Arquivo da tag: EUA

Wanderlust #65 – Charlotte and Raleigh, North Carolina (15/51)

(29/08/2019-02/09/2019)

Wow! Já faz um tempão desde o último Wanderlust.

Como já disse antes, nesta saga de tentar conhecer todos os 50 estados norte-americanos (mais DC e alguns territórios) e já tendo conhecido os principais que podíamos conhecer de carro, cada novo feriado ou férias significa um tempo considerável tentando conciliar um estado novo com clima agradável e passagens a preços acessíveis.

Desta vez estávamos entre as Carolinas (Norte e Sul) e até pensamos em já fazer as duas de uma vez, mas depois de pesquisarmos um pouco resolvemos, felizmente, nos concentrar na do Norte. Apesar de não ser um estado muito grande e nem tão turístico, ele nos reservou algumas boas surpresas.

Dia 1 – Charlotte

Nesta de procurar passagens, encontramos as mais em conta pra Charlotte, que pelo que havíamos pesquisado, não tinha lá muitas atrações. Então planejamos ficar apenas os dias em que iriamos voar e nem nos preocupamos muito com localização de hotel. Pegamos um Super 8, uma rede de motéis bem simples. Só lembrando que motel nos EUA é apenas um hotel com estacionamento para carros, geralmente na beira de estrada e cujo proposito maior é apenas pernoitar durante viagens longas (motel = motor + hotel).

E como chegamos já de noite, apenas nos registramos e fomos comer algo (e tomarmos umas cervejas de leve).  Já havíamos mapeado a The Brass Tap, que é uma rede de franquias de bar de cervejas artesanais que tinha uma quantidade razoável de taps (acabei de descobrir que a unidade de Charlotte não existe mais, infelizmente não deve ter resistido à pandemia)

Dia 2 – Charlotte-Raleigh

Antes de pegar a estrada no outro dia em direção a Raleigh (lê-se “Róulei”), demos uma passada em Charlotte Downtown para aproveitarmos a passagem pela cidade. Além dos prédios comerciais a região conta com algumas praças e um museu. Ainda conta com bastante arte espalhada pelas ruas: esculturas, grafites, etc. Encontramos até um Urso Berlinense (United Berlin Bear).

Após a rápida visita no centro de Charlotte, dirigimos quase três horas até Raleigh. Lá ficamos hospedados num Holiday Inn bem no centro da cidade. O prédio é interessante, redondo, lembrando o Edifício Dacon, em São Paulo, onde trabalhei entre 2004 e 2006.

Depois do check-in feito, fomos dar uma volta no centro da cidade e logo em seguida, já no meio da tarde, passamos na ótima Crank Arm Brewing Company , cuja temática é bicicleta. “crank arm” é o termo em inglês para pé-de-vela – que acabei de descobrir agora que na verdade se escreve “pedivela” – que são aqueles “braços” onde são encaixados os pedais da bicicleta e que se conectam à coroa. Além de ótimas cervejas e da pipoca “digrátis” (“você disse pipoca?”) uma outra atração da cervejaria é a agradável área externa.

De lá caminhamos até Glenwood South, o bairro boêmio da cidade, que conta com diversos restaurantes, bares e baladas. Uma parada obrigatória na cidade é o Raleigh Beer Garden um bar e restaurante que conta com 366 taps! Se colocar como meta experimentar uma por dia, precisaria de um ano bissexto para provar todas. Claro que as cervejas estão sempre mudando, mas seria um desafio interessante.

Já no final da noite, fomos comer no La Santa Modern Mexican Food.

Dia 3 – Raleigh

No sábado, como tínhamos o dia todo em Raleigh, fomos conhecer a cidade “de verdade”, primeiro passando pelo capitólio do estado, que ficava próximo ao hotel. De lá fomos procurar algum lugar para tomar café da manhã e acabamos parando no charmoso Sir Walter Coffee.

Após o café fomos dar uma olhada na Moore Square, que é bastante frequentada por pais levando suas crianças. Próximo a praça fica o City Market, um conjunto de uns 3 quarteirões com lojas, cafés, livrarias. Vale uma passada se tiver tempo.

E aí voltando para a região do hotel nos deparamos com uma das melhores surpresas: estava rolando o African American Cultural Festival na Fayetteville street, uma das principais vias da cidade. Tinha bastante barracas de artesanato, música, barracas com temática de países da África e do Caribe. Muito legal! E já que estávamos na região do centro e existia uma outra cervejaria por ali, demos uma passada na Trophy Brewing Tap and Table para tomarmos uma (literalmente), só pra refrescar.

Na sequência fomos visitar o bem montado North Carolina Museum of Natural Sciences, cuja entrada é gratuita. É uma mini (bem mini) versão do Museu de História Natural do de New York. Outra atração bem interessante, especialmente para crianças e quem curte ciência.

De lá voltamos na Crank Arm para experimentarmos algumas das cervejas que não tínhamos experimentado no dia anterior e para aproveitarmos o sol pra umas cervejas ao ar livre. Demos uma andada no Warehouse District, um bairro industrial (como o nome diz) que está sendo revitalizado com lojas, espaços de co-working, etc. E de lá fomos conhecer a Clouds Brewing que nos pareceu bem fraquinha pra ser sincero.

Nas duas vezes que fomos na Crank Arm e andando pelo Warehouse District, sempre sentíamos um cheiro de barbecue (do churrasco mesmo e também do molho). Se tratava do The Pit Authentic Barbecue , e foi uma ótima opção para degustar um legitimo churrasco texano.  Bem na esquina em frente ao hotel, havia uma loja de cervejas (State Beer). Então claro que paramos lá pra saideira de Raleigh, já que no outro dia iriamos voltar para Charlotte.

