamos à Zagreb. Só de entrar pela cidade de carro já bateu aquela sensação de “acho que vou gostar daqui”. Fizemos o check-in e já fomos logo passear pela região central. Passamos pela praça King Tomislav Square e pelo parque Zrinjevac, que ficam colados (não dá pra saber quando termina um e começa o outro). Ambos muito bem cuidados, cheios de flores e com muita gente aproveitando o bom tempo. Dalí fomos para a praça principal e me bateu a sensação de “isto não me é estranho”.

Apesar de não ter feito parte da União Soviética, a Iugoslávia, país do qual a Croácia fazia parte até o início da década de 90, era um país comunista que fazia parte da cortina de ferro, os países que se alinharam à União Soviética. E ai explica minha sensação de já ter conhecido: tanto a região central, mais antiga, quanto as partes mais novas da cidade, lembram bastante a parte oriental de Berlin. Não tem como não amar.

Passeando mais pela cidade, entramos em vielas, pelo meio de prédios, até que caímos no parque Zrinjevac, onde estavam ocorrendo várias atividades para crianças, que estavam em período de férias. E eis que de repente a gente acha o Art Park. Ai bateu paixão por Zagreb mesmo.

O Art Park é um misto de beergarden com playground para crianças e algumas instalações artísticas. Quando a gente chegou tinha um DJ tocando, um monte de pais tomando sua cerveja enquanto as crianças brincavam, gente com cachorro, grupos de amigos fazendo happy hour após o batente. Me senti quase no Mauer Park num domingo de verão.

Depois de tomarmos umas cervejas por lá e aproveitarmos o clima e a vibe, fomos até a St. Mark’s Square, que conta com alguns prédios históricos bem bonitos. Depois fomos jantar na Pivnica Medvedgrad Ilica, que além de ótimas cervejas artesanais, também possui pratos da culinária local muito bons. De lá voltamos para o nosso hotel, que tinha um “parklet” na frente (como muitos outros estabelecimentos na cidade), então aproveitamos para tomarmos a saideira antes de irmos descansar.

Dia 6 – Quinta

Levantamos cedo e fomos dar uma volta numa parte menos turística da cidade, no lado oeste, onde existem alguns teatros, museus e muitos edifícios antigos. De lá fomos para Lower Town, que lembra bastante Brasília (e a Karl Marx Alle em Berlin), com uma avenida larga onde existem prédios comerciais com cafés e restaurantes no térreo e ao fundo as “quadras” residenciais. Novamente fiquei com a impressão que o Oscar Niemeyer talvez tenha se inspirado na arquitetura dos países da cortina de ferro quando pensou na capital do Brasil.

Passamos então pela praça Sveučilišna livada, um jardim comprido, com fontes e bem florido. Interessante os bancos com painéis fotovoltaicos e entrada USB. Depois fizemos uma bela caminhada até o shopping Avenue Mall para ver se achávamos a camisa da Seleção da Croácia, mas nem lá encontramos (só haviam réplicas baratas).  Pegamos um Uber/Táxi pra voltar, com o Mladen, um motorista muito simpático, que explicou um pouco sobre a cidade, o clima e a economia, além de batermos um papo rápido sobre rock e a ponte Jimmy Hendrix. Descemos no parque Zrinjevac e fomos dar uma volta na parte oeste da cidade, que é um bairro mais comum e pouco turístico.

Na caminhada em direção a região central, paramos no simpático Fine Torte para tomarmos um café. De lá adentramos no Park Ribnjak, onde também estava ocorrendo um grande evento destinado à crianças. Em seguida fomos até a Catedral de Zagreb. Do lado da catedral fica o Dolac Market, o mercado central, porém acabamos pegando somente a xepa, já que a feira termina por volta das 14 horas. Passamos também pela Ulica (Rua) Ivana Tkalčića, um calçadão cheio de bares e restaurantes, que aparentemente é bem turístico. Pegamos outro Uber (desta vez um carro normal) e fomos até a The Garden Brewery que fica num distrito industrial da cidade e, como o nome indica, conta com um belo e amplo jardim. Ainda voltamos novamente Pivnica Medvedgrad Ilica para jantarmos e depois fomos de volta para o hotel, pois teriamos que estar no aeroporto às 4:00 da manhã para pegarmos nosso vôo com destino a Munique, a última perna desta Eurotrip.

