Factfulness – Hans Hosling (01/2020)

Você acha que o mundo hoje está melhor ou pior do que há 20 ou 30 anos atrás? Bem, sugiro a você fazer o teste da Gapminder Foundation sobre como indicadores socioeconômicos têm mudado nas últimas décadas. Aposto que a maior parte das pessoas, por mais otimistas que sejam, não acertam todas as questões. Aproveite e assista também a uma das apresentações do Hans Hosling, como esta já famosa apresentação num TedTalk, ou alguma de Ola ou da Anna (filho e nora de Hans), colaboradores do livro e na fundação.

O enorme subtítulo, que numa tradução livre seria “Dez Razões Porque Estamos Enganados Acerca do Mundo – e Porque as Coisas Estão Melhores do que Você Pensa”, virou “O hábito libertador de só ter opiniões baseadas em fatos” na versão brasileira, e talvez este subtítulo faça mais jus ao título (que nem é uma palavra de verdade, ainda…).

O livro trata de dez “instintos dramáticos”, cada um com um capítulo próprio, que turvam a nossa visão de mundo (já volto neles daqui a pouco). Estes instintos foram sendo desenvolvidos nos seres humanos através da evolução e nos foram muito úteis até aqui, afinal de contas, no meio da floresta ou da savana africana, é bem melhor começar a correr ao ouvir algum barulho do que parar para analisar o que poderia ser aquele barulho e, de repente, dar de cara com algum predador. Porém nos dias de hoje a maioria das ameaças que eram evitadas através do instinto já não se fazem tão presentes e analisar dados e fatos é a melhor forma de tomar as melhores decisões (ou as com maior chance de sucesso).

Porém, existem duas categorias de profissionais que exploram estes nossos instintos em benefício próprio e quase sempre a nosso desfavor: os jornalistas (que até o fazem sem má intenção, na maioria das vezes) e os políticos (que normalmente o fazem com má intenção!). No trecho em que ele fala em como a mídia abusa destes instintos, encontrei uma feliz coincidência: ele usa o mesmo exemplo que eu sempre uso para explicar porque usar somente informações da mídia (que dá atenção para os casos extremos, para os pontos fora da curva) ao moldar sua visão de mundo, via de regra conduz ao erro: o caso dos acidentes de avião.

Toda vez que acontece um acidente de avião a mídia explora o caso à exaustão, o que leva à má impressão de que voar de avião é inseguro. Porém, os acidentes são uma exceção muito rara diante do total de voos completados com sucesso. Só que não faria sentido nenhum a mídia noticiar todos os voos completados com sucesso. Imagina o jornal do meio dia listando todos os voos que deixaram sua origem e pousaram no destino sem nenhum incidente? 

Uma outra coincidência com outro trecho é quando ele faz a distinção entre ativistas e especialistas. O trecho discorre durante alguns parágrafos sobre as diferenças entre os dois, mais ou menos na mesma definição que eu uso: um especialista é alguém que vai analisar fatos e dados para moldar sua opinião e vai considerá-los mesmo que eles digam algo que vai contra os valores e princípios iniciais desta pessoa. Por outro lado, um ativista é alguém que vai procurar dados que confirmem os seus valores e princípios e, caso não os encontre, ele normalmente irá “fabricar” fatos. E no caso de encontrar dados que contradigam suas crenças, ele vai simplesmente ignorar.

Os dez instintos dramáticos trazidos à tona no livro são:

  1. Instinto de separação (gap instinct): o instinto de achar que tudo se divide em dois grupos muito distintos, com uma enorme distância entre eles, quando na verdade a maioria das coisas se concentra no meio e os extremos é que são minoria (a famosa distribuição normal).
  2. Instinto de negatividade (negativity instinct): sempre achar que as coisas estão piores do que estavam. As coisas podem não estar bem, mas geralmente quando falamos em indicadores socioeconômicos elas estão melhores do que há 10, 20, 30, 100 anos (varia dependendo do indicador). Ignorar o progresso é simplesmente jogar fora tudo o que foi feito de bom até o momento e que deveria continuar a ser feito.
  3. Instinto da linha reta (straight line instinct): assumir que uma linha de tendência vai sempre continuar na direção em que ela aponta. Quando se fala nestes indicadores socioeconômicos, geralmente nem é uma linha, mas sim uma curva, que atinge seu ápice ou vale e depois se estabiliza (afinal de contas nem tem como ter, por exemplo, taxa de mortalidade abaixo de zero).
  4. Instinto do medo (fear instinct): achar que as coisas são sempre ruins, que o pior vai sempre acontecer, deixando o medo se sobressair a racionalidade.
  5. Instinto do tamanho (size instinct): não colocar as coisas sob a perspectiva, a proporção correta, e achar que ou são muito grandes, ou muito pequenas.
  6. Instinto de generalização (generalization instinct): usar um exemplo ou um pequeno pedaço para definir o todo. Normalmente associado a preconceitos.
  7. Instinto do destino (destiny instinct): assumir que as coisas vão continuar a ser de um jeito porque elas sempre foram assim e uma mudança é inevitável. Muito relacionado aos instintos de tamanho e medo e, novamente, a preconceitos.
  8. Instinto da perspectiva única (single perspective instinct): querer usar sempre a mesma solução, a mesma “ferramenta”, para solucionar todos os problemas, por mais distintos um do outro que eles sejam.
  9. Instinto de (botar a) culpa (blame instinct): querer encontrar culpados ao invés de soluções.
  10. Instinto de urgência (urgency instinct): achar que tudo requer uma medida urgente, quando na verdade poucas coisas requerem tanta urgência a ponto de não se ter tempo de analisar a situação, as possibilidades e as consequências.

Cada um destes capítulos é recheado de dados e histórias da vida do próprio Hans, o que torna o livro uma quase biografia póstuma escrita pelo próprio. Infelizmente ele veio a falecer em 2017, vítima de um câncer no pâncreas diagnosticado cerca de um ano antes. O livro começou a ser escrito um pouco antes do diagnóstico e se tornou o trabalho final onde ele dedicou seus últimos meses de vida.

No final de cada capítulo, existem algumas dicas para evitar estes instintos, mais ou menos na pegada do A Field Guide to Lies. Sugiro demais a leitura do livro e, quem sabe, após a leitura você refaça o teste do início e se saia melhor do que os chimpanzés.

Be happy 🙂

Wanderlust #61 – Helsinki, Finlândia

(29/06/2019-30/06/2019)

Depois de termos ido à Islândia em 2018, havíamos colocado na lista uma trip pelos demais países nórdicos (que não é a mesma coisa de escandinavos, ver abaixo no “Dicas…”). Resolvemos então aproveitar o verão europeu e “matar esta pendência”, fazendo Finlândia, Suécia, Noruega e Dinamarca. A Groelândia, que é um território autônomo ligado a Dinamarca, vai ficar pra outra oportunidade.

Apesar dos países terem muitas coisas em comum, eles também têm muitas particularidades, então além de indicar quando alguma dica ou curiosidade também vale para os demais, vou atualizando e colocando o link para os demais artigos assim que for publicando.

Dia 1

No metrô que liga o aeroporto, que fica em Vanta, uma cidade na região metropolitana de Helsinki (tipo Guarulhos), notamos um monte de gente vestindo roupas ou adereços com as cores do arco-íris. Após deixarmos as bagagens no locker do Forenom Aparthotel fomos dar uma volta na cidade e descobrimos que estava rolando a parada LGBT de Helsinki justamente naquele dia.

Após acompanharmos um pouco a parada, fomos explorar a cidade, que não é lá tão grande. Primeiro passamos por uma praça onde fica a famosa escultura Topelius and Children e logo à frente pela St. John’s Church. Cruzamos o parque Neitsytpuisto, passando pela Saint Henry’s Cathedral em direção ao porto.

Na região do Porto encontra-se o Vanha kauppahalli, um mercadão onde se pode comprar produtos alimentícios diversos (peixes, conservas, embutidos, frutas, etc.) e que também conta com alguns restaurantes. Logo à frente na Kauppatori (Market Square) existe também uma feira, com várias barracas de frutas, comidas e artesanato.

Bem próximo a Kauppatori fica a Esplanadi, um belo e florido Boulevard. Existem alguns bares e cafés na Esplanadi, além de alguns vendedores ambulantes (de sorvete por exemplo). Parece ser um local que os habitantes da cidade curtem bastante, mesmo durante o frio (ou seja, quase sempre).