Dia 4 – Raleigh-Charlotte

No dia anterior, quando fomos tomar café no Sir Walter, o pedido demorou quase uma hora para chegar. Por conta disto, mesmo sem termos reclamado, nos ofereceram um voucher. Então fomos “obrigados” a voltar no domingo, antes da viagem de volta pra Charlotte.

Retornando a Charlotte, antes de nos dirigirmos ao hotel para fazer o check-in (já que o nosso voo de volta só seria na segunda feira de manhã), demos uma passada no Freedom Park, que pelo que havíamos pesquisado era a atração turística mais famosa da cidade. Demos uma passeada pelo belo parque debaixo de um baita sol e na sequência fomos almoçar e dar mais um passeio em Downtown para enrolar até o horário do check-in.

Como não havíamos achado muitas atrações em Charlotte, havíamos decidido fazer uma via sacra em algumas cervejarias locais. E aí acabamos descobrindo que realmente existe uma “brewery trail” na cidade.

Primeiro passamos na Lenny Boy Brewing Co, que tem grande área externa, mas que já estava lotada (como a cervejaria inteira) quando chegamos. Além das ótimas cervejas, eles também produzem kombucha (e inclusive oferecem drinks com a bebida). Aos domingos geralmente rolam promoções (e talvez por isto estivesse tão lotada).

Continuando então nossa peregrinação, fomos até a Sycamore Brewing que também tem uma área externa enorme (maior até do que a Lenny Boy). A cervejaria é legal, mas infelizmente as cervejas eram servidas em copos de plástico barato, daqueles que influenciam o gosto. Entendo que com uma área externa daquele tamanho, copos de vidros são inviáveis, mas podiam ao menos utilizar aqueles copos de plástico mais rígido e transparente, próprios para cerveja. Ou então usar um sistema de Pfand igual na Alemanha, que reduziria o problema do custo do furto (mas não o de ter que lavar centenas, provavelmente milhares de copos, num dia cheio).

E ao fundo da Sycamore encontramos a pérola da cidade: existe uma linha de bonde (trolley/tram) e ao lado desta linha uma pista de caminhada e corrida. Resolvemos caminhar por ali até a próxima parada. As margens desta pista/linha têm alguns bares, sorveterias, restaurantes. Estava também bastante movimentada, com casais, grupos de jovens, pessoas passeando com seus cães, todos aproveitando o ótimo domingo.

Para finalizar o tour, passamos na Wooden Robot Brewery, que também tem ótimas cervejas. Depois de um sample na Wooden Robot, restou só voltar a The Brass Tap (que ficava ao lado) para jantar e tomar a saideira.

16 de Janeiro de 2021

Devido as restrições de viagem por conta da pandemia decidimos passar o final de 2020/começo de 2021 na Flórida. Fomos de carro de New Jersey, num trajeto de mais de dois mil quilômetros. Para não dirigirmos 24 horas direto (mesmo revezando seria muito cansativo), paramos para pernoitar no meio do caminho (tanto na ida como na volta). Na volta, escolhemos Raleigh, pois já conhecíamos a cidade.

A ideia era chegar, fazer o check-in, ir tomar umas na Crank Arm e depois ir jantar em algum lugar. Assim que fizemos o check-in e fomos caminhar até a cervejaria, notamos muito movimento praquele horário (especialmente no inverno). Já sentados e com uma cerveja, começamos a procurar algum lugar para jantar e não encontrávamos nenhum que ficava aberto até tarde. Fui dar uma googlada e descobri que, devido à pandemia, a cidade estava com toque de recolher as 22:00hrs (com a última bebida servida até as 21:30, no máximo). Claro! Como não imaginamos isto?!?! Acho que ficamos tão habituados com a “normalidade” da Flórida que quase esquecemos que estávamos no meio de uma pandemia.

O movimento anormal era apenas a galera curtindo balada antes do toque de recolher!

Tivemos que fechar a conta rapidamente na Crank Arm e saímos correndo atrás de um lugar pra comer. A primeira tentativa foi falha, pois a Tobacco Road Sports Cafe & Brewery já não estava mais aceitando clientes. Atravessamos a rua e fomos na Clouds, sem saber que era a mesma cervejaria que havíamos conhecido anteriormente (e que não havíamos gostado muito). A hostess nos ofereceu um lugar no balcão e, após pedirmos a primeira rodada, bateu aquele: “eita! Acho que a gente já veio aqui”.

Coincidentemente o lugar no balcão era exatamente o mesmo onde havíamos nos sentado 1 ano e meio antes. Mas desta vez achei até legal, tanto pelo atendimento, quanto pela ótima porção de nachos com bratwurst (um dos vários estilos de salsicha alemã, que neste caso é preparada assada), uma mistura que ficou bem interessante.

Observações, dicas e considerações:

  • Notei muitos fãs do Liverpool nas duas cidades. Havia muita gente passeando com camisa e muitos estabelecimentos tinham bandeiras e flamulas. Não consegui descobrir a razão.
  • Em Raleigh a bicicleta e muito usada como meio de locomoção e talvez isto explique o porquê de existir uma cervejaria com a temática na cidade.

Be happy 🙂

Wanderlust #4 – USA – Dicas e Observações

EUA 1Aqui vou colocar algumas dicas para quem vai viajar aos EUA. Depois de umas 10 viagens, um total de mais de 1 ano lá e o contato praticamente diário com americanos, por conta do trabalho,  acho que tenho know how para isto….hehe (e algumas observações tambem).