Observações, dicas e considerações:

  • Pelo que eu entedi o Uber é muito utilizado na Croácia, inclusive para transporte entre cidades. Dá até para pegar um Uber, com preço fechado, até a Bósnia (tudo pelo aplicativo).
  • Na região central de Dubrovnik é muito difícil estacionar, pois a maioria das vagas é reservada aos moradores. E na cidade antiga não se entra de carro.
  • Sim, existe um faixa de 10 kilometros da Bósnia-Herzegovina que divide a Croácia em duas partes e provavelmente deve ter sido resultado de acordos para garantir acesso ao mar para a Bósnia, quando houve o desmantelamento da Iugoslávia. Mas parece que os Croatas não gostaram muito, pois a maioria das placas do trecho, que contém os dois idiomas, tem a parte em Bósnio pichada, provavelmente pelos Croatas.
  • As pessoas de Zagreb aparentemente são bem simpáticas e descontraídas, novamente me lembrando o povo de Berlin.
  • Os taxistas em Zagreb trabalham com aplicativo do Uber, portanto não estranhe se chamar um e aparecer um táxi.
  • Nas auto-estradas principais o limite de velocidade é de 130 km/h, apesar de apenas duas faixas em cada direção. Mas os motoristas andam bem acima disto.
  • Apesar de não entender patavinas de Croata, o som do idioma me pareceu bem mais familiar do que o Grego, apesar do Português ter algumas palavras herdadas do Grego.
  • Mladen, o uber-taxista que também era guitarrista, nos contou sobre a Ponte Hendrix: em algum momento no início dos anos 90 alguém pixou apenas a palavra “Hendrix” na ponte. Mesmo com a maioria da população não sabendo do que se tratava, a ponte começou a ser chamada de Hendrix. Algumas tentativas de apagar o grafite ocorreram, mas ele sempre aparecia novamente. Até que em 2016 a prefeitura decidiu, finalmente, batizar a ponte com o nome do famoso guitarrista. Infelizmente acabamos não passando por ela. Quem sabe na próxima.

Be happy 🙂

The New Geography of Jobs – Enrico Moretti (5/2019)

Enrico Moretti, economista italiano e professor da Universidade da Califórnia, em Berkeley, faz uma análise neste livro das mudanças recentes no perfil da economia americana e em como estas mudanças têm influenciado os empregos. De início, ele descreve as duas principais mudanças ocorridas à partir do século passado, sendo a primeira à partir de uma economia fortemente baseada na agricultura para uma economia manufatureira, sobretudo durante e logo após a segunda grande guerra. Esta mudança gerou um salto na qualidade de vida da população americana, tanto por conta do incremento na produtividade e consequentemente na renda média das famílias, quanto pelo barateamento do preço de produtos manufaturados.

Aqui ele traz à tona um fato bem importante: normalmente quando se fala em aumento de renda é difícil mensurar os aumentos relativos ao barateamento de bens e serviços, especialmente porque eles mudam muito em pouco tempo. Porém este “ganho” não deve ser desprezado. Ele traz alguns dados referentes à quantidade de carros por habitantes e de televisores por casa, que aumentaram exponencialmente entre as décadas de 50 e 70, ou seja, ficaram mais acessíveis para mais gente.

Depois ele fala da segunda grande mudança, que foi a migração das manufaturas para países em desenvolvimento e a mudança no perfil de emprego nos EUA para o setor de pesquisa e desenvolvimento e inovação, ocorrida à partir da década de 80, mas com uma forte aceleração durante a década de 90. Apesar desta mudança beneficiar o país como um todo (e até outras nações), ela aumentou as diferenças dentro do país, especialmente as geográficas.

Em uma economia baseada em manufatura, as regiões mais atrativas para a criação de um negócio são relacionadas à logística: proximidade das fontes de matéria-prima, de canais de escoamento e infra-estrutura. Neste perfil de economia, é mais fácil desenvolver determinada região, já que basta prover a infra-estrutura, barateando assim os custos logísticos. Porém, quando há a mudança para o perfil de inovação as coisas começam a ficar mais complicadas.

Através de vários exemplos, ele demonstra como as empresas atuantes em inovação se desenvolvem em conjunto, dentro de um ecosistema, que ele denomina de “innovation clusters” (quando analisa a perspectiva das empresas) e “brain hubs” (quando analisa o capital humano). A disponibilidade de matéria-prima e infra-estrutura é pouco determinante para o desenvolvimento destes clusters, já que a matéria-prima agora é o conhecimento (human capital). Porém, estes clusteres apresentam poucas razões objetivas para iniciarem e se desenvolverem e existe uma interdependência entre demanda e oferta: os melhores cérebros tendem a se moverem para os locais onde existem mais empresas, enquanto as empresas tendem a se instalarem onde existem mais cérebros. É o velho e famoso dilema da Tostines!