De lá, caminhamos pelas ruas da área central, muitas delas somente para pedestres e todas lotadas de comércios, até a bela Helsinki Cathedral, onde ocorria um casamento. A grande escadaria ao lado da catedral parece ser um dos pontos mais fotografados da cidade.

Caminhamos então até a Helsinki Central Station, onde tínhamos descido de manhã, mas não paramos para admirar e de lá até a praça Narinkka, uma grande praça cercada de bares e comércio onde fica a famosa Kamppi Kappeli (Capela do Silêncio). Não chegamos a entrar pois ela já estava fechada para visitação, mas dizem que vale a pena.

Já quase no “final do dia” (lembrando que, assim como na Islândia, o sol praticamente não se põe durante o verão em Helsinki) fomos até Torikortellit, um distrito de uns 3 ou 4 quarteirões, com bares, restaurantes, lojas. Inclusive uma das ruas estava fechada para carros devido a uma feira com comida, bebida e música. Mas preferimos mesmo parar na Bryggeri Helsinki para tomarmos algumas cervejas artesanais locais.

De lá, demos mais umas voltas na cidade e acabamos topando com a Pien Shop & Bar, uma loja/bar de cervejas artesanais. Quando estávamos pra ir embora, já as 22:00 (e com o dia totalmente claro), resolvi levar umas cervejas diferentes para tomar no apartamento e aí fui surpreendido com a atrapalhada e complexa lei de álcool da Finlândia (exceto pela Dinamarca, em todos os demais países nórdicos a comercialização de álcool é extremamente regulada).

Escolhi umas cervejas e quando fui pagar o atendente pediu desculpas e disse que eu não poderia levar algumas delas. Segundo ele, pode-se vender cervejas com qualquer teor para tomar na loja até a meia noite e a partir disto só em bares com autorizações especiais. Para levar ele não pode vender nada acima de 5,5% de teor alcoólico. Só as lojas estatais podem vender qualquer coisa acima disto. Porém, após as 21:00 horas o teor cai pela metade e, portanto, ele não poderia me vender nada acima de 2,75% pra eu levar naquele horário. Se quisesse tomar lá tudo bem. Achei algumas cervejas interessantes dentro deste limite e consegui levar.

Na volta para o AP acabamos passando pela Kolme Seppa, uma outra escultura bem conhecida na cidade.

Dia 2

Como já tínhamos visto praticamente tudo na região mais central da cidade, fomos fazer um passeio recomendado por muita gente, a Suomenlinna, uma pequena ilha que faz parte de Helsinki e que precisa ser acessada de ferry. O ticket de ida e volta do ferry custa 5 euros e é válido por 24 horas, o ticket diário que dá direito ao transporte em toda a área central de Helsinki, incluindo Suomenlinna, custa 8 euros e também é válido por 24 horas (contadas à partir do primeiro uso).

A ilha parece uma pequena vila, daquelas que você vê em filme sobre pescadores. Tem várias trilhas e algumas atrações, como a grande (pro tamanho da ilha) igreja e a fortaleza de Suomenlinna. Existe uma pequena praia na ilha que pode ser usada para banho, um castelo e um antigo submarino (a visitação deste é paga).

Depois de algumas voltas, tomamos café no charmoso Café Piper (que só abriu as 10 no domingo!) e depois de passear pelas atrações acima, paramos no início da tarde na Suomenlinna Brewery. Realmente o passeio em Suomenlinna vale muito à pena. 

Voltando para a região continental de Helsinki, passamos de ferry pela Allas Sea Pool, um complexo que conta com piscinas (uma aquecida e uma com a água do mar à temperatura ambiente, ou seja, gelada!), que estava lotada com as pessoas aproveitando os 22 graus de calor. Também passamos em frente a Uspenskin katedraali, que fica em frente ao complexo. Depois fomos nos encontrar com o Hugo, um amigo Brasileiro que se mudou para a Finlândia há uns 5 anos atrás. Paramos no Dekki, um bar aberto que fica na praça Lasipalatsinaukio (que deve ser um paraíso para skatistas) para tomarmos algumas e botarmos o papo em dia, ele nos contando da sua experiência na Finlândia e nós da nossa nos EUA.

Depois de nos despedirmos do Hugo, voltamos à Piên para encerrarmos nossa passagem por este país interessantíssimo!

Observações, dicas e considerações:

  • A parada LGBT de Helsinki parecia ter mais “simpatizantes” do que público LGBT em si. Todo mundo se divertindo bastante. Parecia o carnaval deles.
  • Na praça do mercado existem diversas barracas de comida. É um ótimo local para experimentar a culinária local e também para comprar souvenirs.
  • Na porta de praticamente todos os prédios havia um equipamento composto por duas ou três escovas. Imaginamos que seja para limpar a neve das botas.
  • Até as 11:00 horas do domingo Helsinki parecia uma cidade deserta e nada abriu. Nem os cafés. Em compensação, em frente à estação de trem tinha muita gente “virada” de balada.
  • Como explicado acima, as leis relativas ao comércio de bebidas alcoólicas nos países nórdicos são bem restritivas. Já havíamos notado isto na Islândia e na Finlândia não é muito diferente, sendo que neste caso a estatal responsável pela comercialização de qualquer bebida acima dos 5,5% é a Alko. Nos mercados se encontram cervejas abaixo disto e também abaixo dos 2,75%, inclusive versões de cervejas populares mundialmente, como a Heineken, com este teor.
  • Notamos que em Helsinki havia muitos imigrantes e uma diversidade étnica grande. Imaginamos que o motivo talvez seja o fato de ser uma cidade portuária em um país que fica na divisa entre a Europa e a Ásia. Ok, a parte oeste da Rússia é considerada Europa, mas a maior parte do país fica na Ásia. Aliás, dá para pegar um trem de Helsinki e ir a São Petersburgo em cerca de 4 horas.
  • Somente há pouco tempo notei que as bandeiras dos países nórdicos seguiam o mesmo padrão. Depois de uma googlada descobri que eles estampam a Cruz Nórdica e só se diferem pelas cores. E agora acabei descobrindo também que o padrão inspira várias bandeiras ao redor do mundo, inclusive no Brasil.
  • A Finlândia é o único dos países nórdicos a integrar a União Europeia e a adotar o Euro como moeda. Entretanto os demais países são signatários de diversos acordos, incluindo o tratado de Schengen, que permite a livre circulação de pessoas entre os países do espaço.
  • Como mencionado acima, a Finlândia é um dos países nórdicos, mas acabei descobrindo também (juntamente com a história das bandeiras) que Escandinávia é um termo mais restrito usado para a Dinamarca, Suécia e Noruega. Apesar disto, ninguém vai ficar chateado se alguém se referir à Islândia ou Finlândia como parte da Escandinávia.
  • O Hugo nos deu uma dica que, infelizmente, foi tardia. Ele nos disse que existem navios de cruzeiro que fazem o trecho entre Helsinki e Estocolmo (que seria nossa próxima parada). Normalmente eles saem no final da tarde e cruzam o Mar Báltico durante à noite, chegando na outra manhã à Suécia. Dependendo do Navio tem cassino, cinema, restaurantes, danceteria. Ele disse que é uma divertida opção de transporte entre os dois países.
  • Eu gosto bastante de prestar atenção no idioma dos países que visito, tentando inclusive fazer associações com os poucos idiomas que conheço. Normalmente, ao menos entre os idiomas de origem no ocidente, eu consigo encontrar algumas semelhanças (como citei no post da Islândia, linkado acima). Porém, eu não consegui encontrar nenhuma semelhança do Finlandês (escrito ou falado) com nenhum idioma. E sinceramente, aos meus ouvidos me pareceu mais estranho até do que idiomas do oriente (Chinês, Japonês, Coreano, os vários Indianos). Nosso amigo Hugo mesmo disse que desistiu de tentar aprender e que, se algum dia sentir que o Inglês não é suficiente, ele vai preferir tentar o Sueco, o outro idioma oficial do país.
  • Apesar disto, eles têm a forma mais correta de se referir ao transporte privado individual de passageiros: Taksi!

Be happy 🙂

The Long Dark Tea-time of the Soul – Douglas Adams (14/2019)

Na resenha sobre o primeiro livro da série Dirk Gently, eu expliquei um pouco do processo de criação do Douglas Adams. Também pontuei que achei o livro um tanto confuso, inclusive com uma das estórias não se encaixando muito bem na “colcha de retalhos” que os livros do Adams normalmente são.

Bem, não vou dizer que achei The Long…, o segundo livro da série, uma obra-prima, mas ao menos achei bem melhor que o primeiro. Talvez eu tenha pego a manhã de ler Douglas Adams em inglês, mas talvez o principal fato seja que neste as duas estórias principais (que se desenvolvem em paralelo, em conjunto com umas duas ou três linhas menores) ficaram bem melhor costuradas.