No Aeroporto / Avião

  • Se você comprou mais do que pretendia e não cabe em duas malas, compre uma terceira mala, pague o excesso de bagagem e despache. Não tente levar consigo dentro do avião, pois o espaço a mais que você usaria vai faltar para outra pessoa.
  • Existe um motivo para embarcarem os passageiros por setor: agilizar o embarque. Portanto, se você entrar no avião quando não for o seu grupo, você vai ser o causador de algum possível atraso.
  • Seu lugar está marcado, então não precisa fazer fila para tentar ser o primeiro a embarcar.
  • Você gosta de beber? Eu também gosto. Mas durante um vôo contenha-se: é muito desagradável para todos quando alguém passa da conta dentro de um vôo. Sem contar que isto assusta ainda mais passageiros que já tem medo de voar. E lembre-se que, devido à pressão, o efeito do álcool é potencializado em altitude.
  • A tripulação está lá para servir e ajudar os passageiros, mas acima de tudo eles estão lá por uma razão maior: a segurança do vôo. Seja respeitoso e gentil com os comissários.
  • Seus filhos são incontroláveis? Então talvez seja melhor você planejar suas férias para um lugar apropriado (preferencialmente onde não existam outras pessoas) e que seja acessível sem a necessidade de voar. Ninguém é obrigado a aguentar uma criança chutando suas costas durante 7, 8 horas. Som de joguinhos eletrônicos ou DVD da galinha pintadinha por mais de 10 minutos também são insuportáveis. O filho é seu, a responsabilidade é sua, e não de mais ninguém. Se desejou (ou não evitou) tê-los, conviva com isto e altere sua rotina para acomodar esta grande responsabilidade.
  • Não empate os banheiros escovando os dentes, trocando de roupa, se maquiando.
  • Quando o avião pousar, não precisa sair correndo para ser o primeiro a desembarcar. Muito provavelmente quando as malas chegarem na esteira, o último passageiro a desembarcar já estará lá esperando também e sua pressa só vai causar incômodos.

Ao dirigir

  • Quando estiver em um cruzamento com farol, a conversao à direita (se vc se encontra na faixa da direita) é permitida mesmo com o farol vermelho para você, desde que voce respeite o trânsito da via em que se quer entrar e principalmente dê a preferencia aos pedestres, se estes estiverem atravessando. Quando esta conversão nao for permitida vai existir uma indicação (“no turn on red” ou “turn just on green“). Se voce estiver numa situação destas, com o pisca ligado pra fazer a conversão (ou numa faixa exclusiva para conversão) e ficar esperando o farol abrir, pode tomar uma buzinada de alguém que esteja atrás.
  • Falando em pedestres, mesmo quando eles nao atravessam na faixa, a preferência é sempre deles. NUNCA acelere o carro ou buzine se avistar um pedestre atravessando.
  • Nos cruzamentos, quase toda conversão à esquerda (se a mão da via permitir e se não existir indicação contraria) é permitida. Basta esperar a brecha no trânsito para passar (e prestar atenção se não tem pedestre atravessando na via que você quer entrar). Se por acaso o farol estiver para fechar, não se apavore: as pessoas irão esperar quem já estiver no meio do cruzamento terminar a conversão para então sairem. Mas não dê uma de espertinho tentando cruzar se você ainda não tiver passado a faixa que limita o cruzamento. E não acelere impedindo os outros de terminarem a conversão.
  • Não tenho certeza, mas acho que a ultrapassagem pela direita é permitida nos EUA. Então se voce estiver na faixa da esquerda e o carro da sua frente estiver mais lento, apenas corte pela direita e prossiga sua viagem. Nada de dar farol ou então pisca, até porque o cara da frente provavelmente nem vai entender.
  • Andar um pouco acima da velocidade em vias rápidas (freeways, highways e roads) é toleravel (não mais que 10%), na cidade não. Em locais com escola ou em locais onde esteja ocorrendo trabalhos na via NUNCA! Inclusive os valores das multas, que já não sao baixos (bloquear um cruzamento, por exemplo, vale 500 doletas!), dobram em áreas de obras na estrada.
  • Quando existir uma placa pare, num cruzamento sem farol, é para parar totalmente, olhar e depois prosseguir. Nada de dar uma reduzida, uma buzinada e seguir em frente. Mesmo que a visão seja bem ampla e não tenha nenhum carro, se você não parar e tiver um carro de polícia atrás, você vai tomar uma multa.
  • Quando embaixo da placa de Stop estiver escrito “all ways”, significa que não existe via preferencial e todos devem parar. A preferencia é sempre para quem chega na placa antes, ou seja, vai passar um carro de cada vez, em cada uma das vias e/ou direções (não tente dar uma de espertinho e passar na cola do carro da sua frente, pois vai correr o risco de uma batida).
  • A regra acima vale também para um cruzamento com farol quando este estiver inoperante.
  • Em estreitamento de pistas ou alças de acesso à estradas e freeways, também funciona no esquema “um de cada vez”. E o transito flui que é uma maravilha!
  • Quando ouvir uma sirene, encoste o carro à direita. Não basta só abrir a passagem por entre os carros. Tem que encostar e parar o carro mesmo (na estrada, se houver acostamento à esquerda e ficar mais fácil, pode parar à esquerda). E nem tente cruzar um farol, mesmo que ele esteja verde para você, pois corre-se o risco de ser atingido por alguma viatura, e ai vai arrumar encrenca até com a lei.
  • Se for beber, vá de taxi. Você pode se meter em uma encrenca das grandes se for pego por DUI (Drive Under Influence).
  • Excetuando o estado de Nova Jersey, onde existem frentistas nos postos de combustível, nos demais (ao menos que eu conheço), o sistema nos postos é de self service: você mesmo abastece. Para tanto, basta inserir o cartão de crédito no lugar indicado. Provavelmente ele vai pedir para você inserir o ZIP code, que é o seu CEP (do endereço onde a fatura do seu cartão é entregue), então insira os 5 primeiros números do seu CEP e tecle confirma.
  • Caso o procedimento não funcione (para cartões internacionais às vezes não rola), basta ver o numero da bomba (“pump“, e não “bomb“), dirigir-se ao caixa e informar o numero da bomba e o valor que você deseja abastecer ou então informar que você quer completar (“I want to fill it/that up“). Se vc for completar, ele vai ficar com seu cartão e liberar a bomba para que você faça o abastecimento. Assim que estiver completo, volte ao caixa e ele vai passar o cartão com o valor exato.
  • Para pagamento em cash o procedimento é parecido: vá até o caixa, pague o valor exato ou deixe uns 100 dolares com o caixa se for completar. Se for completar, ao terminar, volte ao caixa e pegue o troco.
  • Em todos os postos existem 3 tipos de gasolina. Eu geralmente coloco a mais barata mesmo.