Dois conceitos bem importantes para a formação de um cluster são o efeito denominado “knowledge spillover” e a alta densidade do mercado (market thickness). O knowledge spillover pode ser traduzido ao pé da letra como transbordamento de conhecimento, e acontece porque quanto mais conhecimento existe num lugar, mais conhecimento tende a ser gerado, já que quando se agrega mais cérebros trocando conhecimento, o resultado é maior do que a soma do que estes indivíduos produziriam sozinhos. A densidade do mercado é entendida à partir da quantidade de demanda e oferta: se houver pouca oferta E pouca demanda, a chance de que “matches” ocorram é bem menor do que se houver bastante oferta E bastante demanda, mesmo que ambas estejam equilibradas (oferta = demanda) nas duas situações.

É mais ou menos assim: você vai vender um carro e vai num local onde só tem uma pessoa querendo comprar um carro. A chance de um negócio acontecer é bem menor do que em um lugar onde existam 100 pessoas querendo comprar um carro, mesmo que existam outras 99 pessoas querendo vender um carro (concorrência).

A boa notícia é que, por conta destas características, estes clusteres não são facilmente replicáveis, ou seja, dificilmente o movimento de migração para outros lugares por conta de custos que ocorreu com as manufaturas deve ocorrer. Pelo contrário: empresas nascidas fora de clusteres tendem a se mudar para algum cluster. E além disto eles têm um efeito multiplicador maior do que manufatura: os salários nestes clusteres tendem a ser maiores do que nos locais de perfil manufatureiro, e tanto os trabalhadores diretos (os tais “cérebros”) quanto todos os demais trabalhadores destes clusteres tem uma renda acima da média nacional.

Advogados, médicos, professores, garçons, frentistas, mecânicos, pedreiros: todos se beneficiam destes clusteres. De acordo com os dados do autor, trabalhadores com high school completo (equivalente ao segundo grau no Brasil) costumam ganhar mais nestes clusteres do que trabalhadores com nível universitário em outros locais. E isto se “cascateia” para os outros níveis, inclusive com trabalhadores menos qualificados colhendo proporcionalmente mais benefícios do que os altamente qualificados, como por exemplo, através do uso de serviços públicos melhores, que são financiados através de impostos. Como existe progressividade de imposto nos EUA, quem ganha mais paga mais imposto, mesmo que todos usufruam igualmente do benefício (tranferência de renda).

E ai começa o primeiro problema observado: isto está criando um abismo geográfico, com regiões muito ricas, algumas muito pobres e algumas poucas no meio do caminho (ainda não viraram um brain hub e podem tanto vir a se tornar um quanto não). O segundo problema é relativo à gentrificação, que acaba expulsando especialmente os mais idosos dos locais onde estes hubs se concentram, já que a aposentadoria deles não consegue acompanhar os custos de se viver nestes locais.

No último capítulo Enrico apresenta algumas ações que as sociedades podem tomar para fomentar estes clusteres (sem no entando garantir seu desenvolvimento), e a resposta não podia ser mais óbvia: investimento em educação (especialmente em ciências, tecnologia, engenharia e matemática, o famoso STEM) e em pesquisa e desenvolvimento (especialmente pesquisa de base).

Uma ótima leitura para entender as mudanças que ocorreram não só nos EUA, mas no mundo todo, já que toda a economia global tem sido influenciada por elas!

Be happy 🙂

From Cradle To Stage – Virginia Hanlon Grohl (4/2019)

Virginia Grohl, como o nome e a capa do livro dão a deixa, é mãe do David Grohl, vocalista do Foo Fighters, ex-baterista do Nirvana, e talvez o rockstar mais famoso da atualidade. Tendo acompanhado o desenvolvimento do próprio filho como músico e a jornada dele e de seus companheiros das bandas das quais participou, sempre teve a curiosidade de saber como tinha sido o pré-estrelato de outros artistas e como isto influenciou suas respectivas famílias. Ao comentar com uma amiga sobre esta curiosidade, recebeu o desafio: “por que você nao entrevista as mães de outros artistas e escreve um livro?”. A missão dada, que durou cerca de três anos, culminou no ótimo From Cradle To Stage, cujo subtítulo é “stories from mothers who rocked and raised rock stars”, com prefácio escrito pelo próprio filho.

Nestes três anos, Virginia, que também é educadora, viajou pelos EUA, à Inglaterra e ao Canadá para entrevistar as mães de artistas como Michael Stipe, Adam Levine, Dr. Dre, Amy Winehouse, Pharrel Williams, entre outros. Cada uma destas entrevistas rendeu um capítulo no livro, mas ao invés de apresentá-los como uma entrevista mesmo, quem conta a história dos artistas e suas mães é a própria autora, adicionando, claro, suas percepções pessoais e comparando com a própria história. Entre cada um destes capítulos existem pequenos textos onde Virginia conta a sua própria história, a do filho, suas bandas e o que ela vivenciou em relação aos bastidores do mundo da música.