A primeira tem como ponto de partida um bate-boca entre dois passageiros e uma atendente de companhia aérea no balcão de check-in no Aeroporto Heathrow, em Londres, seguida por uma misteriosa explosão. A descrição de Adams para o aeroporto, suas áreas e respectivas funções é hilária! Já na segunda linha, nosso herói (?) se vê envolvido em na morte misteriosa de um de seus clientes (provavelmente o único cliente!).

A partir daí vários detalhes vão sendo adicionado à cada uma das linhas, bem como outras pequenas linhas vão sendo iniciadas, cada uma no apropriado tempo, para que no final todas elas se juntem. E aí achei o ponto fraco do livro: os capítulos que ligam todas as pontas têm um ritmo muito corrido e mereciam ser mais bem explorados. De qualquer forma, é um livro bem divertido.

Uma curiosidade a respeito do título: ele foi retirado de “A Vida, o Universo e Tudo Mais”, da série o guia. A frase foi usada para descrever o tédio miserável do ser imortal Wowbagger.

Be happy 🙂

Wanderlust #60 – Cape May e Wildwood, New Jersey (14/51)

(25/05/2019-26/05/2019)

New Jersey não é lá um estado muito turístico. Muita gente conhece por descer no aeroporto de Newark a caminho de New York. Ou por pegar a NJ Turnpike (route 95) entre NY e Washington ou Philadelphia. Mas praticamente ninguém planeja conhecer NJ durante umas férias nos EUA.

Apesar disto, é um estado que tem algumas particularidades interessantes. A parte próxima a NYC (Hoboken, Jersey City, Newark, Elizabeth, Union) é praticamente uma extensão da Big Apple, servindo inclusive como cidade dormitório para muita gente que trabalha em Manhattan. A parte central é repleta de natureza, e por isto o estado é conhecido como “The Garden State”. Florestas, parques, montanhas, vida selvagem em abundância, são algumas das características do estado. O litoral, ao menos entre os residentes, é uma outra atração e quem visita NY e gosta de jogatina pode se divertir em Atlantic City, uma mini-Las Vegas na costa leste dos EUA.

Depois de 3 anos morando no estado finalmente fomos fazer uma viagem que não era bate-e-volta, então agora dá para aproveitar a deixa e finalmente escrever um Wanderlust sobre Jersey (lê-se “djerzí”).

Aproveitamos uma Summer Friday para conhecer o mais famoso balneário do estado: Cape May, numa península bem lá no Sul, quase no estado de Delaware e separado deste apenas pela baía de mesmo nome. Ao pesquisarmos hospedagens, acabamos reservando algo em Wildwood, que fica no condado de Cape May, mas não na cidade principal de mesmo nome. Mas coisa de 15 minutos dirigindo.

Ao chegarmos fomos direto para Cape May, paramos o carro e fomos dar uma volta. Cape May é uma cidade praiana, com tudo o que uma cidade praiana tem: restaurantes, lojas de bugigangas, bares, hotéis. Tem até um calçadão central que reúne comércios de todos estes tipos. Uma coisa importante a citar é que em NJ o acesso a quase todas as praias é pago.

Isto mesmo: para acessar a praia é preciso pagar uma entrada ou adquirir um passe. Ainda assim a praia é considerada um local público e como em todo local público nos EUA o consumo de bebidas alcoólicas é proibido (às vezes até revistam coolers na entrada). Também não tem ambulantes. E cá entre nós, as praias da costa leste dos EUA, em sua maioria, também não são nada bonitas quando comparadas às praias brasileiras, ao Caribe e às do Mediterrâneo. Demos uma volta na cidade e logo fomos tomar umas na Cape May Brewing, que além de ter ótimas cervejas e um agradável beergarden, fica ao lado de um aeroporto.

De lá fomos à Wildwood e após fazermos o check-in na pousadinha fomos dar uma volta. Wildwood é uma das poucas praias que não se paga para acessar (quer dizer, “paga” uma caminhada de uns 300 metros da pista ou calçadão até o mar). Em compensação existe um enorme “calçadão” de madeira (boardwalk), suspenso, e alguns piers, com lanchonetes, sorveterias e parques de diversão. Demos uma volta pelo calçadão e depois fomos tomar um (enorme) sorvete e comer algo.

No final de tarde, paramos na Shamrock Beef & Ale. O bar seria apenas um pub dos mais simples, mas para a temporada eles usaram um pedaço enorme da área externa (que creio ser um estacionamento na baixa temporada) para montar um Tiki bar, com direito a um barco (de verdade) com algumas cadeiras de praia para serem ocupadas por clientes e onde um músico se apresentava (acabei de descobrir que esta área se chama Castaways Pirate Bar). Como não pode faltar em qualquer bar com área externa nos EUA, também tinham um Cornhole. De lá fomos jantar na Pasta Pesto e depois fomos descansar.

No outro dia, acordamos cedo e fomos tomar café da manhã no Pink Cadillac Diner. Diners são aqueles restaurantes muito comuns de se ver em filme, onde as pessoas geralmente param para tomar café da manhã (que normalmente é servido durante todo o dia). Diners são muito comuns em NJ e uma das características do estado é encontrar ao menos um em cada uma das cidades, por menor que seja.

Wildwood é a parte central do que é conhecido como Wildwoods, que além da própria praia central também engloba North Wildwood (ao norte…dã!), Wildwood Crest e Wildwood Gables (ao sul), todas elas contínuas e nas quais só se percebe que se saiu de uma e chegou na outra pelas placas. Pegamos o calçadão em direção ao sul até Wildwood Crest, que tem menos atrações (a parte suspensa do calçadão acaba) e mais prédios residenciais com muitos apartamentos. Entre as duas praias estava ocorrendo um festival de pipas, bem legal.

Já tínhamos conhecido todas as atrações e como não iriamos pegar praia e nem brincar nos parques de diversões, resolvemos então ir para nosso parque de diversões: as cervejarias. Primeiros fomos à Cold Spring Brewery, uma das mais charmosas que conheci, montado num celeiro e com uma área externa ótima. Depois fomos à MudHen, que havíamos tentado no dia anterior, mas que estava muito lotada. Pra finalizar, voltamos novamente no Tiki bar do Shamrock para aproveitar o verão e o sol se pondo após as 21:00hrs.

Observações, dicas e considerações:

  • Um pouco antes do início oficial do festival de pipas o sistema de alto falantes do boardwalk anunciou que iriam começar e, portanto, iriam tocar o hino nacional norte-americano. Parece que alguém com o controle remoto do mundo apertou o botão de pausa: todo mundo parou o que estava fazendo para respeitar. Os ciclistas desceram das bicicletas, pessoas pararam de caminhar, retiraram o chapéu e mantiveram silêncio total até o final, quando então alguém deu o play novamente.
  • Em vários dos hotéis/motéis havia grupos grandes de jovens e adolescentes, geralmente fazendo muita algazarra e aparentando estarem alcoolizados. Acho que deve ter algum lugar onde menor de 21 consegue comprar bebida alcoólica na cidade.
  • Wildwood parece que parou nos anos 60 ou 70. Toda a arquitetura da cidade lembra um filme antigo.
  • A costa de New Jersey é conhecida como “Jersey Shore” e existe até um reality show relativamente famoso com o mesmo nome gravado em Seaside Heights, um dos balneários do estado. Uma outra forma que os “Jersey boyz” se referem às praias é Down The Shore ou simplesmente DTS. Se um dia ouvir alguém dizendo “I’m going DTS this weekend” significa que ele vai para a praia em NJ. É praticamente o mesmo que o paulistano diz quando vai à praia (“vou descer pro litoral”).
  • New Jersey é atualmente o único estado norte-americano onde o auto abastecimento é proibido e somente pode ser feito por frentistas. Outro estado era o Oregon, porém em 2017 criaram várias brechas na lei que praticamente extinguiu esta exigência (ainda existem frentistas, mas é questão de tempo para eles sumirem por lá). Se por um lado isto encarece um pouco o combustível (cerca de 3% comparando com locais similares na Pennsylvania, por exemplo), por outro é uma mão na roda durante o inverno não ter que descer do carro e encarar o frio!
  • As leis de bebidas em New Jersey são muito confusas e bem restritivas. Além da proibição de consumo de álcool em público, que ocorre em praticamente todo os EUA, existem outras restrições, tais como:
    • Cidades “secas” onde o comércio é totalmente proibido.
    • Redes de supermercado só podem vender bebidas alcoólicas em duas lojas no estado todo (e respeitando as cidades onde é permitido o comércio), portanto muito poucos supermercados vendem bebidas.
    • As licenças para venda de álcool (tanto para consumo no local quanto para levar) são caras e limitadas. Por isto vários restaurantes não podem vender e permitem o BYOB (Bring Your Own Beverage – nas cidades que não são “secas” obviamente), inclusive oferecendo balde de gelo, copo, etc. para quem leva a própria bebida.
    • As cervejarias não podem vender comida e por isto a maioria trabalha em parceria com food-trucks, restaurantes vizinhos ou então disponibilizam vários cardápios de delivery para as pessoas pedirem comida (ou você simplesmente pode levar a sua). Além disto, eles só podem vender cerveja para consumo no local como parte de um tour. Então não estranhe se parar em uma cerveja, eles perguntarem se você já esteve lá e, diante da negativa, te mostrarem um quadro do processo cervejeiro durante dois segundos: este vai ser o “tour”….hahaha
  • Newark era até alguns anos atrás a cidade norte-americana com a maior comunidade brasileira (considerando os imigrantes e os filhos de brasileiros nascido nos EUA, posto ocupado atualmente por Framingham, em Massachusetts) e ainda conta com a maior comunidade Portuguesa. No bairro de Ironbound existem vários restaurantes, padarias e supermercados e é mais fácil ouvir o Português (do Brasil e de Portugal, ou então o Espanhol) do que o Inglês caminhando por lá.
  • Curiosamente, se você pegar um barco e navegar a partir da costa de NJ em linha reta no sentido leste você chegará em Portugal.
  • Jersey City e Hoboken podem ser consideradas a Niterói dos EUA: de lá consegue-se ver todo o belo skyline da cidade de New York, já que são separadas desta apenas pelo Rio Hudson. Mas as duas cidades (juntamente com Newark) tem lá suas atrações. Newark tem bares, universidade, um setor comercial; Jersey City também tem alguns restaurantes e bares (recomendo muito o Zeppelin Hall, um bar alemão com um enorme e ótimo beergarden) e Hoboken é uma cidade universitária com bastante movimento e onde se encontra também a famosa Carlos Bakery.
  • Os dois times de futebol americano que representam New York na NFL, o NY Jets e o NY Giants, mandam seus jogos no MetLife Stadium, que fica em East Rutherford, em New Jersey. O NY Red Bulls, time de futebol (de verdade!) que disputa a MLS, a principal liga norte-americana do nobre esporte bretão, também tem seu estádio no estado, em Harrison, do lado de Newark. Seria melhor eles mudarem os nomes para NJ Jets, NJ Giants e NJ Red Bulls.

Be happy 🙂

Darwin Sem Frescura – Reinaldo José Lopes e Pirula (13/2019)

O biólogo Pirula e o jornalista Reinaldo José Lopes já são duas figuras bastante conhecidas na área de divulgação científica no Brasil. O primeiro, além de doutor em paleontologia, produz vídeos no seu canal no YouTube (que conta hoje com quase 900 mil inscritos) sobre ciências (além de outros assuntos) desde 2006. O segundo é jornalista especializado no tema, tendo já escrito pra o G1, Folha de São Paulo, Revista Piauí, Superinteressante, entre outros.

Neste livro eles tentam trazer para uma linguagem popular as teorias de Darwin, que modificaram à época o entendimento sobre o desenvolvimento da vida na terra e até hoje surpreendem por sua capacidade de explicar como os seres (e até as culturas) nascem e evoluem. Usando curiosidades, atualidades e polêmicas como pano de fundo para explicar as várias nuances da teoria da evolução, o livro consegue tornar um tema complexo (e eventualmente até chato) em algo divertido e por muitas vezes cômico.

Para quem já acompanha o canal do Pirula, cada capítulo segue basicamente o conteúdo de um dos vídeos, mas com um formato diferente. O fato de ser escrito e não “filmado” também faz com que muita coisa “desnecessária” que talvez um vídeo teria seja “limada”, indo direto ao alvo e se atendo ao tema do capítulo.

É claro que quem já leu a própria A Origem das Espécies, ou mesmo outros livros sobre o tema, como O Gene Egoísta, do Dawkins, pode achar o livro um pouco superficial e até bobo. Mas é uma boa e divertida introdução e talvez possa despertar a curiosidade, especialmente de jovens e adolescente, pelo tema.

Agora uma ironia que não dá para deixar passar em branco é a semelhança, tanto nos títulos, textos e diagramação com a série “Guia Politicamente Incorreto”. Um ponto negativo é que achei o livro curto. Mas entendo que isto talvez tenha se dado por características do mercado editorial brasileiro (tornar a produção e preço mais baratos). Então espero que este seja o primeiro de uma série, já que o assunto é fascinante e extenso.

Be happy 🙂

Wanderlust #59 – New Orleans, Louisiana (13/51)

(21/02/2019-26/02/2019)

Uma das festividades que eu mais gosto no Brasil é o carnaval (tem uns relatos dos carnavais de 2014 e 2015 aqui e aqui). Na época em que eu precisava fazer plantão, sempre me oferecia para trabalhar no Natal ou no Ano Novo para poder pegar a folga no Carnaval. A festividade é uma das coisas que me dão mais saudades do Brasil, especialmente porque nos últimos anos o Carnaval de rua de São Paulo virou uma festa muito legal. Então já que fazia 3 anos que a gente não curtia a festa, porque não curtir um carnaval diferente e aproveitar o Mardi Gras em New Orleans, a cidade dos EUA famosa por esta festividade.

Dia 1

Como não conseguiria pegar os dias do Carnaval de folga, planejamos a viagem para a semana anterior. Ao pesquisarmos, descobrimos que os eventos do Mardi Gras começam já no dia de Reis (6 de Janeiro) e que no fim de semana do “pré” existem mais desfiles (Parades) do que no final de semana do feriado (que não é feriado nos EUA) em si. Além de tudo, passagens e hospedagens são mais baratas.

Chegamos no começo da noite e após nos instalarmos no apartamento da Sonder, já fomos bater perna na área mais movimentada da cidade: a Bourbon Street. Já no caminho dá pra perceber o clima diferente e, além do calor (mesmo sendo inverno), as pessoas pareciam mais entusiasmadas, mesmo numa quinta-feira à noite.

A Bourbon St é uma rua que fica no French Quarter, a área mais turística e boêmia da cidade. Durante a noite e aos finais de semana, o acesso de carros é fechado e vira um grande calçadão. Além de bares, restaurantes e várias lojas de bugigangas (souvernis, fantasias, adereços, beads, etc.), também existem vários hotéis antigos na rua, com varandas (alguns bares também têm varanda), que é de onde o pessoal joga os beads, aqueles colares típicos da festividade. Os próprios hotéis e bares compram quilos e quilos dos colares e deixam pendurados para que os clientes possam jogar. Segundo a tradição, para ganhar um colar você tem que pagar uma prenda. Uma das prendas “preferidas” é que as mulheres exibam os seios.

Uma coisa legal nos bares da Bourbon é que nenhum deles cobra entrada. Eles apenas conferem a identidade (na maioria das vezes), para permitir apenas maiores de 21 anos, que é a idade legal para poder beber nos EUA (a legislação é estadual, mas todos os estados seguem esta idade mínima). Como New Orleans é uma das duas cidades norte-americanas onde se pode beber em público (a outra é Las Vegas) eles também não ligam muito se você entrar ou sair bebendo dos bares (só não pode sair com copos e garrafas de vidro, mas os bares disponibilizam copos de plástico). A maioria dos bares têm ótimas bandas com tudo quanto é tipo de som: jazz, blues, soul, rock, country. Por tudo isto é bem comum ver as pessoas saindo de um bar e entrando em outro, pra ver como está o som, ou então aproveitando o intervalo de uma banda pra ir curtir outra em outro local.

Primeiro a gente deu uma volta, indo até o final da rua e voltando. Paramos então na Huge Ass Beers, que vende cervejas em tamanhos realmente grandes (copos de até dois litros!), pegamos uma cerveja e curtimos um pouco o som. Saímos para dar mais uma volta e depois paramos no Fat Catz Music Club que na nossa opnião tem as melhores bandas (soul, funk, rhythm and blues e pop em geral). Depois de curtirmos um pouco o som e tomarmos umas cervejas, passamos numa loja de conveniência, compramos um pack de cervejas e voltamos para o apartamento.