Nos restaurantes

  • Normalmente quando se pede um “prato feito” nos EUA, acompanha uma entrada. Então quando o garçon ou garçonete te perguntar “supersalad?“, ele não está te oferecendo uma “super salada”. Ele esta te perguntando se você quer “soup or salad?” de entrada. 🙂
  • Quando se pede steak, eles perguntam como o cliente deseja (“How’s that cooked?“). Eles usam uma escala de 5 niveis (rare, medium-rare, medium, medium-well e well done, sendo que o rare é o boi praticamente mugindo e o well done é sem nada de sangue, mas sem torrar a carne) para assar a carne. Eu normalmente peço o medium well, que é quase o nosso “ao ponto”.
  • Nos EUA nao se cobra automaticamente os 10% como no Brasil e dar gorjeta é praticamente obrigação. Normalmente a gorjeta se situa entre 10% e 20%. Se você teve um atendimento normal, nada mais, nada menos do que o esperado, deixe 15%. Se o atendimento foi bom, deixe pelo menos 20% (nada impede de deixar mais). Mesmo se o atendimento for ruim, deixe pelo menos 10%, pois a gorjeta não é só para o garçom que te atendeu, mas vai também para a hostess, para o cozinheiro, para o cumim (o cara que traz a comida e tira a mesa).
  • Quando voce paga com cartão de crédito, o recibo para você assinar vem com um espaço para voce indicar o valor da gorjeta (“Tip“). Se não quiser dar em dinheiro (basta deixar dentro da “pastinha” onde vem a conta), pode colocar o valor da gorjeta e o valor total (compra + gorjeta) ali. Quando seu boleto voltar ao caixa, a pessoa informa na maquina onde passou seu cartão, o numero da aprovação e o valor da gorjeta (e pode ficar sossegado, ninguém dá uma de Gerson e coloca valor a mais).
  • O valor da gorjeta é sempre calculado baseado no valor antes dos impostos (indicado na conta, vide abaixo).
  • Em fastfoods e outros lugares onde você não é servido numa mesa, não se costuma dar gorjeta, porém, sempre existe um “tip jar” próximo ao caixa e ai fica a gosto do freguês dar ou não.
  • Nos bares ou pubs, normalmente eles colocam o valor da bebida de uma forma que quando os impostos forem acrescentados seja um valor fechado ou no máximo quebrado em quarters (25 centavos de dólar), afim de facilitar o troco. Normalmente o valor total é US$ 4.25, US$ 5.25, algo do tipo. O barman te dará o troco e você pode deixar as moedas como gorjeta. Se não for o caso, deixe uma nota de um dolar (pensando em apenas uma bebida, se for mais, faça a conta).
  • Geralmente se paga a bebida na hora em que pede no bar, mas voce pode abrir uma conta (tab, pergunte ao barman “may I open a tab?“). Para isto, eles irão ficar com seu cartão de crédito e você faz os pedidos pelo seu sobrenome (se vc estiver fixo num lugar no balcão ou em uma mesa nem precisa). Quando fechar a conta (“The check, please?” ou aquele sinal universal de anotar num papel), eles irão perguntar se voce prefere pagar em dinheiro ou passar no próprio cartão.
  • Seja gentil. Gentileza é bem vinda em qualquer cultura.

Dicas para o pobre ostentação que quer pagar de gatào com carro conversível alugado

  • Não deixe nada em cima dos bancos, porque irá voar
  • Use óculos
  • A estrada não é o melhor lugar para andar com a capota abaixada
  • Use protetor solar no rosto e nos braços. Bastante!
  • Se você for careca, use um boné (bem preso) ou uma bandana.

Diversos

  • A maioria dos cartões que possuem função débito no Brasil também funcionam da mesma forma lá. Ou seja, você pode pagar no débito, sendo que a taxa de conversão utilizada será a do dia do débito (e tem o IOF também).
  • É possível também sacar dinheiro em moeda local da sua conta corrente. Também é utilizado a cotação do dia do saque e é cobrado IOF (normalmente eu saco direto da conta, pois sou isento de taxas no meu banco, e no cartão de crédito, ao sacar grana, você paga uma taxa de saque).
  • Em algumas lojas, como a Best Buy, o processo de pagamento em cartão é um pouco diferente: quando você passa o cartão, se for um cartão multiplo (débito e crédito), o sistema entra automaticamente no modo débito, pedindo a senha. Se a intenção for pagar no crédito, basta apertar cancelar na tela de senha que ele vai perguntar se pretende pagar no crédito.
  • O valor informado nos cardápios, anúncios, vitrines, etc é sempre sem o VAT (Value Added Tax – Imposto sobre Valor Agregado). Cada estado tem um VAT próprio, então leve isto sempre em consideração, principalmente se for fazer compras para outras pessoas, ao repassar os valores (e leve em conta o IOF também).
  • Perfumes e bebidas no freeshop custam basicamente o mesmo que nos EUA, então, para pagar um pouco menos (sem o VAT e sem o IOF, se já quiser pagar em reais), além de evitar ficar carregando peso, sugiro comprar estes itens no freeshop.
  • O waze funciona muito bem (como no Brasil, com a vantagem da rede de dados deles ser melhor), inclusive para encontrar pontos de interesse (restaurantes, hotéis, praias, etc sem a necessidade do endereço) e fugir de transito. Vale a pena comprar um chip (se seu aparelho for desbloqueado) ao invés de alugar um GPS. E mesmo se não for utilizar carro (em NY por exemplo, é besteira andar com carro, além de caríssimo) é uma boa ferramenta.
  • Verifique com seu banco/administradora de cartão de crédito se eles têm seguro para cobrir alguns incidentes/acidentes no exterior. Geralmente os cartões mais top (o AMEX e os Gold e Platinum de outras bandeiras) cobrem uma série de situações gratuitamente: seguro saúde (tem que avisar 7 dias antes da viagem, no caso do Santander), seguro de automóveis alugados, auxilio em caso de perda/roubo de documentos, seguro para bagagem extraviada. Pode-se economizar uma boa grana e evitar dor de cabeça.

