The Tyranny of Merit – Michael Sandel (01/2022)

the_tyranny_of_meritDepois de anos de bonança após a virada do século, o mundo foi impactado pela crise financeira de 2007/2008. Apesar dos efeitos da crise na vida das pessoas, especialmente nos países de primeiro mundo (os emergentes ainda conseguiram passar com menos problemas por ela), aparentemente a teríamos superado e, a partir de 2010, tudo parecia estar voltando aos eixos.

Foram alguns poucos bons anos a partir daí, inclusive com perspectivas de expansão das democracias liberais, como por exemplo a que foi criada durante a Primavera Árabe. Porém, em poucos anos (2014, talvez um pouco antes ou depois), tudo mudaria e entraríamos num período de “tensão” que dura até hoje.

Vários especialistas já se debruçaram sobre as causas deste retrocesso e a explicação encontrada geralmente é a mesma: as elites políticas, tanto de esquerda como de direita, erraram feio (erraram rude!) em entender os anseios das populações. Enquanto a direita achou que o livre mercado, as possibilidades de aquisição de bens e serviços e de viver uma vida confortável financeiramente bastaria, a esquerda concentrou seus esforços em questões identitárias cada vez mais micro. Porém um contingente enorme de pessoas que, não fazendo parte destas minorias e não tendo colhido todos os frutos do progresso econômico (ao menos não de acordo com a expectativa que havia sido criada), se sentiu abandonada, tornando-se alvo fácil para populistas iliberais (de esquerda e direita).

Fukuyama chegou a esta conclusão no seu Identity. Levitsky e Ziblatt também encontram a mesma causa raiz em How Democracies Die. Richard Sennet já alertava – lá em 1998 – no seu A Corrosão do Caráter que estávamos perdendo o senso de comunidade, de sociedade, de fazer parte de algo, tão necessária a animais sociais como os seres humanos. Sandel faz o mesmo, só que com ênfase na meritocracia.

Porém, ao contrário do Justiça, que havia lido há alguns anos atras, The Tyranny of Merit (A Tirania do Mérito), cujo subtítulo é “What’s Become of the Common Good?” (o que ocorreu/onde foi parar o bem comum?), me pareceu ter um tom muito panfletário. Enquanto em Justiça Sandel explicava a impossibilidade da implementação de um modelo meritocrático ao pé-da-letra, e até usava o modelo como uma “utopia” a ser perseguida para que corrigíssemos os problemas de desigualdade de oportunidades afim de que todos pudessem ter a mesma “linha de partida” (impossível, como em toda utopia, mas a busca por si só já pode render alguns bons frutos), neste ele joga toda a culpa no sistema.

Ele começa por fazer uma análise do que nos divide atualmente. Assim como outros especialistas, ele chega à conclusão que, nos dias de hoje, já não existe mais o embate entre “Estado versus Mercado”, entre “Capital(ismo) e Social(ismo)”. A divisão ocorre em termos de “sociedades abertas (globalismo) versus sociedades fechadas (regionalismo/nacionalismo)”, “integração versus segregação”, muitas vezes entre “cosmopolitas e rurais”, ou seja, entre grupos que querem se fechar em si e entre grupos que querem interagir com outros grupos.

A partir deste ponto ele entra em uma ótima análise de como a cultura da meritocracia se desenvolveu ao longo de séculos. Algumas das vezes por influência religiosa: você ter saúde, ter bens, eram bençãos concedidas por um Deus para seres merecedores, enquanto a privação de saúde, de dinheiro e até de coisas básicas como alimentação, seria uma punição por uma má conduta. E aí as sociedades acabam entrando numa seara muito complicada: se Deus é quem designa nossa fortuna, nossa sorte, de acordo com nossos atos, com nosso mérito, porque haveríamos nós, bem-aventurados, de interferirmos nestes desígnios, como por exemplo, ajudando quem tem menos posses? E ai, quando a regra é cada um é por si (“…e Deus contra todos”), como fica o bem comum e o sentido de pertencer ao coletivo? A série brasileira 3%, disponível na Netflix, aborda bem estes temas numa ficção “distópica” bem escrita e executada.

Um outro ponto interessante da análise é da supervalorização de diplomas de nível superior, que torna os detentores destes títulos arrogantes, se sentindo mais merecedores do que os demais e inclusive com a percepção de serem seres superiores (ouvi alguém falar “medicina”?), já que os demais é que não se esforçaram o suficiente. Além disto “retalhar o tecido social”, também ignora diversas outras formas de se adquirir conhecimento.

Para resolver este ponto em específico, uma das propostas de Sandel seria a “loteria dos qualificados”: as principais universidades exigiriam um conhecimento mínimo, uma base, e então sorteariam as vagas entre todos os candidatos que atendessem este requisito (ao invés de “ranquear”).

Outro ponto baixo, além do teor panfletário, é que ao contrário do que ocorre em Justiça, Sandel se atém somente as questões morais, do que “deveria” ou “poderia” ser. Ele acaba ignorando (propositalmente?) muitas questões práticas, do impacto de determinadas decisões na vida real, e da possibilidade da implementação destas decisões.

Um filósofo que se atenta somente a questões morais e esquece das práticas é um utópico. Bem como um economista que esquece as questões morais e se atenta somente aos fatos e números acaba por se tornar insensível e muitas vezes até cruel. Mas como a história nos mostra (através de diversos exemplos) a probabilidade de danos causados por utópicos é geralmente maior do que potenciais danos causados por “insensíveis”. Como diria Roberto Campos: “O mundo não será salvo pelos caridosos, mas pelos eficientes.”

Be happy 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s