Wanderlust #33 – Berlin (e Potsdam), Alemanha

A imponente Karl-Marx-Alle e ao fundo a Berliner Fernsehturm

A imponente Karl-Marx-Alle e ao fundo a Berliner Fernsehturm

Eu tinha dito ano retrasado que talvez não voltasse tão cedo à Berlin, apesar de amar a cidade, porque tenho muitos outros lugares para conhecer, porém acabei não resistindo à uma promoção da Alitália e tive que voltar à melhor cidade do mundo.

Alexanderplatz

Alexanderplatz

Como já falei muita coisa sobre a Cidade (aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui), vou fazer um Wanderlust diferente: como desta vez (minha terceira vez na cidade, somando um total de 9 semanas) eu fui acompanhado, eu montei uma programação que incluia pontos turísticos obrigatórios e alguns pontos interessantes que eu ainda não conhecia na cidade (e creio que ainda falta muita coisa para eu conhecer), vou passar uma sugestão de programação de 7 dias na cidade (é o mínimo para se conhecer, e não apenas “passar” por Berlin, e estou incluindo Potsdam).

Estou colocando em dias da semana pela ordem (de Segunda à Domingo), mas pode-se chegar na quarta, por exemplo, e fazer a programação até a próxima terça. Mantendo as programaçòes de Sexta, Sábado e Domingo (especialmente a de domingo de dia), qualquer outro dia pode ser trocado, só prestando atenção às segundas e terças, já que muitos museus fecham nestes dias.

Anhalter Bahnhof

Anhalter Bahnhof

As programações têm entre 4 e 6 horas de duração (exceto Potsdam, que tem cerca de 8 horas, contando o tempo para ir e voltar) para deixar um tempo livre para que se possa explorar a cidade, pois esta é a melhor maneira de se envolver em Berlin. Se puder encaixar a programação entre o final da primavera e o verão, melhor ainda, pois os dias são mais longos e dá para aproveitar mais..

Segunda:
Desça na estação Frankfurter Tor e caminhe pela Karl-Marx-Allee até a Alexandeplatz (cerca de 2kms). A Karl-Marx-Allee foi planejada para ser o local onde ocorriam os desfiles militares do regime comunista (para mostrar ao Ocidente a “imponência” da URSS e seu regime) e foi projetada para ser parecida com Moscou. Os prédio são imponentes e praticamente simétricos. Aqui ficavam a maioria dos principais pontos de lazer e cultural da Berlin oriental (para aqueles que podiam se dar ao luxo de curtir lazer e cultura).

Potsdamer Platz

Potsdamer Platz

Já na Alexanderplatz se encontra a Fernsehturm, a famosa torre de TV de Berlin, de onde se tem visão de praticamente toda a cidade. Dá para comprar o ticket com antecedência pela Web, mas comprando lá a média de tempo de espera é entre 40 minutos e uma hora e ai pode-se aproveitar a espera para tomar uma cerveja no Biergarten da praça. O ideal é tentar subir no horário do por do sol.

Para fechar, se você não tiver conhecido Munique, vale uma passada na Hofbräu Berlin para tomar algumas cervejas e comer comida típica da Baviera ao som das músicas tradicionais desta região. Agora se já tiver ido à Munique ou estiver para ir, pode dispensar. É um programa bem turístico mesmo.

Terça:
Desça na estação Möckernbrücke, cruze o Elise-Tilse-Park até o Tempodrom, que é um ginásio de eventos que tem uma arquitetura bem interessante. Tanto o parque quanto o Tempodrom e a praça de esportes em frente (Sportplatz Anhalter Bahnhof) ficam no local onde se encontrava a antiga estação de trem Anhalter Bahnhof (hoje existe a estação do S-Bahn), que durante a segunda guerra foi uma das três estações usadas para transportar os judeus para os campos de concentração. A fachada principal da estação, que foi praticamente toda destruída pelos bombardeios da guerra, ainda se encontra no local (as estátuas de anjo que a decoravam se encontram na área de trens do Deutsches Technikmuseum).