Expressões

  • How’s going?” ou “How’s that going?” equivale ao nosso “e ai? tudo bem?”
  • Have a good one!” equivale a nosso “passar bem”
  • Yield“, muito encontrada no transito, significa “dê a preferência”
  • “Xing“, também encontrada no trânsito é a forma contraída de “Crossing” (X = cross + ing), ou seja, “ped xing” = pedestres cruzando e “cycle xing” = ciclistas cruzando.

Alguns pontos de vista

  • Parece que as montadoras fazem carros “ecológicos” (híbridos e eletricos) para que estes não vendam. Só desenho escroto. A exceção é o Volt.
  • Eu danço muito mal. Mas perto dos americanos eu sou um Fred Astaire.
  • Eu achava que ciclistas mal educados, que provavelmente se acham acima de regras, não respeitando faixa de pedestres e nem farol, fossem exclusividade do Brasil, mas pelo jeito é um mal de ciclistas ao redor do mundo.
  • Ver um tiozinho estilo Genival Lacerda cantando Tom Sawyer, do Rush, do começo ao fim, em um bar, foi hilário.
  • In order to keep our familiar environment, alcohol is prohibited beyond this point” (afim de manter o nosso ambiente familiar, álcool e probido a partir deste ponto) dizia a placa afixada no estacionamento do estádio do Dodgers, em LA. However, lá dentro você compra cervejas (e outros drinks) por “módicos” 10 dólares. Hipocrisia pura!
  • É impressionante a quantidade de pessoas que surfam na Califórnia (especialmente em San Diego). É comum você ver um carro parando na beira da praia e de dentro saltar uma família inteira, com 3 gerações (filho/a de uns 15 anos, mãe/pais de uns 35 e avô na casa dos 60), com suas roupas de borracha, prontas para cairem no mar. Ou no final de tarde, carros com “engravatados” parando no estacionamento das praias, a galera botando roupa de borracha para conseguir fazer um surf no final da tarde.
  • Se nos EUA não existissem rednecks seria o lugar perfeito do mundo para morar.
  • Comer no aeroporto é caro em qualquer lugar do mundo!
  • Nunca entrei tão fácil nos EUA: o agente da imigração simplesmente só abriu a boca para falar bom dia. Não fez nenhuma pergunta.
  • O custo de vida nos EUA está bem mais caro do que há 5 ou 6 anos. Basicamente tudo aumentou acima da inflação deles, mas me assustei especialmente com comida/bebida (cerca de 50%), vestuário (até 100%) e combustível (25%).
  • Mesmo com os aumentos, comprar roupa lá, para quem gosta de roupas de marcas famosas, vale muito a pena. Lembrando que algumas marcas famosas para nós (como Tommy, Levy’s, Ecko e mesmo Polo), para eles são marcas populares.
  • Os EUA ainda são o paraíso para quem gosta de consumir eletrônicos. Mas fique esperto para não se empolgar.
  • O preço do combustível é basicamente o mesmo daqui, com a diferença que lá os carros bebem mais e não são flex. Ou seja: está mais barato andar de carro aqui do que lá (e do que na Europa também).
  • Andar de carro conversível não foi tão legal quanto eu imaginava. Valeu a experiência e por poder acelerar um ícone da indústria automobilística americana, o Mustang, mas se a intenção é “andar de cara pro vento” uma moto é infinitamente mais legal.
  • Toda vez que chego no Brasil após uma viagem aos EUA me bate a “depressão Tio Sam”: é impressionante como tudo lá funciona e aqui é sempre uma zona, desde o aeroporto, passando pelo transito, pelas cidades, pelo povo, etc.
  • Esta história de que “quem converte não se diverte” vai me levar à falência um dia.

Acho que algumas coisas (especialmente no trânsito e nos restaurantes), também podem ser aplicadas no dia a dia no Brasil. Não faz mal a ninguem obedecer as leis e ser gentil. Só nao seja hipócrita ao dizer que nos EUA (ou Europa, ou Austrália) tudo funciona e ao mesmo tempo, fazer tudo ao contrario do que você faz lá quando volta ao Brasil.

Até o Homem Aranha foi curtir umas férias na Califórnia!

Até o Homem Aranha foi curtir umas férias na Califórnia!

Wanderlust #3 – Los Angeles – EUA (parte 3 de 4)

Los Angeles 1

O calçadão de Venice Beach

Se eu tivesse que escolher uma cidade no mundo para morar, com certeza esta cidade seria Los Angeles. É a cidade que eu imagino que seria Sao Paulo se o Brasil fosse um país sério (e se São Paulo tivesse praia).

Eu estou falando cidade, mas Los Angeles e mais do que apenas uma cidade. Explico abaixo.

LA County
A estrutura geopolitica dos EUA é um pouco diferente do Brasil. Além da praticamente independência de cada estado da federação (é só ver como existem leis bem diferentes de um pra outro), a organização é um pouco diferente.