Dia 2

Na sexta de manhã, mesmo com o tempo nublado e ameaçando chover, fomos dar uma volta. Passamos primeiro pela Canal St, a avenida mais movimentada da cidade, com hotéis, mais lojas de bugigangas, restaurantes, cassino, shopping e até uma arena de shows. De lá fomos até o rio Mississipi, o segundo maior rio dos EUA, que corta praticamente o país todo de norte a sul, desaguando no Golfo do México. Existe um boardwalk com algumas atrações e vários parques. Passamos pela parte do French Quarter que fica à beira do Mississipi, pela Jackson Square (que basicamente se resume a um shopping montado em uma antiga fábrica de cervejas) e caminhamos até o French Market, um mercadão local, que diferentemente da maioria dos outros mercados centrais dos EUA, é bem aberto.

Depois fomos dar umas voltas na Bourbon Street durante o dia e logo após paramos para experimentar as cervejas da Crescent City Brewhouse. Na sequência fomos até a Royal Street para acompanharmos a parade (desfile) da Krewe of Cork. As krewes podem ser considerados uma mistura de bloco carnavalesco com escola de samba. Cada krewe tem um tema e a de Cork é vinho (cork é rolha em inglês). O tema domina as fantasias, que são desenhadas e elaboradas por “foliões” individualmente ou em pequenos grupos, ou seja, não existe um padrão. Eles também confeccionam beads alusivos ao tema central que jogam para a galera (sem nem precisar mostrar os peitinhos…hahaha). Além dos beads, existem outros throws que são jogados pelos componentes: bonecos, óculos, máscaras, basicamente qualquer “recordação” que eles tenham em mente e que seja parte do tema.

O único ponto ruim foi que não haviam banheiros no trajeto desta krewe, então para não passarmos perrengue, preferimos não comprar cerveja.

Como as ruas do French Quarter são estreitas, os “blocos” (vou começar a chamar assim à partir de agora) que desfilam por lá são menores e eles não desfilam com os floats, que são os carros alegóricos. Os blocos maiores desfilam, em sua maioria, na St Charles Ave, e foi pra lá que fomos, já no final da tarde, para acompanharmos os blocos que passariam por ali no dia.  

Na St Charles Ave, além da presença dos floats, que em tamanho se assemelham aos trios elétricos do Brasil, desfilam blocos bem maiores, alguns com mais de 3 mil foliões. A variedade de throws também é enorme. Porém, como o local na St Charles em que paramos fica no final do percurso, muitos floats já estavam sem os throws. E como é a parte mais perto do centro, fica bem lotado. Depois de acompanharmos um pouco, fomos jantar e voltamos ao ap.

Dia 3

Sábado de manhã fomos tomar o café da manha no French Market e experimentamos a Mufalleta original. Passeamos depois pelas ruas perpendiculares à Bourbon e passamos em frente ao Lafitte’s Black Smith Shop, considerado o bar mais antigo ainda em funcionamento nos EUA, com quase 300 anos. Estava meio cedo, mas como estava lotado acabamos não parando. Fica para a próxima. Fomos então ao Louis Armstrong Park, que é até charmosinho, mas sem muitas atrações.

Voltamos então para a St Charles para acompanharmos os blocos do dia. Desta vez escolhemos um lugar mais afastado do centro, e acabamos topando com uma ruazinha que contava com um bar que, além de servir de “base” (para usarmos o banheiro), tinha umas IPAs ótimas. Depois de quase duas horas debaixo de um sol inesperado (virei camarão até) finalmente os blocos começaram e pudemos nos divertir (e coletar mais beads and throws).

Já no final da tarde, mas com o dia ainda claro, voltamos à Bourbon e ficamos no Band Stand curtindo um som e tomando umas Abitas (quem puder, experimente a Purple Haze deles).

Dia 4

No domingo fomos procurar outro ponto para acompanhar as paradas do dia e acabamos topando com a Lee Circle, que é definitivamente o melhor lugar para acompanhá-las. Além de ser uma praça grande e aberta (muitas familias levam até churrasqueiras, cadeiras de praia, coolers, etc.), ali existem banheiros e tem um posto de gasolina com uma loja de conveniência vendendo cerveja a preços módicos. Também é o melhor lugar para pegar os giveaways. Ficamos ali praticamente o dia todo e depois fomos jantar no French Quarter e darmos mais uma volta na Bourbon.

Dia 5

Na segunda não tinham mais blocos, então fomos conhecer a cidade. Resolvemos pegar a Magazine Street, uma rua com bastante bares, boutiques e comércio diverso que leva até o bairro de East Riverside, o mais “luxuoso” da cidade. No meio do caminho paramos para tomar um café na La Boulangerie, uma padaria que quase lembra as brasileiras. A parte residencial do bairro também é bem interessante, com casas antigas numa arquitetura mista de Europa e Sul dos EUA. Imagino que fossem construções bem suntuosas para a época.

Depois de umas voltas pelo bairro pegamos a St Charles sentido centro. Quase no Lee Circle, paramos na The Courtyard Brewery, que além de ter cervejas muito boas (produzidas lá e por outras cervejarias locais) é bem charmosa. Uma pena que o tempo estava ruim e não pudemos aproveitar para tomarmos umas no jardim. Seguimos então no final da tarde para a região do French Quarter onde jantamos no restaurante Tableau. De lá fomos curtir um pouco no Fat Katz novamente.

Dia 6

Na terça, nosso último dia na cidade, fomos andar do lado oposto de East Riverside, em By Water. O bairro é mais residencial e mais “pobre” que East Riverside, porém pareceu mais interessante. Apesar da quantidade menor de comércios, ainda conta com alguns cafés e bares pequenos que, imagino eu, seja frequentado pela galera local mais “cool”. Em By Water também fica o St. Roch Market New Orleans, que é uma praça gastronômica (existe este termo?).

Na volta andamos pela Frenchmen St, passando pela Washington Square, que parece ser também uma região boêmia, e paramos na pequena Brieux Carré Brewing Co. que tem cervejas bem interessantes de estilos não muito populares e um patio no fundo onde é possivel apreciar as bebidas.

E claro, para fechar com chave de ouro, voltamos à Bourbon para fazer um tour por vários dos bares onde estava rolando música ao vivo.

Observações, dicas e considerações:

  • Mufalleta (ou muffuletta) é um sanduiche típico da região, de origem italiana. Ele é feito num pão redondo bem parecido com o pão italiano (o pão em sí chama muffuleta e tem origem na Sicília) recheado com salame, presunto, mortadela e queijo provolone. Vai também um molho feito com azeitonas (uns 90% do total do molho), salsão, couve-flor e cenoura picados em pedaçoes bem pequenos e curtidos no azeite, alho e orégano. Apesar de bem salgado é uma delícia.
  • Um outro quitute típico da região é o Beignet (pronuncia-se “benhê”) feito com uma massa frita (a massa lembra a das carolinas brasileiras) e coberta com açucar de confeiteiro. Normalmente come-se acompanhado com café logo após o preparo. É tipo um bolinho de chuva deles. A origem deste é francesa.
  • O percurso das paradas é gigante, coisa de 5, 7 quilômetros. Entao dependendo do lugar em que se pretende assistir ela pode passar umas 2 horas depois de ter iniciado (por isto esperamos tanto no segundo dia).
  • A parada em sí é igual qualquer outra parada nos EUA: tem as bandas marciais de escolas, tem carros de comércio ou entidades locais, tem as “alas” de academias, de escoteiros, de associações diversas. A única diferença basicamente são os floats e a temática. Mas pra quem já viu qualquer parada (St. Patricks, Natal, Veteran’s Day, etc.) é basicamente a mesma coisa. Mas o fato de poder beber parece que faz uma diferença na empolgação da galera.
  • A tradução de bead é conta, entao beads, no plural, é apenas um colar de contas.
  • Uma outra atração da cidade é o café com xicória, que pode ser encontrado facilmente no Café Du Monde. A xicória, que também é amarga, era adicionada ao café para baratear o custo, numa tradição que começou na Europa e chegou à New Orleans com os imigrantes que ali se instalaram quando a região ainda era uma colônia francesa (o estado se chama Louisiana em homenagem ao rei Luis XV).
  • O Kilwins, na Decatur St, é uma ótima pedida para quem, como eu, adora sorvete.

Be happy 🙂

Samba de Enredo – Alberto Mussa e Luiz Antônio Simas (12/2019)

Escrito à quatro mãos pelo linguista e historiador Alberto Mussa e pelo também historiador Luiz Antônio Simas, este já um conhecido especialista na história do gênero brasileiro mais popular, o Samba, o livro se propõe a fazer o que descreve no  subtítulo: mostrar a “história e arte” deste que é mais do que um gênero musical, já que o enredo é a figura central e a música, bem como as alegorias (artes plásticas), a apresentação (artes cenográficas), além de diversos outros tipos de arte, servem ao enredo.