Tiergarten

Tiergarten

Da Anhalter Bahnhof até a Potsdamer Platz são cerca de 600 metros, boa parte deles sobre o trajeto por onde o muro passava. Potsdamer é o ponto principal onde se nota o esforço de reconstrução de Berlin depois da queda do muro. A praça, que ficou totalmente destruida após a guerra, hoje acomoda uma série de edifícios gigantes e modernos, como a sede da DB (Deutsche Bahn, a estatal que administra as ferrovias alemãs), da Daimler e o Sony Center. Continuando pela Eberstraße, em direção ao Portão de Brandemburgo, a visita ao Memorial aos Judeus Mortos na Europa é obrigatória. Se tiver pique para andar, vale a pena caminhar os 2 kilômetros até a Siegessäule (Coluna da Vitória) por dentro do Tiergarten. Se tiver mais pique ainda, caminhe os 2 kilômetros de volta ao portão de Brandemburgo (vá por um lado e volte pelo outro) e note a cúpula do Reichstag, o Parlamento Alemão. Do outro lado do portão fica a bela Unter den Linden, uma das principais avenidas, cercada por lojas, cafés e hotéis.

Caminhando mais um pouco (e haja pique!) dá para acessar o Gendarmenmarkt, que além de duas belas catedrais, conta com um bonito e enorme teatro. Aconselho a andar pela praça olhando para o alto afim de notar a decoração dos topos dos prédios. Para os chocólatras de plantão, não deixem de passar na Schokoladenhaus Fassbender & Rausch Chocolatiers.

Brandenburger Tor

Brandenburger Tor

Quarta:
Potsdam é a capital do estado de Brandemburgo, região onde se encontra Berlin (nota: apesar de Berlin ficar geograficamente dentro do estado, ela tem o status de “cidade-estado” e portanto uma relação de hierarquia direta com a República Federal da Alemanha) e é colado na cidade (tipo como se fosse São Caetano, ou Diadema, ou Osasco, só que bonita….kkk). Além de alguns fatos históricos importantes (foi lá onde URSS, EUA, França e Grã-Bretanha assinaram o acordo que dividiu a Alemanha e Berlin), tem vários edifícios históricos que, incrivelmente, foram poupados durante os bombardeios. Também conta com o fabuloso parque Sanssouci, com seus vários castelos e jardins e uma supresa a cada esquina. Aconselho muito a visita à cidade e sugiro que o passeio em Potsdam seja feito à pé.

249 Gendarmenmarkt - Berlin - Alemanha

Gendarmenmarkt

Na volta, como será final de tarde, se houver pique de caminhar mais um pouco, a sugestão é conhecer a Kaiser Wilhelm Gedächtniskirche, a famosa igreja “sem teto”. As torres da igreja foram bombardeadas e decidiram conservá-la desta forma e, ao lado, construiram uma outra estrutura para efetivamente realizarem as cerimônias. Ela fica na região da Kurfürstendamm, que pode ser considerada a Oscar Freire de Berlin, com suas lojas de grife e luxo. Ali perto fica a KaDeWe, uma loja de departamentos cuja visita também vale à pena, especialmente à sua seção de alimentos e bebidas, onde pode-se encontrar itens de qualquer parte do mundo.

Lustgarten - Sanssouci Park - Potsdam

Lustgarten – Sanssouci Park – Potsdam

Quinta:
Ir à Berlin e não conhecer a East Side Gallery é um pecado, especialmente para os apreciadores de street art, portanto, aproveite a quinta para ir até lá, descendo na Ostbahnhof. Infelizmente de uns dois anos para cá os visitantes resolveram “deixar sua marca” escrevendo frases e nomes por cima das pinturas, o que tem levado a prefeitura a cercar o muro. Muito triste. Na volta, desça em Hackescher Markt e escolha entre algum dos museus da Museumsinsel ou então, para quem gosta de história, dirija-se diretamente ao DDR Museum, um museu que conta como era a vida na Alemanha Oriental. Ali na mesma região também existem outros museus, mas um outro que eu sugeriria (que não fica na mesma região), se houver tempo, é o Deutsches Technikmuseum, especialmente pela coleção de trens (sim, trens de verdade, e não é um só), barcos e aeronaves. E agora ainda contam com um anexo com automóveis, computadores e mais algumas bugigangas.