Uma constatação interessante é que a maioria destas mães já possuiam um nível educacional acima da média e uma visão de mundo diferente do senso comum, e que isto pode ter sido o canalizador para a energia criativa dos filhos. Invariavelmente ela faz uma crítica aos modelos educacionais até hoje vigentes, que tentam enquadram as crianças dentro de padrões ao invés de extrair delas o que elas têm de melhor. Ela inclusive levanta a questão de quantos talentos não devem ter se perdido por conta disto. Quantos hoje advogados ou médicos não são poetas, músicos ou pintores que foram desperdiçados pela falta de apoio e pela falta de um sistema educacional que aproveite o que cada pessoa tem de melhor.

Duas histórias são particularmente interessantes. A primeira é de Mary Weinrib, mãe do Geddy Lee, do power trio canadense Rush, que sobreviveu junto com sua família ao campo de concentração de Auchwitz e, quando estava em vias de estabilizar sua vida, já instalada no Canadá, perdeu o marido (este sobrevivente do campo de concentração de Dachau) precocemente e tendo então três filhos pequenos. A segunda é de Mary Morello, mãe de Tom Morello, guitarrista do Rage Against the Machine, Audioslave e agora do Prophets of Rage, uma revolucionária e aventureira por natureza, que teve bastante importância na formação da capacidade crítica do filho.

É um daqueles livros bem gostosos de ler, que dá inclusive para ser devorado de uma vez se a oportunidade assim permitir.

Be happy 🙂

Sapiens, A Brief History of Humankind – Yuval Noah Harari (3/2019)

Nos últimos anos tinha ouvido falar muito sobre Yuri Harari, considerado um dos grandes pensadores contemporâneos, e sua principal obra, Sapiens. O livro tem sido bastante mencionado por alguns divulgadores científicos que eu acompanho na internet, mas efetivamente eu nunca tinha parado para lê-lo ou assitir alguma palestra ou TEDx do Harari (existem dezenas disponíveis no Youtube). Finalmente resolvi ler esta obra.

Sapiens tenta contar de uma maneira amigável e não técnica como e porque o Homo sapiens evoluiu de uma das várias espécies humanas até se tornar a espécie no topo da cadeia (considerando todas as espécies). A hipótese central de Harari é de que os sapiens atingiram o estado atual pois é a única espécie capaz de criar uma realidade imaginada e que isto é essencial para que grupos cada vez maiores de indivíduos possam colaborar. Para contar todo o percurso, o livro é dividido em quatro partes.

Na primeira parte, chamada de revolução cognitiva, o livro conta a história do surgimento dos ancestrais dos Homos, em como estes ancestrais se espalharam pelo mundo, evoluindo em espécies distintas até o surgimento dos sapiens. Existe uma descrição também das hipóteses evolutivas que levaram apenas uma destas espécies a desenvolverem uma inteligência superior e sua capacidade cognitiva e imaginativa. A partir dai, conta-se a história de como esta espécie se espalhou pelo globo, promovendo a extinção das demais espécies de Homo.

Na segunda revolução, denominada revolução agricultural, é descrita a fase de transição dos sapiens do nomadismo para o sedentarismo, através do dominio sobre outras espécies e da modificação dos ambientes. Como consequência desta transformação e somando-se a capacidade imaginativa, foi possivel cada vez mais a organização de uma quantidade maior de indivíduos em grupos. E cada vez mais mitos eram necessários para unir as pessoas, fazendo com que elas colaborassem em prol de um objetivo comum. Harari pontua que este “truque da evolução”, apesar de muito positivo para a espécie, não foi tão boa para os indivíduos, que passaram a trabalhar cada vez mais, consumir uma variedade menor de alimentos e a ficarem restritos a espaços menores.

A terceira parte trata de como estes grupos se expandiram através de impérios, seja anexando, seja aniquilando outros grupos. Alguns mitos que tiveram (e ainda têm) um papel muito importante nesta expansão rumo a um império global foram a crença no mito das nações, as religiões e ideologias políticas (Harari coloca estes dois mitos na mesma categoria) e o mito do dinheiro. Mas esta expansão teve seus limites, que foram vencidos através da revolução seguinte.

Na revolução científica (e tecnológica), os mitos da fase dos grandes impérios são reforçados: através da consolidação das religiões monoteistas, das ideologias políticas como fios condutores das nações e da crença no dinheiro, culminando no capitalismo. Agora as barreiras que separavam diferentes grupos são quebradas, o que invariavelmente deveria resultar no grande império global. E até o limite da vida está em vias de ser sobrepujado através da ciência e tecnologia.