Aqui no Brasil temos o país, que é dividido em estados e que, por sua vez, são divididos em cidades/municipios. Nos EUA existe uma outra “entidade”: o condado. O condado fica entre o estado e as cidades, ou seja, um condado é formado por várias cidades e existem vários (quer dizer, dependendo do estado nem tanto) condados dentro de um estado. Seria mais ou menos como se existisse uma entidade para a Grande Sao Paulo, ou a baixada Santista, que reuniria as cidades destas macro regiões. Porém, o condado conta com alguns aparelhos próprios, como a polícia (quando se fala em polícia de NY ou de LA, está se falando do condado, pois não existe polícia no nível de cidade), o departamento de bombeiros (algumas cidades também mantêm bombeiros), alguns tribunais e o Xerife do condado, que é o responsável pela segurança naquela macro região.

O condado de Los Angeles (LA County) é uma região gigantesca de mais de 10 mil quilometros quadrados, que se estende desde Huntington Beach, no extremo sul, ate Calabasas, no extremo norte, e é composto por cidades como a própria Los Angeles, Long Beach, Santa Monica e Malibu. Para se ter uma idéia do tamanho desta região, para sair de Huntington e chegar a Calabasas, utilizandos as Freeways e sem trânsito, demora quase duas horas. Com trânsito não menos que 4.

Nobody Walks in LA
Los Angeles 2Cada uma das cidadezinhas que compoem o condado têm suas peculiaridades e seu charme. Venice Beach é famosa pelo seu estilo mais despojado e pelo seu calçadão, que reúne uma série de artistas de rua e lojas de bugigangas (e muitas lojas de maconha medicinal….hahaha).

Santa Monica é famosa pelo seu pier, que contém alguns restaurantes e um parque de diversões, e por sua vida noturna (restaurantes, bares, clubes, etc), além de ser um região para compras.

Malibú é onde se concentram as casas a beira de praia dos artistas. Hollywood é onde se encontra a indústria cinematográfica, a famosa calçada da fama e o Hollywood Sign. Beverly Hills é famosa pelas casas dos artistas e pelas suas lojas de luxo.

Na Marina Del Rey ficam os iates, barcos e veleiros (foi o lugar onde morei). Huntington Beach é conhecida como praia dos surfistas (uma das poucas realmente boas para pranchinhas, já que o mar da região é mais propício a pranchões ou funboards).

Indo para o Vale de San Fernando (a Hollywood do cinema pornô!), se encontram o que podemos chamar de cidades dormitórios: Calabasas, Tarzana, Sherman Oaks, Canoga Park, entre outras.

Uma coisa que eu notei desta vez é que o transito está terrível, mesmo fora dos horários de pico ou aos finais de semana. As freeways (vias rápidas no meio de cidades) que cortam a região ficavam praticamente paradas das 6 da manha as 10 da noite. Mesmo utilizando o Waze, que me oferecia caminhos alternativos, nota-se que a cidade chegou ao seu limite e me fez pensar em não reclamar mais (quer dizer, já não o faço) do trânsito em SP.

Falando em SP, em Los Angeles também estão tomando medidas um tanto quanto drásticas e impopulares para tentar aliviar o transito e mudar o comportamento dos habitantes. Estão construindo (em regime de urgência) algumas linhas de metrô ligando as cidades mais distantes aos centros comerciais e industriais, construiram algumas ciclovias (já que a topografia ajuda) e, vejam só, também criaram corredores exclusivos de ônibus!

O centro da cidade (Downtown LA) também está sofrendo um processo de revitalização, onde vários predios antigos estão sendo transformados em centros comerciais e alguns deles estão inclusive sendo demolidos para darem lugar a novos prédios comerciais e eventualmente residenciais (também estão tentando atrair as pessoas para morarem perto do trabalho).

Mesmo com a falta de planejamento que ocorreu no crescimento de LA, ainda nota-se que existe ao menos algum planejamento, ao contrário de nossas cidades, onde não existe nenhum.

Espero voltar em breve a LA e, quando voltar, que muitos destes problemas ja estejam solucionados.

There’s no place like home LA

Oakwookd Suites @ Marina Del Rey - aqui onde passei 9 meses fantásticos da minha vida

Oakwookd Suites @ Marina Del Rey – aqui onde passei 9 meses fantásticos da minha vida

Em 2008, devido a um projeto da empresa onde trabalho, passei quase 9 meses praticamente morando em LA. Para quem detesta frio, como eu, já foi ótimo por emendar um verão atrás do outro (sai do Brasil no final do verão, peguei o verão de lá e voltei no final da primavera brasileira). Para ajudar, como estava a trabalho, todas as despesas foram pagas e ficava hospedado num flat a 500 metros de Venice Beach.

Apesar de ter trabalhado dobrado (em função do fuso), valeu muito a pena a experiência. A única coisa que, visitando novamente, eu me dei conta é de como eu podia ter aproveitado mais. Infelizmente, àquela época eu ainda não tinha descoberto os prazeres e as vantagens que se tem ao viajar sozinho, então praticamente não fiz turismo. Inclusive, apesar de 9 meses lá, em vários dos lugares que visitei desta vez não havia ido.

Como disse lá no começo, LA é a cidade que eu escolheria para morar. Quem sabe num futuro próximo eu não tenha uma oportunidade de passar mais uma temporada por lá.

 

Wanderlust #2 – San Diego – USA – Apr/2014

San Diego Bay (com o USS Midway ao fundo)

San Diego Bay (com o USS Midway ao fundo)

Em Fevereiro de 1996 eu partia para o que seria minha primeira aventura internacional. Depois de um visto negado e de ter dado um “jeitinho brasileiro” para aprovar o segundo pedido de visto, eu parti num 747 da JAL com destino a LA e depois num ônibus da Greyhound para San Diego afim de fazer um curso de imersão em Inglês.