Nikolaikirche - Potsdam

Nikolaikirche – Potsdam

Na volta, vale uma passada em frente a Berliner Dom (fica ao lado do DDR e da Museuminsel) e depois se dirigir à Nikolaiviertel, o bairro onde Berlin nasceu. E estando lá vale muito à pena comer e tomar umas cervejas da Georgbraeu.

Sexta:
Além de vários parques, Berlin conta com várias florestas urbanas. Uma bem simpática, já fora da região central da cidade, é a Akazienwäldchen, próxima a estação Blaschkoallee (que também é bem charmosa). Ao lado do parque fica o Murugan Tempel, um templo indiano bastante colorido. Havendo tempo vale a visita.

O que não se pode deixar de visitar em Berlin é o Tempelhof, um Aeroporto que foi transformado em parque. Além da situação interessante de andar por onde trafegavam aeronaves, vale muito conhecer a história da ocupação e consequente transformação em parque.

Depois do Templelhof, a dica é ir até a Mariannenplatz, no bairro de Kreuzberg. A praça também é bem charmosa e é interessante notar que o tipo de iluminação e postes é diferente de cada lado das ruas que a cercam, já que ela ficava do lado oriental enquanto a rua em sí ficava na parte ocidental.

Dalí dá para caminhar até a Oberbaumbrücke, passando pelo Schlesisches Tor, ambos em Kreuzberg. O bairro de Kreuzberg, junto com Prenzlauerberg, sofreu ocupação de artistas, designers e outros profissionais ligados à arte à partir da metade da década de 90, o que transformou o bairro em um local repleto de galerias, brechós, bares, estúdios e casas de show.

Kaiser Wilhelm Gedächtniskirche

Kaiser Wilhelm Gedächtniskirche

E já que falamos em Prenzlauer, a dica para a sexta à noite é fazer um esquenta no Zu mir oder zu dir (pode-se fumar no bar, o que pode ser incômodo para não fumantes. Cães também são permitidos) e depois procurar alguma festa, show e/ou balada na Kulturbrauerei, uma antiga cervejaria (a tradução exata é “cervejaria de cultura”), convertida em um enorme “shopping” de atividades culturais e de lazer. Podem ocorrer, na mesma noite, nos vários espaços, diferentes eventos. E ai fica à gosto do fregues escolher entre uma festa cubana, uma aula de capoeira, uma peça de teatro, um simples jantar ou uma rave.

Na volta, pegue uma cerveja em alguma das “später Kaufen” (as lojas de conveniências) e aproveite para curtir alguma apresentação que provavelmente estará ocorrendo nas escadarias da estação Eberswaldestraße.

Sábado:
Como disse em um dos artigos linkados acima, se você não tomar cuidado pode se perder e gastar seus dias em Berlin apenas visitando museus. A programação que eu estou citando aqui leva entre 4 e 6 horas e ai sobra tempo para que você escolha alguns museus de sua conveniência e encaixe, mas um dos que eu recomendo muito é o Topographie des Terrors, um museu gratuito que conta (com muitas, muitas fotos) toda a história desde a ascenção de Hitler até a queda do muro. Como fica a um quarteirão de Checkpoint Charlie, vale a passada neste ponto turístico para tirar umas fotos.

Akazienwäldchen

Akazienwäldchen

Se curtir carro e tiver afim de gastar uma grana, o passeio de Trabi do Trabiworld (entre o Topographie des Terrors e o Checkpoint Charlie) vale muito à pena.