O livro recebeu muitas críticas de acadêmicos, a maioria delas por “não trazer nada de novo”. Mas o novo no caso, na minha opnião, foi justamente ter “traduzido” muito conhecimento produzido em áreas como história, biologia, antropologia, entre tantas outras, para uma linguagem mais palatável a quem não é especialista nestas áreas. E além de tudo com doses certeiras de humor. Altamente recomendado!

Be happy 🙂

Wanderlust #55 – Grécia

(18/08/2018-24/08/2018)

Dia 1 – Sábado

Depois de quase 12 horas de vôo, chegamos em Atenas, debaixo de um baita calor. Pegamos o metrô do aeroporto até a região central, na Praça Monastiraki, e nos hospedamos no hotel na rua Athinas. A região lembra bastante o centro das cidades brasileiras, especialmente o centro do Rio, com muito comércio, ruas estreitas, transito e muita, mas muita gente circulando.

Como haviamos reservado este dia em Atenas apenas como garantia pra não dar problemas com o vôo para Mykonos, fomos dar uma volta pela área turistica da cidade, passando em frente da Biblioteca de Adriano, da Acrópolis, do Santuário de Zeus e da Ágora antiga. Paramos por alguns minutos na rua Panos para beliscarmos algo e tomarmos uma cerveja pra refrescar. Em seguida continuamos a caminhada e fomos até o Arco de Adriano, que fica no sitio arqueológico de Olímpia.

Um pouco antes, enquanto estávamos andando pela região de Plaka, notamos um escadão repleto de bares e restaurantes. Após algumas voltas na região resolvemos parar por ali para tomarmos umas cervejas. O local lembra muito a regiao da Alta, em Lisboa. Ainda demos uma passada na Old Taverna Kritikou, que tem um ótimo roof top, mas que peca no atendimento.

Dia 2 – Domingo

Voltamos ao aeroporto para pegarmos o vôo para Mykonos. Após apenas 40 minutos de vôo chegamos na Ilha e nos hospedamos no Anamar Blu, que é mais uma pousada do que um hotel, mas é bem confortável. Após deixarmos as coisas, fomos caminhando até Chora. Pelo que entendemos, as ilhas são compostas de vários vilarejos que têm status de cidade. Chora seria a capital da Ilha. Saimos de Ornos, onde ficava o hotel, passando por Korfos, que é muito usada para a prática de Kite Surf, Magali Ammos e depois de uns 40 minutos de caminhada sem calçada e com um transito maluco, chegamos em Chora.

Primeiro paramos nos famosos moinhos de ventos Kato. A pronuncia de moinho em grego é mili, muito parecido com a palavra em inglês, mill. Depois fomos andar pelo centro de Chora, que é basicamente um emaranhado de ruas estreitas, predinhos pequenos pintados de branco com portas e janelas em azul, exatamente como se vê nos filmes. Passamos então por Little Vênice e fomos sair no porto antigo (onde aproveitamos para retirar as passagens do ferry que tomariamos dali a dois dias). Depois de comermos algo, voltamos então para a colina onde ficam os moinhos para apreciarmos o lindo pôr-do-sol.

Logo que chegamos, haviamos passado pelo Fabrica Food Mall, que fica bem em frente ao “terminal” de ônibus urbano (ou insular?) e notamos que havia uma cervejaria no local. Resolvemos parar por ali e tomarmos algumas antes de voltarmos para o hotel. O local onde fica o mall (chamado Fabrika) é uma confusão organizada e engraçada, com ônibus manobrando, dezenas de turistas com scooters ou jipes, pedestres, todo mundo “brigando” por um espaço neste ponto de confluência, já que todas as 5 ou 6 linhas de ônibus (modelos rodoviários) e vans fazem ponto neste local. Ou seja, para ir de um ponto a outro da ilha, se a linha de ônibus não passar pelos dois pontos, você tem que obrigatoriamente ir até este terminal (que na verdade não passa de um terreno onde os ônibus estacionam) para fazer baldeação.

Dia 3 – Segunda

Como já tinhamos planejado, tiramos boa parte do dia para (finalmente!) pegar uma praia e para isto resolvemos ficar em Ornos mesmo, que é uma das praias mais tranquilas da ilha. Voltamos para o hotel e curtimos um pouco a piscina e então voltamos para a região de Chora para aproveitarmos mais um pouco por ali.