Dividido em três partes principais, o livro descreve na primeira delas (que é ordenada cronologicamente e separando em “eras”) o desenvolvimento da arte desde a pré-história, ou seja, dos movimentos culturais que viriam a gerar as agremiações, até a era moderna do samba de enredo (ou samba-enredo).

Na segunda parte o foco é nas principais escolas do Rio de Janeiro, incluindo algumas que não existem mais e até de alguns blocos que seguiam a mesma proposta de apresentar um enredo. Nesta segunda parte, além da “biografia” das escolas, traz também algumas informações como as premiações, os principais enredos e compositores que marcam a história de cada uma delas.

A terceira parte muda o foco para os compositores, já que muitos deles compuseram sambas para mais de uma agremiação, trazendo uma breve biografia de cada um dos principais compositores do gênero. O apêndice final traz uma lista de todos os sambas que eles conseguiram mapear e analisar para o trabalho, também em ordem cronológica. Infelizmente, muitos se perderam parcialmente (tem-se alguns trechos, normalmente passados de boca em boca, muitos só com a letra e sem a melodia) ou totalmente, já que a tradição de se registrar os sambas de enredo em gravações só se iniciou em meados da década de 60.

O livro é muito interessante para entender um pouco deste mundo fantástico que envolve os desfiles de carnaval e as escolas de samba. Também serve como um guia para procurar os sambas listados no Youtube. Só achei que caberia um quarto capítulo fazendo pelo menos um apanhado geral do desenvolvimento da arte em outros locais, especialmente São Paulo. Mas posso apenas estar sendo bairrista.

Be happy 🙂

Homo Deus: A History of Tomorrow – Yuval Noah Harari (11/2019)

Homo Deus é basicamente a continuação do Sapiens, do próprio Harari. Enquanto o Sapiens conta a história dos humanos desde o surgimento de outras espécies de hominídeos até os tempos atuais, Homo Deus tenta imaginar o que acontecerá com a nossa espécie e como ela evoluirá daqui em diante. Sapiens é mais centrado em história e biologia (evolução), Homo Deus é um livro mais filosófico e um exercício de “futurologia”.

No enorme e cansativo primeiro capitulo (70 páginas!) e nos dois capítulos seguintes, que formam a primeira parte do livro, denominada “O Homo sapiens conquista o mundo”, Harari faz um resumo da primeira obra, revisando como foi a caminhada do homem desde o seu surgimento até o domínio sobre outras espécies e sua consolidação como a mais bem-sucedida delas.

Na segunda parte, “O Homo sapiens dá um significado ao mundo”, vem a parte filosófica, onde ele se estende, além da parte histórica, pela busca do homem a dar um sentido à sua existencia. Nesta parte ele foca muito no humanismo como uma forma que o ser humano encontrou para dar este sentido. Neste ponto o ser humano passa a ser o centro do universo e de todas as atenções. Esta abordagem faz com que inclusive ele ache que todo o restante do mundo e todas as demais espécies estão ao seu dispor.

Na terceira parte ocorre o exercício de futurologia. Harari tenta imaginar como a espécie irá evoluir à partir deste momento em que vivemos, onde estamos conseguindo inclusive desenvolver a capacidade de manipularmos a evolução da nossa espécie, através de engenharia e genética, e não mais dependendo do acaso da evolução.

Achei o livro interessante, porém bastante cansativo e não tão fluido quanto o Sapiens. Mesmo assim a leitura vale muito, especialmente a terceira parte.

Be happy 🙂

Wanderlust #58 – Porto Rico

(23/12/2018-01/01/2019)

Ano passado decidimos que não iriamos passar as festas de final de ano em casa e que iriamos procurar algum lugar quente para fugirmos um pouco do frio. Fazendo algumas pesquisas, descobrimos que Porto Rico se trata de um vôo doméstico e sairia bem em conta. Ainda conseguimos comprar as passagens com milhas. E que grata surpresa foi visitar este local, que apesar de ser um território norteamericano, tem sua própria cultura!

Dia 1

Além da ilha principal onde fica a capital San Juan, Porto Rico conta com diversas outras ilhas, sendo duas delas mais importantes e turísticas: Vieques e Culebra. Não haveria tempo hábil para visitar as duas e também conhecer a ilha principal como queriamos, então acabamos por escolher Culebra meio que aleatoriamente. Como chegaríamos no final de tarde em Porto Rico, para não corrermos o risco de algum inconveniente, resolvemos pernoitar em San Juan e tomar o vôo para Culebra na manhã seguinte.

Assim que chegamos, fizemos o checkin no hotel e fomos dar uma volta em Condado, um dos bairros turísticos da capital. Condado basicamente se resume a uma avenida de uns 800 metros com alguns hotéis, um cassino e bastante bares e restaurantes. Após uma breve volta paramos no The Place para comermos algo e tomarmos uma cervejas, de leve, já que a viagem se iniciaria de verdade no outro dia.

Dia 2

Depois de um tempo procurando, conseguimos achar o balcão da Vieques Air Link e despacharmos as malas. Estranhei um pouco o atendente perguntando quanto pesávamos, porém quando nos dirigimos à pista para embarcar entendi que era para poder distribuir corretamente o peso dos 6 passageiros na pequena aeronave Britten Norman BN-2 Islander (que tem capacidade para 8 passageiros, além de dois tripulantes). O passeio no “teco-teco” foi uma atração a parte, especialmente porque antes de chegar a Culebra ele fez uma parada em Vieques para deixar os demais passageiros. Ou seja, além da bela vista proporcionada ainda tivemos uns 10 minutos de um “vôo privado”, com direito a selfie tirada pelo piloto.

Chegamos a Culebra e a segurança do aeroporto nos ajudou a chamar um táxi, mas talvez nem precisasse, já que a agradável pousada Country Family ficava a poucos minutos do pequeno aeroporto. Culebra é bem pequena e muita gente aluga aqueles carrinhos de golf, que também é um modo de transporte comum aos moradores da ilha. Mas resolvemos fazer as coisas à pé mesmo. Depois do checkin e de algumas dicas da Mari, a simpática dona da pousada, fomos dar uma volta na área mais habitada da ilha. Já sabiamos que a ilha era pequena (cerca de 3 mil habitantes), mas não achavamos que era tanto!

Demos uma parada primeiramente na Dinghy Dock , um bar todo aberto à beira Ensenada Honda, a principal baia da ilha, para comermos um peixe e tomarmos uma cerveja. Em seguida andamos para o centrinho, onde estavam acontecendo os preparativos para a noite de natal. Depois do rápido passeio, voltamos ao hotel para nos prepararmos também.

De volta ao centro da cidade passamos no Mamacitas Bar & Grill onde tomamos uma ótima Piña Colada (talvez a melhor que eu já tomei) e depois fomos jantar e passar a noite de natal novamente no Dinghy Dock.

Dia 3

No outro dia, fomos até a Playa Flamenco, talvez a mais conhecida da ilha. Haviamos decidido caminhar os quase 4 quilometros até lá, porém antes da metade do caminho dois turistas num carrinho de golf nos ofereceram carona. Cobra-se uma pequena entrada de US$ 2,00 por pessoa para acessar a praia à pé e carros pagam um adicional pelo estacionamento. Mas a praia conta com infraestrutura como quiosques (em uma espécie de “praça de alimentação”), banheiros e duchas. Também é possível alugar cadeiras de praia e guarda-sóis, porém existem bastante árvores ao longo da faixa de areia, então dá pra apenas estender uma canga debaixo de uma delas e ficar à vontade.

A praia era usada há algumas décadas como área de treinamento da marinha americana e uma das atrações são alguns tanques de guerra que eram usados como alvo para os treinamentos. Obviamente os tanques estão envelhecidos e enferrujados, mas foram “decorados” com grafites. Depois de aproveitarmos um pouco a praia (sem entrar na água), resolvemos sentar em um dos quiosques (onde já tinhamos tomado café da manhã) para almoçarmos e tomarmos umas cervejas. Tivemos que ficar um tempo a mais pois caiu uma baita chuva e iriamos voltar à pé. Mas novamente no meio do caminho duas turistas nos ofereceram carona.

