Arquivo da tag: Jack London

The Sea-Wolf – Jack London (05/2021)

the_sea_wolfDurante a leitura do Ghost Rider, do Neil Peart, eu peguei a dica de alguns autores que ele mencionava nas suas cartas a Brutus. Um destes autores foi Jack London e, numa das últimas compras, resolvi comprar o que talvez seja a obra mais famosa do autor: The Sea-Wolf.

O livro inicia-se com o desfortúnio de Humphrey van Weyden, um intelectual que vive às custas de uma herança, nunca tendo trabalhado na vida. Durante uma viagem pela baia de San Francisco, o barco onde Humphrey viajava naufraga. Ele é resgatado pela escuna Ghost, que estava a caminho da sessão de caça de focas no Pacífico Norte.

O capitão do Ghost é Wolf Larsen, o personagem principal e que dá título ao livro, um brutal tirano daquele pequeno mundo que é a escuna, onde também se encontram outros marinheiros, um cozinheiro e os caçadores. Porém Larsen não é um animal provido de muitos músculos e pouco cérebro. Autodidata, ele é de certa forma um intelectual, inclusive justificando sua brutalidade e violência a partir de uma filosofia bem peculiar.

Humphrey vira inicialmente um escravo no Ghost, mas por ser a única pessoa no navio com capacidade intelectual e conhecimento para debater com Larsen, começa a galgar postos na hierarquia local. Além do mais, Humphrey, agora submetido a trabalhos braçais, começa a desenvolver outra visão de mundo.

O equilíbrio aparentemente atingido é chacoalhado com o resgate de outros náufragos pelo Ghost. Neste resgate Maud Brewster, escritora famosa, torna-se a única mulher no barco, atraindo tanto a paixão de Humphrey como de Larsen.

Não vou me estender mais pra não dar spoiler. Mas a história é bem interessante. Porém, como tem muitos termos náuticos e também de época (o livro foi publicado pela primeira vez em 1904), a leitura em inglês foi um pouco cansativa. Além disto, a edição que eu comprei tinha as letras muito miúdas.

Foi interessante mas o autor não me cativou. De qualquer forma, vou dar uma chance para White Fang, outro livro citado por Peart, em um futuro não tão próximo.

Be happy 🙂