Dia 4 – Terça

Saimos cedo para pegarmos o Ferry de Mykonos para Santorini. Depois de alguns atrasos e de algumas horas chegamos em Santorini. Ainda demorou um pouco para chegarmos no hotel, em Perissa (novamente, uma vila com status de cidade), então resolvemos ficar pela região mesmo.  Perissa conta com bastante opções de bares e restaurantes, e até algumas quase-baladas com DJ ou música ao vivo. É uma ótima opção para ficar hospedado e no final acabamos achando que deveriamos ter ficado mais tempo em Santorini para aproveitarmos a praia dali ao menos por um dia.

Dia 5 – Quarta

No dia anterior tinhamos planejado fazer um city tour usando a rede pública de transportes, que funciona no mesmo esquema de Mykonos: existe um terminal central, neste caso em Thera, de onde saem os ônibus para todas as cidades/vilas da ilha. Entao primeiramente pegamos um ônibus de Perissa para Thera, onde tomamos café da manhã, e depois de lá para Akrotiri, onde existe um sítio arqueológico (não entramos) e a bela Red Beach, que estava bem cheia.

Pegamos então o ônibus de volta para Thera e depois um outro ônibus para Kamari, que fica no lado oposto de uma montanha, em relação à Perissa. Existe a possibilidade de pegar uma trilha pesada entre as duas praias (não aconselhável na época que fomos por conta do calor) e usando transporte privado dá uns 15 minutos entre as duas, mas usando os ônibus obrigatoriamente precisa ir até Thera. Kamari é bem parecida com Perissa, inclusive com a mesma areia escura, resultado da origem vulcânica da ilha, que é literalmente a metade que sobrou da cratera após a erupção ocorrida há alguns milhares de anos. A diferença entre Kamari e Perissa pareceu ser de “agito”: enquanto Perissa, apesar de contar com bastante estabelecimentos (incluindo algumas baladas) é mais calma, Kamari pareceu ser mais agitada e mais “pagação”.

Depois de Kamari voltamos para Thera e pegamos o onibus para Oia, que é a parte mais famosa da ilha e que fica lotada durante o por-do-sol (preferimos passar). Assim como Chora, em Mykonos, o local é repleto das casinhas brancas e azuis, entrecortadas por ruazinhas com calçamento de pedra. A diferença é que Oia fica no ponto mais alto da cratera e parte das casas ficam na encosta do morro, proporcionando uma bela vista da “caldera” (que é como eles chamam a cratera localmente). O caminho entre Thera e Oia é um atrativo à parte, pois é feito durante a ida à beira de um desfiladeiro. Depois de algumas voltas em Oia (pronuncia-se Ia), voltamos novamente para Thera para, finalmente, darmos uma volta na “capital” da ilha.

Thera também fica numa parte alta da caldera e tem praticamente a mesma formaçao geológica de Oia. A diferença é que as ruas são mais largas e, ao invés de residências, existem vários empreendimentos comerciais. Existe ali também uma bela catedral ortodoxa. Paramos para algumas cervejas e petiscos num bar bem interessante, com um belo jardim e várias cervejas locais, mas infelizmente não consigo recordar o nome. No início da noite pegamos o ônibus de volta para Perissa, onde comemos novamente em um dos vários restaurantes locais.

Dia 6 – Quinta

Tomamos um café da manha na Padaria Santa Irini, que tem ótimos quitutes e um atendimento fantástico. Mesmo a falta de mesas e cadeiras (come-se num balcão na área externa) não tiraram o charme do local. Logo após o café, partimos para o porto para tomarmos o ferry com destino a Atenas e acabamos passando o dia todo praticamente no ferry. Ao chegarmos em Atenas, já no final da tarde, nos hospedamos na região de Omonia e fomos dar uma volta na região mais turística da cidade. Mais tarde paramos no O Thanasis para jantarmos.

Dia 7 – Sexta

Levantamos bem cedo, tomamos café na Attica Bakery da Praça Omonia, quem tem muitas opções de pães, doces, salgados, e mais um monte de comidas locais (voltariamos mais tarde para o almoço inclusive) e fomos fazer os passeios turísticos. Passamos pela Praça Monastiraki ainda vazia e depois fomos para a Acrópolis, que já tinha uma fila considerável para comprar o ticket de acesso. Passeamos por toda a Acrópolis por umas duas horas e depois fomos caminhar pela Dionysiou Areopagitou, um calçadão que margeia a área da Acrópolis.

Existe um parque sem nome neste calçadão e resolvemos caminhar um pouco por ele, subindo até uma colina que dá vista para quase toda a cidade. No primeiro dia na cidade, já haviamos visto uma série de bares na Apostolou Pavlou. Os bares ficam de um lado da rua (que é fechada para carros) e existem mesas debaixo de tendas do outro lado. Como já tinhamos feito uma bela caminhada debaixo de um sol inclemente, resolvemos parar um pouco por ali, no Senso Café, para descansarmos e nos refrescarmos com uma cerveja (porque ninguém é de ferro).