Na época, tinha apenas 19 anos, mal sabia o verbo “to be” e contava com apenas 500 dólares para passar um mês. Era uma epoca pré internet, onde se conseguia poucas informações sobre o destino, sobre o que fazer, o que visitar e com tão poucos recursos (o curso e a estadia estavam pagas, assim como a passagem, que obtive quase de graça pois trabalhava na época na Transbrasil, mas nem cartão de crédito eu tinha), foi uma aventura e tanto.

O "Ruivomóvel" da vez

O “Ruivomóvel” da vez

Desta vez foi um “pouco” diferente. Apesar do pouco tempo, hoje conto com mais recursos, o que me permitiu inclusive o aluguel de um carro para tirar um lazer (um Mustang 2014 conversivel!). Pena que pude passar apenas 3 dias.

A Cidade
San Diego é uma cidade interessante. Apesar de ser gigante e ficar no estado mais rico dos EUA, talvez por estar no extremo sul da costa oeste e fazer fronteira com o México, é uma cidade meio que “interiorana”. As coisas lá andam num ritmo bem lento, se comparado a outras cidades americanas e mesmo a São Paulo.

Alem de tudo, a cidade é praticamente uma base militar (boa parte do filme Top Gun foi filmada lá).

É impressionante tambem a quantidade de brasileiros que visitam (ou moram, vai saber) San Diego. Eventualmente você está andando pela rua e houve um grupo de pessoas falando português, coisa que, mesmo em Los Angeles ou Nova Iorque, não é tanto comum (a não ser nos centros turísticos ou de compras).

Construida em torno da Baia de San Diego, conta com varias praias e é a sede do Sea World que existe na Costa Oeste (existem outros dois, um no Texas, no centro dos EUA, e outro na Flórida, na Costa Leste). Seu Zoológico é conhecido como “o maior do mundo”, porem creio ser uma denominação exagerada, pois o de Sao Paulo é maior em área ocupada. Talvez o San Diego Zoo seja o que conte com mais espécies de animais.

A cidade tambem é muito bem servida por uma rede de transporte publico composta por ônibus, trens e trolleys, porém, assim como na maior parte dos EUA, um carro é indispensável para quem deseja aproveitar o que a cidade oferece (até por conta da sua grande extensão).

O que ver?
Alem do Zoo, já citado, e do Balboa Parque, que abriga o Zoo, San Diego Downtown, com seus restaurantes e bares, são paradas obrigatórias. Em downtown, à beira da baia, tambem se encontram dois museus interessantes: o USS Midway Museum, um porta aviões aposentado que virou museu, e o museu maritimo (infelizmente não pude conhecer). Seaport Village, também à beira da baia, em downtown, é um passeio interessante: é basicamente uma “feira de artesanato” que fica na beira da baia.

Mas a mim, o que me atrai em San Diego são suas praias, que têm uma composição bem diferente das do Brasil, mas não deixam de ter sua beleza. Desde Imperial Beach, no extremo sul da cidade, já na fronteira com o Mexico, passando por Coronado Beach, que fica na ilha de Coronado e é onde fica o famoso “Hotel Del Coronado”, que já foi utilizado para várias filmagens, passando por Mission e Pacific Beaches, todas as praias têm o seu charme.

O sol se pondo em Sunset Clifs

O sol se pondo em Sunset Clifs

Duas que particularmente me atraem bastante, se é que posso chama-las de praias, já que na verdade eu curto ficar no alto da colina vendo o mar, são Sunset Cliffs e La Jolla.

Sunset Cliffs é a primeira praia no lado norte da baia. Na verdade trata-se de um paredão de pedra com o mar logo abaixo e poucas praias, algumas delas com acesso somente pelo mar. É a praia preferida dos surfistas, que se aventuram a entrar no mar pulando com suas pranchas das pedras e usam o canto sul da praia, que dá acesso ao Sunset Cliffs Park, para sair do mar, tendo que depois praticamente escalar um morro para conseguir efetivamente sair da praia. As casas em frente à praia sao casas simples (pros padrões americanos) e normalmente sao alugadas ou compradas por surfistas que querem ter acesso mais fácil às melhores ondas da região. Eventualmente, no final da tarde, é possível ver golfinhos nadando ao lado dos surfistas e, com um binoculo, avistar algumas tartarugas marinhas.

Children's Poll em La Jolla

Children’s Poll em La Jolla

La Jolla estava bem diferente do que era há 18 anos atrás. Já era meio que uma “Maresias” de San Diego, mas desta vez parece que a ostentação chegou de vez. Mesmo assim não perdeu seu encanto. Tambem é composta por vários paredões de pedra, só que com mais praias e com acesso melhor à elas do que Sunset Cliffs. Aqui sempre é possivel avistar grupos de focas. Existé ate um “santuário”, chamado de Children’s Pool, onde elas ficam se espreguicando no sol durante o dia.

É muito interessante voce voltar para um lugar que voce conheceu há bastante tempo e notar as diferenças que ocorreram durante quase duas décadas. Mas para mim San Diego ainda guarda o mesmo encanto que tinha quando conheci da primeira vez. Uma pena somente não ter encontrado a casa onde fiquei quando estive lá em 1996 (a escola eu achei), mas ao passar pela rua eu lembrei das musicas que faziam sucesso nos EUA naquela epoca e que passavam direto na MTV: Smashing Pumpkins – 1979, Green Day – Brain Stew/Jaded e The Presidents Of The United States Of America – Peaches.