Fomos então para o centrinho da cidade. Estava ocorrendo uma festa de natal tradicional na ilha, onde eles enfeitam os carros (incluindo os de golf) com luzes e se reunem à beira do porto da área central para beber e dançar (tinha música ao vivo). Depois fomos outra vez tomar umas e agora jantar no Mamacitas.

Dia 4

Tomamos o pequeno avião de volta a San Juan logo cedo. Lá chegando pegamos o carro alugado e fomos fazer a programação na ilha principal. Nossa primeira parada foi Barceloneta. A cidade lembra muito as pequenas cidades do interior de São Paulo, mas além de um Outlet que fica na beira da estrada (e que pode ser atração para alguns) e uma pequena praia (La Boca), não tem nada que valha muito a pena a parada. De lá seguimos para Aguadilla, no Oeste da ilha.

Escolhemos Aguadilla para ficar pois à partir dela teriamos acesso tanto às praias do Norte quanto do Oeste da ilha. A cidade em sí é bem pequena e a maior atração talvez sejam as casas coloridas existentes numa encosta do morro que cerca o centro do povoado (além de uma pista de patinação no gelo!). Depois de darmos uma volta neste pequeno centro e passarmos pela Crash Boat Beach, a praia mais popular da região, fizemos o check-in. Mas como o dia já tinha praticamente acabado e o restante da programação seria feita no dia seguinte, fomos até o Beer Box, um bar de cervejas especiais a cerca de 20 minutos do hotel.

Na volta acabamos encontrando, sem querer, uma loja de conveniência bem próxima ao hotel que tinha um deck externo e vendia algumas cervejas diferentes. Então ficamos lá tomando algumas Medallas mesmo e observando o movimento.

Dia 5

Na quinta-feira fomos conhecer as praias da região, primeiro as do norte, na região de Isabela. Por lá existem várias praias que lembram muito as do litoral norte de São Paulo, como Punta Sardina, Middles Beach e Jobos Beach. Para quem visita Porto Rico atrás de praias, este seria um bom lugar para ficar hospedado.

De lá seguimos sentido oeste, e demos uma parada nas Ruinas del Faro, em Punta Borinquen. Com tempo até vale a rápida parada, mas também não tem nada demais em termos de visual.

Fomos então até Rincon, que assim como Isabela, também conta com várias praias que lembram o litoral norte de São Paulo e é também uma ótima pedida para quem quer curtir praia. A principal diferença de Rincon para Isabela é que em Rincon existe um balneário e mais infraestrutura. Este balneário,  na área central da região, lembra inclusive algumas praias mais movimentadas do litoral paulista. Outro ponto interessante em Rincon é o Faro Punta Higueras, que fica no alto de um penhasco e conta até com um bar. Deve ser bem legal pra ver o por-do-sol.

Para finalizar a programação do dia, fomos até Mayagüez, que é uma das maiores cidades fora da região metropolitana de San Juan, com seus pouco mais de 70 mil habitantes! Para turistas de fora do país não existe nenhuma atração interessante.

Voltamos para Aguadilla e à Crash Boat, desta vez para sentarmos e tomarmos uma cerveja. A praia é muito movimentada e bem popular na região. No início da noite voltamos à loja de conveniências da beira da estrada, onde tinhamos ido no dia anterior (sério, é bem agradável e tem ótimas opções de cerveja!). Depois fomos jantar no Aliyah’s Rooftop, que fica ao lado.

Dia 6

Na sexta-feira saímos cedo em direção a Ponce. Acabamos parando em Mayagüez novamente, que ficava no meio do caminho, para tomarmos café da manhã na padaria Ricomini, que lembra muito as padarias brasileiras. Vale a pena comprar lá o Brazo Gitano, que é um rocambole recheado de goiaba e queijo e que lembra um pouco o Bolo de Rolo. Seguimos então para San Germán, que assim como Mayagüez, também não tem quase nenhuma atração turística (e nem uma padaria!).

Chegamos então em Ponce, que é a maior cidade fora da região metropolitana de San Juan (130 mil habitantes!). Ponce, apesar de pequena, tem algumas atrações turísticas interessantes. Passeamos pelo Parque de Bombas, um antigo quartel de bombeiros transformado em museu e pela Plaza del Mercado, que já estava quase vazia.

Demos mais uma passeada pela cidade, almoçamos e fomos andar na La Guancha, um boardwalk que conta com vários quiosques. O boardwalk estava fechado para reparos, provavelmente por conta dos danos causados pelos furacões Maria e Irma, em 2017. Vale a pena parar em algum dos quiosques para tomar uma cerveja e uns drinks. Pelo que pudemos perceber, à noite rola um “fervo” por ali.

Mas como já tinhamos outros planos, saimos logo no início da noite em direção ao bar Birriola, que oferece umas 10 taps com cervejas locais. Depois jantamos no restaurante Sabor y Rumba e fomos descansar.

Dia 7

Levantamos cedo para ir a San Juan e fomos parando em algumas praias, meio aleatoriamente, nas cidades de Guayama, Humacao, Fajardo e Ceiba, mas não lembro os nomes das praias. Muitas delas são bem interessantes, porém muita coisa ainda está danificada por conta dos furacões.

Chegando na região metropolitana de San Juan, paramos primeiro no Balneário de Carolina, onde existem muitos prédios residenciais (ou de veraneio?) enormes. A região é bem turística, com bastante restaurantes, lojas de bugigangas (guarda-sol, brinquedos de praia, etc.), bem “Brasil” mesmo. Aposto que muitos norteamericanos mantém estes imóveis na ilha para passarem temporada.  

Depois de devolvermos o carro e tomarmos um Uber até o hotel, fomos dar uma volta em Miramar, região onde ficamos hospedados. Miramar é uma área mais comercial, mas conta com vários prédios antigos e alguns museus. Andando pela Avenida Juan Ponce de León, acabamos topando com o Lote 23, uma praça gastronomica bem agradável.

De lá continuamos a peregrinação até a Calle Loiza, uma região boêmia mais “alternativa”, que lembra um pouco a antiga Vila Madalena. Fizemos um pit-stop no El Tap, que tem 50 torneiras, a maioria delas com cervejas locais e umas poucas (4 ou 5) com vinho e cidra. O bar é até meio “fancy” para a região, mas nada que destoe e não teve nenhuma frescura. É chegar, pedir a bebida, se alojar no balcão ou em alguma das mesas ou sofás e aproveitar. Depois jantamos um ótimo e barato PF no Ana’s Cafe Restaurant. A região estava bem movimentada, mas caiu uma baita chuva (“mucha água!”) e resolvemos voltar para o hotel.

Dia 8

No domingo, debaixo de um calor escaldante, fomos finalmente conhecer a parte mais turística de San Juan, a Isleta de San Juan, onde fica Old San Juan. Mas primeiro, já na ilheta, passamos pela Punta Escabron, onde fica o Balneário El Escambrón, que tem um belo paisagismo e bastante infraestrutura (bares, chuveiros, estacionamento). É uma boa pedida para pegar uma praia e diferentemente do Balneário Carolina, onde os prédios ficam colados na areia, existe um parque que separa a faixa de areia da avenida principal, ou seja, tem um visual mais “natureza”.

De lá, pegamos o “boardwalk” que leva até o San Juan antiga. Quase chegando em San Juan, fica o Capitólio, que é o palácio de governo e, assim como o de Cuba, parece uma cópia do Capitólio dos EUA. Em frente ao Capitólio tinha um vendedor de águas e resolvemos comprar uma. Acho que ele percebeu que tinhamos caminhado bastante debaixo daquele sol e gentilmente nos deu uma água.

Finalmente chegamos em Old San Juan e fomos caminhar pelas ruas estreitas da parte mais antiga da cidade. Andamos também pelo Paseo de La Princesa, passamos em frente à Fortaleza e entramos novamente na cidade pelo Portão de San Juan.

Caminhando um pouco mais pelas rua estreitas (muitas delas fechadas para veículos), acabamos topando com a La Taberna Lupulo, que até tinhamos mapeado anteriormente, mas não esperávamos que fosse tão legal. O bar foi montado em um imóvel antigo, com portas largas e janelas enormes (lembra o Frangó e o Empório Sagarana), que torna o local bem agradável, especialmente no calor da cidade. Além disto, o atendimento é muito bom e tem uma boa carta de cervejas, tanto nas taps quanto em garrafas e latas. Após tomarmos umas e petiscarmos algo, perguntamos se no outro dia, véspera de reveillon, eles estariam abertos (estariam!) e fomos dar mais umas bandas.

