Wanderlust #8 – Berlin – Teil 2: die Geschichte

Brandemburger Tor

Brandemburger Tor (Portão de Brandemburgo) e sua famosa quádriga.

Uma das coisas que mais me atraem nos lugares que visito é a história daquele local. Através da história se explica a arquitetura, o comportamento do povo, os pontos turísticos e históricos e te dá um panorama geral do porque daquele local ser daquele jeito e atrair turistas. Para continuar contando um pouco de Berlin, acho que se faz necessário contar um pouco da história da cidade, especialmente porque alguns fatos são bem recentes (eu vi no Jornal Nacional as cenas das pessoas quebrando o muro e via notícias sobre tensões da guerra fria). Então, neste segundo post sobre Berlin, um pouco dos fatos que moldaram esta cidade fantástica:

Alguns séculos antes de Cristo, a região à beira do rio Spree já era habitada por algumas tribos, porém o primeiro documento em que o nome Berlin é mencionado, então como um povoado, é de 1237. Mais tarde, em 1307, ao se juntar com outro povoado (Cölln), também às margens do Spree (onde hoje se localiza o Nikolaiviertel), se torna definitivamente um município.

Em 1486 torna-se sede do território que atualmente constitui o estado alemão de Brandemburgo. Com a subida de Friedrich Whilhem ao trono de Brandemburgo, em 1640, a cidade desenvolveu-se rapidamente. No início do século XVIII, o sucessor de Friedrich Whilhelm, Friedrich III, transforma Brandemburgo num reino e é coroado como Friedrich I da Prússia e Berlin torna-se a capital do reino da Prússia.

No começo do século XIX, Napoleão derrota a Prússia e ocupa Berlin, levando para Paris a quádriga (biga é um carro utilizado em esportes e combates que é conduzido por 2 cavalos, quádriga é um com 4) que decorava o já existente Portão de Brandemburgo, até hoje uma das atrações mais conhecidas da cidade. Com a queda de Napoleão, a quádriga voltaria para Berlin e seria recolocada sobre o portão.

Ainda na primeira metade do século XIX, começa o processo de industrialização de Berlin, o que acelera o desenvolvimento da cidade.

Na segunda metade do século XIX, Otto von Bismarck, através de guerras contra a Dinarmarca, Áustria e França, consegue unificar os povos de língua alemã sob o Império Alemão, no que é conhecido como o segundo Reich. Berlin se torna então a capital do Império Alemão e recebe diversos projetos de infraestrutura urbana.

No começo do século XX a cidade já tinha quase 2 milhões de habitantes. A primeira guerra mundial, que culminou com a derrocada do Império Alemão, não chegou a impactar consideravelmente a cidade, que continuava a ser capital da Alemanha e seu centro cultural, intelectual e político. Com a nomeação de Hitler ao posto de chanceler, em 1933, a história da cidade começaria a mudar radicalmente.

Primeiramente Hitler pretendia demolir e reconstruir Berlin e, à partir do início da segunda guerra, Berlin sofreria diversas mudanças que a transformaram no que ela é hoje. Primeiramente foram os seguidos bombardeios sobre a cidade que ocorreram por praticamente 5 anos e destruiram a maioria dos edifícios, e depois foi o processo de ocupação pelos vencedores do conflito.

Berlin WallEine geteilte Stadt
Com o fim da segunda guerra e a derrota da Alemanha os quatro países vencedores do conflito (Inglaterra, França, Estados Unidos e União Soviética) resolvem dividir o país em quatro regiões, a serem controladas, temporariamente, por cada um dos vencedores. Berlin ficaria dentro da parte sob controle da URSS, porém, como a cidade era um centro cultural e intelectual, os quatro países negociam na cidade de Potsdam (uma cidade na região metropolitana de Berlin, capital do estado de Brandemburgo, falarei desta bela cidade mais pra frente) que Berlin também seria dividida em quatro setores, cada um sob administração de um dos países.

Aqui vem o primeiro engano de muita gente (inclusive meu): o muro de Berlin, que seria construido mais tarde, na verdade não “dividia” a Alemanha, ou mesmo Berlin, entre duas partes, mas sim cercava a área que estava sob controle dos aliados do oeste, já que a cidade inteira ficava dentro da região sob controle soviético. Ou seja, era uma prisão onde as pessoas queria entrar.