Wanderlust #1 – Phoenix – USA – Apr/2014

Uma opção no Arizona é pilotar uma Harley por suas belas estradas

Uma opção no Arizona é pilotar uma Harley por suas belas estradas

O primeiro post desta coluna era para ser sobre Berlin, mas estou trabalhando a tanto tempo no texto e está ficando tão longo (pensei até em quebrar em varias partes) que estou pensando em esperar minha proxima ida a Alemanha, que será em Junho, para escrever tudo de uma vez. Enquanto isto, vou falar sobre a minha mais recente viagem, aos EUA, mas irei dividir em 4 partes: uma para cada uma das três cidades que visitei e uma com dicas para quem viaja aos EUA e algumas observacoes ao longo desta estada (e de outras tantas que já tive por aqui).

Primeiramente, vamos falar de Phoenix, no Arizona, que já conhecia e fui novamente afim de visitar um casal de amigos. Mas antes de entrar nos detalhes da viagem em si, quero falar um pouco sobre os americanos.

BR x EUA
Eu sempre ouvi de todos que não conhecem os EUA, que o Americano é arrogante, frio e individualista. Bem, tem um pouco da doutrinação ideológica que recebemos na escola (“os imperialistas que acham que sao os donos do mundo”), mas também tem outros motivos.

O Brasileiro acha o Americano arrogante, o Inglês antipático, o Alemão muito fechado, os Japoneses muito sérios, mas nunca pára para fazer uma autoanálise e a verdade é que o brasileiro é chato. Esta chatisse é causada por muitos fatores, mas os principais são: a síndrome de cachorro vira latas (já falei disto neste artigo), a sua inconveniência e sua invasividade, e são poucas as culturas que toleram estas características.

Alem disto, o brasileiro acha que existe um “socialismo” nas relacões humanas: ele chega em uma roda de pessoas e acha que tem direito ao seu quinhão de atenção, de confiança, quando na verdade, atenção e confiança devem ser conquistados. Nao vou nem falar da mania de contato fisico que brasileiro tem e que é incomum na maioria das outras culturas.

Mas o Americano (assim como o Inglês, o Alemão, o Japonês, e todos os outros), em sua maioria são pessoas muito educadas, receptivas e, diferentemente do Brasileiro, são mais diretos e objetivos. Se ele não gosta de alguma atitude sua, ele vai falar na sua cara, sem rodeios, mas nao quer dizer que ele tem alguma coisa contra você. Ele só não gosta de perder tempo “dourando a pílula” ou “engolir sapo”. E mesmo que ele não goste de você, ele vai deixar isto claro, porém te tratar com respeito.

Alem disto, também falam que os norte americanos (incluindo ai os Canadenses) e os Europeus são individualistas e até egoístas. Não é bem assim. Eles primeiro cuidam de si para depois poderem ajudar os outros e não há nada de errado nisto. E só ver a quantidade de Americanos e Europeus que praticam voluntariado (anônimo!) comparado com os latino americanos que este estereótipo cai por terra.

Pessoas escrotas existem em qualquer cultura mais ou menos na mesma proporção, então nunca é bom generalizar ou estereotipar todo um povo.

Phoenix

Eu, Rebeca e Tony no show do Paul McCartney, em Phoenix, em 2010

Eu, Rebeca e Tony no show do Paul McCartney, em Phoenix, em 2010

Desde que minha amiga Rebeca e seu marido, Tony, se mudaram para Phoenix, este tem sido um destino obrigatório toda vez que vou aos EUA. Da mesma maneira que eles me “acolheram” em 2008, quando estive alguns meses a trabalho em LA (falarei mais sobre isto no post sobre Los Angeles), eles sempre me recebem com carinho e atenção e eu faço questão de passar alguns dias com estas companhias tão agradáveis.

A cidade de Phoenix, no Arizona, é relativamente nova (pouco mais de 100 anos) e um tanto diferente dos demais lugares nos EUA que eu conheço. A cidade é mais horizontal e são poucos edifícios, na sua maioria de empresas ou universidades e geralmente concentrados no centro da cidade.

É uma cidade bem planejada, com vias muito largas e bairros padronizados. Por ser uma cidade nova, não existem muitas atrações históricas (como em NY ou na Pennsylvania, por exemplo), porém conta com algumas poucas atrações intessantes. Uma delas, que eu havia visitado em 2010, é o Museu do Intrumento Musical, que é parada obrigatoria para quem estiver na cidade e que tem interesse e/ou paixão pelo tema e que reúne em sua coleção mais de mil (sim, mil!!!) instrumentos diferentes, das mais variadas partes do globo e de épocas passadas.

Phoenix 2

Sedona: a Campos do Jordão do Arizona

Em 2010 eu também visitei a cidade de Sedona, que fica a pouco mais de uma hora de distância de Phoenix e que costumo dizer que é a “Campos do Jordão” do Arizona: uma cidadezinha no alto das montanhas (lembrando que o Arizona fica no meio de um deserto), com casinhas típicas (neste caso, lembrando casas do velho oeste) e atrações voltadas à gastronomia e às artes.

Phoenix 4

Saguaro Lake

Desta vez tambem conheci o lago Saguaro, que na verdade é uma área inundada por uma represa, mas que forma um belo conjunto para a prática de esportes aquáticos ou mesmo para quem quer apenas aproveitar uma “praia”.

Fora isto, não existem muitos pontos turistícos que fariam alguem se deslocar do Brasil para conhecer este estado americano, porém, para quem estiver por la por algum motivo, vale a pena conhecer estas atrações. Também é possível ir até o Grand Canyon (fica no norte do estado, na divisa com Nevada), saltar de para quedas ou, como eu fiz tambem em 2010, dar umas voltas de Harley Davidson pelas ótimas estradas da região, que cruzam plantações de milho ou desertos.

Para quem curte uma jogatina, tambem existem varios cassinos.

Não é uma cidade, e mesmo um estado, que eu aconselharia alguém a ir conhecer nos EUA. Não porque seja ruim, mas pela falta de mais atrações e por existirem lugares mais interessantes lá para conhecer.