Dando mais uma volta, acabamos caindo sem querer na Calle Tanca, que fica na entrada da comunidade La Perla. A comunidade é muito parecida com as favelas brasileiras e é onde parte do clipe de Despacito, do Luis Fonsi, foi gravado. A rua é fechada e estava ocorrendo uma festa, muito parecido com os pagodes encontrados no Brasil, com músicos se revezando (e improvisando), a galera dançando, bebendo. Tirando a diferença de estilo musical (ritmos latinos ao invés de samba), me senti praticamente em algum morro do Rio ou periferia de São Paulo. Ficamos um bom tempo ali degustando algumas Medallas (aliás, vale assistir o clipe Calma, de Pedro Capó, para entender como a cerveja faz parte da cultura local) e mojitos com os locais.

Já no começo da noite, fomos até o Restaurante Raices, que é meio turístico, mas é uma boa opção para degustar alguns pratos da culinária local. Resolvi encarar a Chuleta Kan Kan que estava muito boa. Porém, além de bem gordurosa ela é grande e acabei passando mal durante a noite (e olha que tenho estômago de avestruz).

Mas felizmente, mesmo sentindo o peso da chuleta, demos uma passada na La Factoria (onde outra parte de Despacito foi gravada). O bar fica num imóvel bem antigo, que deveria ser uma fábrica. A especialidade da casa são ótimos drinks. Ótimos mesmo, inclusive com diversos prêmios internacionais. Uma portinha atrás do balcão dá acesso à parte “secreta” do bar: mais 3 ambientes onde ocorre música ao vivo e DJs à partir das 23:00 hrs até a hora do sol nascer.

Dia 9

Na véspera de ano novo, fomos dar uma volta em Condado, para conhecer de dia. Tem algumas praias interessantes também, quase no estilo do Balneário Carolina. Os restaurantes ficam abertos de dia, mas talvez por conta do feriado, estavam bem vazios.

À tarde nos preparamos e fomos para o centro. Primeiro passamos na La Factoria novamente, para tomarmos os bons drinks. Depois do “exquenta” fomo até a La Taberna Lúpulo (que fica em frente) para jantarmos e passarmos a virada tomando boas cervejas. Depois da virada, voltamos à La Factoria para curtimos um pouco a balada (e claro, mais alguns bons drinks) como saideira.

Observações, dicas e considerações:

  • A primeira coisa a se pontuar sobre Porto Rico é que ele é um caso especial: ele não é uma nação soberana, mas um território que pertence aos Estados Unidos mas que não faz parte dele (um “território não-incorporado”). Qualquer pessoa nascida em Porto Rico tem cidadania norte-americana. Residentes de Porto Rico não votam para presidente dos EUA, já que a eleição para presidente é indireta, através de voto dos representantes dos 50 estados da federação. Porém, alguém nascido na ilha pode se registrar e votar, caso resida em algum dos estados. A perda do direito a voto ocorre também para alguém que tenha nascido em algum dos 50 estados e tenha se mudado para a ilha. O território não tem representantes no congresso, já que os representantes também são estaduais. Localmente eles elegem um governador e legisladores. O lado positivo desta situação é que os residentes de Porto Rico não pagam o imposto de renda federal (apesar de ainda precisarem fazer a declaração, que é exigida de qualquer cidadão norteamericano, mesmo os que moram fora do país) e mesmo empresas têm bastante atrativos para se instalarem na ilha (e muitas o fazem, inclusive empresas não norte-americanas).

  • Pra entrar na ilha precisa do visto americano: não existe um visto portoriquenho, como não existe mais um passaporte portoriquenho. A moeda é o dolar, o sistema de telefonia é norteamericano (apesar de várias operadoras do continente não prestarem serviço na ilha e operarem através de roaming), as leis de trânsito se assemelham muito às leis dos estados norteamericanos (as regulamentações de trânsito nos EUA acontecem no nível estadual). Até as estradas lembram muito as dos EUA, com apenas uma diferença: as placas de velocidade e distâncias normalmente apresentam valores em milhas e em kilômetros. Também existe muita placa em espanhol e em inglês. Mas o idioma mais falado na ilha é o espanhol mesmo.

  • Existe muita propaganda na ilha incentivando os residentes a aprenderem inglês. Meu palpite é que a falta de domínio no idioma mais utilizado nos EUA seja um empecilho para que mais empresas se instalem na ilha. E a título de curiosidade: o inglês NÃO é o idioma oficial dos EUA. Os EUA não tem, propositalmente, um idioma oficial. A nação foi fundada à partir da união de várias ex-colônias (Britânica, Francesa, Holandesa, Espanhola, etc.) e determinar um idioma a ser utilizado iria prejudicar a unidade.

  • Outro ponto interessante é que pode-se beber em público, coisa que só é permitido nos EUA em duas cidades (Las Vegas e New Orleans) e, eventualmente e temporariamente, em alguns outros lugares, mas não no nível estadual em nenhuma das unidades federativas.

  • O Natal parece ser a principal festividade da ilha. Todo mundo se prepara, é o dia dos parentes “voltarem para casa” e se reunirem, é dia de visitar os amigos, comer, beber, dançar, se divertir. De acordo com os dois turistas que nos deram carona até a Playa Flamenco, outra comemoração muito importante é o Dia de Reis (6 de Janeiro). Segundo eles, é o carnaval deles e a festa onde a galera “perde a linha”.

  • Ainda tem muito dano dos furacões de 2017, mesmo na capital (outdoors retorcidos, imóveis sem teto, etc.). A eletricidade de Culebra até este ano era feita por geradores já que as conexões submarinas foram danificadas pelo furacão Irma. Os ferries são muito inconstantes, não existe venda antecipada e a preferencia é sempre dos moradores das ilhas. Por isto aconselha-se a tomar um avião se o tempo para visitar Vieques ou Culebra for pouco, já que turistas podem não conseguir embarcar. E para pegar o Ferry com carro só se for morador da ilha, já que turistas não podem embarcar com carros alugados.

  • Servi-carro é o drive-thru dos restaurantes. Faz muito mais sentido!

  • A experiência com o pequeno avião foi bem legal, mas na volta eu pensei “se o piloto tem um piripaque ferrou”, já que não tinha co-piloto. Preciso tirar logo meu brevê!

  • Em San Juan existem caixotes nos pontos de ônibus onde as pessoas compartilham livros. Qualquer um pode deixar ou pegar um livro pra levar. Bela idéia! Pena que esqueci de tirar foto.

  • Chinchorro é um boteco pequeno que vende de tudo: cerveja, drinks, comida, frutas, verduras, etc. É tipo aquelas vendinhas que tem em bairros periféricos do Brasil. Chinchorrear portanto é botecar (comer e beber, mas invariavelmente sempre acaba em festa e música). Vacilar é curtir, aproveitar, e não “dar mancada” como no Brasil.

  • Os portoriquenhos são muito simpáticos, receptivos e educados. Além de serem bastante festeiros.

Be happy 🙂

Slaughterhouse-Five – Kurt Vonnegut (10/2019)

Segundo o prefácio, escrito pelo próprio autor, Kurt Vonnegut sempre quis escrever um livro baseado na sua história pessoal como prisioneiro de guerra em Dresden, durante a segunda guerra mundial. A experiência foi marcante pois ele estava na cidade quando esta, já no final da guerra, sofreu um intenso bombardeio, considerado por muitos totalmente desnecessário àquela altura do conflito.

Ao procurar um antigo companheiro para colher informações sob outra perspectiva, prometeu à mulher deste que não escreveria um livro “heróico” e não “glamourizaria” a guerra. E assim o fez com maestria: criou uma estória que mistura alguns fatos e personagens reais com ficção, jogando na cara todo horror presenciado por quem esteve no front de batalha, em contraste com a tendência de romantizar a guerra que normalmente ocorre com quem as promove (oficiais, políticos, etc.). E sendo um livro do Vonnegut, não poderia faltar muita ironia e humor.

Porém é aquele humor que faz você sentir vergonha de ter achado engraçado, e isto foi feito propositalmente pelo autor ao criar como personagem principal Billy Pilgrim, um oftalmologista (optometrist em inglês) que é um personagem muito caricato. Além disto a estória de Billy ainda traz à tona as agruras posteriores (ou anteriores, bem, o tempo não existe) a este evento tão traumático.

É um livro maravilhoso, daqueles que dá aquele aperto no peito, uma angústia, que a gente não consegue explicar direito porque. Para mim junto com Nada de Novo no Front, do Erich Maria Remarque, e com Maus, do Art Spiegelman o livro forma uma trilogia espetacular sobre guerras. E Kurt Vonnegut já está entrando na minha lista de autores favoritos.

So it goes.

Be happy 🙂