Afim de disseminar sua ideologia e evitar a disseminação da ideologia dos países do oeste, os soviéticos começam a bloquear as fronteiras terrestres, as linhas de trem e até a controlar o acesso fluvial, tanto para cidadãos que sairiam da parte sob seu controle, quanto para os que desejavam entrar. Em 24 junho de 1948, este bloqueio é extendido também para as cargas que chegariam à parte ocidental de Berlin, com a intenção de que os aliados do oeste abandonassem os seus setores, permitindo assim o controle soviético em toda a cidade. Porém, os aliados do oeste montam uma das maiores operações aéreas da história (os acessos terrestres, fluviais e ferroviários estavam bloqueados, porém, existia um corredor aéreo previamente negociado) para abastecer a parte ocidental de Berlin com os insumos necessários. O Berlin Airlift, como ficou conhecido, teve como base o aeroporto de Tempelhof (que até a unificação se transformou também em base aérea americana) e durou até 11 de maio de 1949.

Berlin Wall FallComo as fronteiras com o ocidente estavam fechadas, os residentes da alemanha oriental se dirigiam até Berlin, afim de tomar aviões para outras partes do país e assim fugir da área de controle soviético. E ai começa uma das histórias mais emblemáticas do século passado.

Berliner Mauer
Para impedir a fuga dos alemães orientais para o ocidente (a esta altura, a República Democrática Alemã já havia sido fundada pelos soviéticos), os soviéticos começam a bloquear, começando por pontes que davam acesso aos setores ocidentais (trechos dos rios que cortam Berlin já haviam se tornado “fronteiras” naturais) e estações de metrô e trem (várias estações ficaram desativadas, pois ficavam na ou muito próximo à divisa, elas ficaram conhecidas como “estações fantasmas” – Geisterbahnhöfe), os acessos à Berlin ocidental.

Porém, muitas ruas, parques e terrenos ficavam entre os dois setores e, somente as patrulhas não conseguiam conter as fugas. Em 1961 dá-se o início da construção do muro. Inicialmente alguns trechos foram construidos em ruas ou parques, ou mesmo nas margens dos rios, para evitar a passagem. Muitos prédios tiveram os acessos ao lado ocidental bloqueados, porém, os moradores continuavam a pular as janelas para acessar os setores americano, francês e inglês da cidade.

A Bernauer Straße foi uma das ruas mais utilizadas como rota de fuga, já que as janelas davam exatamente para o lado ocidental. Em determinado momento, os moradores dos apartamentos de frente para o lado ocidental são deslocados para outros apartamentos e as janelas são fechadas com tijolos.

Alguns anos mais tarde, afim de reforçar a segurança, alguns prédios (a maioria dos prédios da Bernauer Straße, por exemplo) seriam demolidos para dar lugar ao muro (a segunda versão, a primeira, construida em 1961 era mais rústica e a segunda, construída ao longo dos anos, é a mais conhecida e feita de blocos pré fabricados) e para compor o que ficou conhecido como a “faixa da morte” (death strip): uma área de segurança próxima ao muro, onde existiam barreiras (geralmente arame farpado), as torres de observação e onde os veículos de patrulha circulavam.

Até a queda do muro, em novembro de 1989, oficialmente morreram 138 pessoas (alemães orientais tentando escapar, alemães ocidentais que estavam próximos ao muro e foram mortos por “acidente” e oficiais que foram mortos por tentarem desertar ou por acidente), porém, como as informações do lado oriental não eram confiáveis e muitas vezes eram manipuladas, imagina-se que este número tenha sido maior.

Além disto, sabe-se que a criação do muro e a restrição de circulação, quando não a separação de famílias e amigos, foi causador de muitos casos de stress e depressão que, provavelmente, podem ter causado a morte de mais pessoas, dos dois lados do muro.

Berlin Wall Fall2Na noite de 9 de Novembro de 1989, já com a URSS à beira do colapso e a guerra fria quase no fim, os cidadãos berlinenses, após a declaração de um oficial do governo da DDR (Günter Schabowski), que se enrolou com as palavras e, ao invés de dizer que a fronteira seria aberta “em pouco tempo” (sobald), disse “imediatamente” (sofort), dezenas de milhares de cidadãos se dirigiram para os postos de controle afim de deixar o quanto antes a parte oriental de Berlin (aliás, cidadãos de outras cidades da DDR também se dirigiram para lá, mesmo sendo tarde da noite), os guardas da fronteira, diante de tanta gente, preferiram recuar, o que possibilitou que muita gente, por conta própria, começasse ali a demolição do muro, criando assim vários “pontos de cruzamento de fronteira” não oficiais.

Em 3 de Outubro de 1990, a Alemanha foi oficialmente reunificada e Berlin recebeu novamente o status de Capital da Alemanha.

3 ideias sobre “Wanderlust #8 – Berlin – Teil 2: die Geschichte

  1. Pingback: Wanderlust #9 – Berlin – Teil 3: die Stadt | Botecoterapia

  2. Pingback: O Verde Violentou o Muro – Ignácio de Loyola Brandão (16/2015) | Botecoterapia

  3. Pingback: Wanderlust #33 – Berlin (e Potsdam), Alemanha | Botecoterapia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s