Após um tempinho fomos continuar a turistada na Ágora antiga (Ancient Agora). Ágora é a parte das cidades onde as pessoas se reuniam para assembléias e para comercializar suas mercadorias. O local é hoje um sítio arqueológico onde se encontram, além de ruinas, a Estoa de Átalo, uma bela construção que foi usada para diversos fins ao longo de mais de dois milênios, e o templo de Hefesto.

Em seguida fomos até a biblioteca de Adriano, outro sitio arqueológico. A maior atração do local (na minha opnião) é a estátua da deusa Nike, que é a deusa da vitória (agora sabemos de onde vem o nome da marca esportiva). Depois da biblioteca de Adriano, fomos ate a Ágora Romana, que tem este nome pois era a Ágora durante o domínio do Império romano na região. Finalizando assim os passeios pelos sitios arqueológicos.

Depois de almoçarmos, fomos dar uma volta na Avenida Omonia (ou Omonoia, vi as duas grafias), que é uma região menos turística, com comércio local, universidades e uma loja multimarcas de luxo. Voltamos então para a região de Plaka e ficamos dando umas voltas por ali, até o cansaço bater e resolvermos sentar novamente na Plaka escadaria, desta vez no Apollonia lyra para algumas cervejas e para olhar o movimento. Ainda fomos jantar na Ágora Square antes de voltarmos para o hotel e nos prepararmos para a próxima “perna” da viagem.

Observações, dicas e considerações:

  • Atenas
    • Logo nas primeiras horas em Atenas, presenciamos o furto de um celular. Um “trombadão” aproveitou um turista menos atento fazendo selfies, passou a mão no celular e fugiu. Ou seja, não dê mole pro azar, em lugar nenhum do mundo (bem, em Cuba ao menos nao tem este problema).
    • O acesso à Acropolis custa 20 euros, porém existe a opção do multi-site ticket, que custa 30 e dá acesso a outros sites, como a Ágora Antiga, Ágora Romana, Biblioteca de Adriano, entre outros. Ele é válido por 5 dias consecutivos (fazer tudo em um dia como fizemos pode ser bem cansativo).
    • Visitando a Estoa de Átalo descobri o porque do uso massivo de mármore: dentro da estoa estava quase uns 10 graus mais fresco que fora dela
  • Mykonos
    • Mykonos venta pra caramba, então é bom tomar cuidado com chapéus e andar sempre de óculos escuros
    • O uso das cadeiras nas praias é pago. Em Ornos custavam 25 euros as mais baratas, podendo chegar até 50 dependendo do bar e da proximidade com o mar. Infelizmente existe pouco espaço nas praias para quem leva a própria cadeira ou nem faz questão delas, geralmente nos cantos das praias. Ornos é considerada a praia mais tranquila para quem quer relaxar e/ou aproveitar a água (que nem é tão quente como eu imaginava)
    • Para quem chega bem cedo, existe a possibilidade de tomar café da manhã na praia, que é servido por quase todos os estabelecimentos
    • O centrinho (Fabrika, em Chora) parece aqueles filmes que retratam países de terceiro mundo: um monte de gente, diversos tipos de transporte, mas tudo se ajeitando “organicamente”
    • Dirigir por lá deve ser uma aventura, pela diversidade de veículos (onibus, vans, scooters, buggies, carros de passeios, etc.) e de motoristas
  • Santorini:
    • É um festival de sobe e desce e muitas curvas para se locomover na ilha
    • O solo lembra bastante o do Hawaii e de Iceland
    • Como já explicado, dá para fazer city tour usando somente transporte público. Além de mais barato, é bastante divertido observar os motoristas e cobradores. Muita gente faz isto (em Mykonos também)
    • Perissa (mais calma) e Kamari (mais agitada) são os melhores lugares para se hospedar
  • Geral:
    • Como explicado no post sobre a Islândia o grego tem um fonema parecido com o “TH” do inglês, só que no grego ele se pronuncia praticamente como um “F”, que é como uma boa parte dos brasileiros pronunciam o “TH” ao falar ingles. Entao Thera se pronuncia Fira mesmo
    • Apesar de ser um idioma totalmente estranho ao meu ouvido, existem algumas palavras no português que tem origem grega. Biblios é livro, e catálogo é o menu dos restaurantes. O engraçado é que no português usa-se catálogo para tudo, menos para comida em restaurantes
    • Tem uma lei interessante para evitar evasão fiscal na Grécia: se não te darem a nota fiscal você não é obrigado a pagar. Então não estranhe se num restaurante, a cada cerveja ou prato pedido, eles trazerem a nota. É só ir juntando e pagar tudo no final
    • Tem muito gato em todos os lugares. Dando uma pesquisada aprendi que é bem normal nos países situados no mediterrâneo e é algo cultural. Normalmente os gatos ficam livres e são eles que “adotam” umas duas ou três casas para aparecerem quando não acham comida na rua. Outro motivo é que eles controlam a população de roedores
    • O sistema de ferries na Grécia é algo singular. Não faça muitos planos contando com a assertividade deles, pois sempre existem mudanças de última hora, tanto nos horários quanto nos trajetos, já que as vezes eles juntam duas linhas diferentes (inclusive de empresas distintas) em uma só. Por isto também é bom chegar com pelo menos uma hora antes e ficar sempre verificando se não existe mudança de horários e itinerários. E quando o ferry aporta, bora correr para colocar a mala em um lugar adequado e para garantir um assento bom (esqueça a marcação de assentos)
    • Nos restaurantes não gostam muito de aceitar cartão de crédito, então quando você pede uma máquina eles já fazem uma cara feia (alguns nem aceitam). A cara só não é mais feia do que quando você pede a senha do wi-fi, o que inclusive negam muitas vezes, alegando que é só para uso do restaurante (para as maquininhas de cartão de crédito que eles se recusam a usar)