Para a noite de sábado, a dica é explorar Kreuzberg, iniciando pela Hopfenreich, com suas 22 torneiras com o melhor da recente cena de cerveja artesanal/especial de Berlin. Na sequencia sugiro o Lido, que sempre conta com algumas apresentações bem interessantes, na linha de Soul, Funk, Disco, Jazz e Rap, inclusive de Brasileiros (Criolo, Emicida e Diogo Nogueira são alguns que já passaram por lá). Antes de sair não esqueça de tirar bastante água do joelho para poder aproveitar um pouco das atrações musicais (bandas, rappers, cantores) que se revezam durante as madrugadas em frente à estação Warschauer Straße. Imagino que se tivesse banheiro ali muita gente nem iria se preocupar em ir para as baladas de Kreuzberg.

Domingo:
Este programa deve ser feito justamente no domingo. Primeiramente desça em Hackescher Markt e caminhe pelo James-Simon-Park à beira do Spree no sentido da Neue Synagoge Berlin, outro local icônico de Berlin e da história do holocausto (a entrada só é liberada aos membros da comunidade judaica por motivos de segurança, e ainda assim após passar por um raio-X). Depois dá para ir andando até a Nordbahnhof, onde começa a Bernauer Straße e um museu a céu aberto sobre o muro.

Tempelhof

Tempelhof

A Bernauer Straße é icônica pois foi dividida ao meio pelo muro e várias das cenas e histórias mais conhecidas durante a construção e a existência do muro ocorreram ali: a igreja da reconciliação, que ficava de um lado enquanto seus fiéis ficavam do outro, o cemitério que foi “deslocado” para acomodar a “death strip”, fugas tanto por túneis quanto de pessoas pulando as janelas. Enfim, é uma aula de história e de a que ponto chega a imbecilidade humana.

A Bernauer termina no Mauerpark (Parque do Muro) um parque que “nasceu” depois da queda do muro, justamente na área da death strip e tem uma história de ocupação parecida com a do Tempelhof. Aos domingos ocorre ali um mercado das pulgas onde pode-se encontrar roupas novas e usadas, artesanato, camisas de times de futebol, brinquedos, eletrônicos, memoriabilia, uniformes militares, enfim, praticamente tudo. No mercado também são montadas algumas “praças de alimentação” com “ambulantes” vendendo comida, muitas delas tradicionais de regiões mais desconhecidas da Alemanha.

Mariannenplatz

Mariannenplatz

Saindo do mercado, o parque em sí também é outra atração imperdível, com gente fazendo churrasco, jogando bola, crianças brincando e muitos, muitos músicos, dos mais variados estilos, fazendo música em troca de moedas. No verão ocorre ainda, no anfiteatro do parque, um Karaokê ao ar livre que é fantástico. Passar um domingo no Mauerpark é a receita para sair com um sorriso de orelha a orelha (depois de derramar algumas lágrimas de emoção).

Observações, dicas e considerações:

  • Apesar do Outono na Alemanha apresentar uma beleza e mistura de cores impressionantes, à partir de novembro várias atrações, como as praias e alguns parques, começam a se preparar para o inverno e portanto fecham. Se puder escolher, a melhor opção é ir entre Abril e Outubro.
  • Interessante como quase nenhum estabelecimento oferece wi-fi. Nota-se que o Berlinense quando vai ao bar com amigos, ele vai ao bar com amigos. Se fosse pra ficar no smartfone ele ficava em casa.
  • Aproveite para tirar alguma foto em umas das várias máquinas espalhadas pela cidade. Custa apenas 2 euros e é um belo souvenir.
  • É tanto lugar legal para conhecer e coisas interessantes para se fazer em Berlin que fica até difícil montar um roteiro para apenas 7 dias e tive que “abrir mão” de várias coisas para não sobrecarregar.

Be happy 🙂

East Side Gallery

East Side Gallery

Warschauer Straße: a verdadeira passarela do álcool....hahaha

Warschauer Straße: a verdadeira passarela do álcool….hahaha

Neue Synagoge Berlin

Neue Synagoge Berlin

Mauerpark

Mauerpark

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s