Be happy 🙂

Wanderlust #54 – Providence, Rhode Island (12/51)

(10/08/2018-12/08/2018)

Rhode Island é o menor estado americano (em área). Fica localizado no Nordeste dos EUA na região conhecida Nova Inglaterra, que também engloba os estados de Massachussets e Connecticut.  Sua capital, Providence, é também a cidade mais populosa, com quase 180 mil habitantes (o estado todo tem pouco mais de 1 milhão).

Chegamos na cidade no início da sexta-feira e fomos passear em downtown, primeiro passando pelo belo edificio da Rhode Island State House.  Em seguida caminhamos pela beira dos rios Woonasquatucket e Providence e caimos em Providence downtown. Como em outras cidades da Nova Inglaterra, os edifícios da parte central lembram bastante a Inglaterra original. A região vem passando por uma revitalização, com imóveis mais novos contrastando com os antigos. A área também é repleta de arte de rua.

Passamos ainda pelo Burnside Park e pelo Waterplace Park, um parque construido na beira do Woonasquatucket. Dali fomos tomar umas na Union Station Brewery que tem ótimas cervejas. Depois, ainda fomos conhecer a Trinity Brewhouse. Interessante que na Trinity voce pode levar sua bebida até a calçada.

No segundo dia estava garoando, mas fomos passear na Brown University e na Thayer Street, ambas na região de College Hill. Por ficar ao lado da universidade, a rua conta com bastante restaurantes, cafés, livrarias e lojas diversas. De lá atravessamos novamente downtown e fomos até a Federal Hill, que também conta com bastante restaurantes e comércio em geral na Atwells Ave, sua rua principal.

Caminhamos então até a Long Live Beerworks e assim que paramos desabou uma chuva torrencial, o que foi uma boa desculpa para nos abrigarmos por mais um tempo na cervejaria. Em seguida voltamos a downtown e paramos na The Malted Barley.  Como já tinhamos conhecido tudo, voltamos na Union Station para tomarmos novamente uma Cream Ale de Blueberry (que inclusive era servida com a fruta) que tinhamos experimentado no dia anterior e que estava muito boa. Os pratos do local também são muito bons. E ainda deu tempo de passar novamente na Trinity para experimentarmos mais algumas das cervejas produzidas por eles.

A cidade é realmente pequena e não tem muitos atrativos. Não recomendaria “perder tempo” para quem está só de passagem pela região, mas se dentro da programação estiver Boston e New York, vale a pena uma passada por algumas horas em Providence no caminho entre as duas cidades.

Observações, dicas e considerações:

  • Foi a primeira vez que ficamos numa Guest House, a Christopher Dodge House. Experiência bem interessante.
  • A cidade é realmente pequena, sendo possível percorre-la toda a pé. Como existe uma grande universidade e mais umas 4 facudaldes, imagino que tudo gire em torno da vida academica. Realmente uma “cidade universitária”.
  • Talvez o fato de ser uma cidade universitária explique o tanto de cervejarias existentes em Providence. Visitamos quatro delas e ainda faltaram duas, isto só em Providence mesmo. Ainda existem mais na região metropolitana.

Be happy 🙂