Arquivo da tag: Kurt Vonnegut

Slaughterhouse-Five – Kurt Vonnegut (10/2019)

Segundo o prefácio, escrito pelo próprio autor, Kurt Vonnegut sempre quis escrever um livro baseado na sua história pessoal como prisioneiro de guerra em Dresden, durante a segunda guerra mundial. A experiência foi marcante pois ele estava na cidade quando esta, já no final da guerra, sofreu um intenso bombardeio, considerado por muitos totalmente desnecessário àquela altura do conflito.

Ao procurar um antigo companheiro para colher informações sob outra perspectiva, prometeu à mulher deste que não escreveria um livro “heróico” e não “glamourizaria” a guerra. E assim o fez com maestria: criou uma estória que mistura alguns fatos e personagens reais com ficção, jogando na cara todo horror presenciado por quem esteve no front de batalha, em contraste com a tendência de romantizar a guerra que normalmente ocorre com quem as promove (oficiais, políticos, etc.). E sendo um livro do Vonnegut, não poderia faltar muita ironia e humor.

Porém é aquele humor que faz você sentir vergonha de ter achado engraçado, e isto foi feito propositalmente pelo autor ao criar como personagem principal Billy Pilgrim, um oftalmologista (optometrist em inglês) que é um personagem muito caricato. Além disto a estória de Billy ainda traz à tona as agruras posteriores (ou anteriores, bem, o tempo não existe) a este evento tão traumático.

É um livro maravilhoso, daqueles que dá aquele aperto no peito, uma angústia, que a gente não consegue explicar direito porque. Para mim junto com Nada de Novo no Front, do Erich Maria Remarque, e com Maus, do Art Spiegelman o livro forma uma trilogia espetacular sobre guerras. E Kurt Vonnegut já está entrando na minha lista de autores favoritos.

So it goes.

Be happy 🙂

Sucker’s Portfolio – Kurt Vonnegut (04/2018)

Encontrei Kurt Vonnegut em uma referência do Orwell’s Revenge (agora lembrei que foi onde também encontrei a referência à The Machine Stops), pesquisei pelo autor na Amazon e coloquei alguns títulos dele meio que aleatóriamente na minha lista. Há quase um ano atrás fui comprar alguns livros e resolvi “experimentar” algum do autor, escolhendo este, também aleatóriamente, entre uns dez títulos que que eu tinha salvo.

Sucker’s Portfolio é uma coleção com seis contos e um texto que pode-se classificar como uma crônica. A coletânea foi lançada inicialmente pela Amazon em versão e-book e posteriormente na versão impressa. Os contos são em sua maioria histórias simples, de cotidiano, com uma linguagem fluída e que te leva a grudar no texto até que ele acabe. Mesmo Robotville and Mr. Caslow, um texto inacabado e que pode ser considerado um “conto de ficção científica” é algo factível em um futuro próximo (meio na linha Black Mirror).

Mas o capítulo que eu mais gostei foi o de crônica. Entitulado de The Last Tasmanian, é uma coletânea de pensamentos aleatórios, mas interligados, que o autor teve à partir de um número (1492, o ano em que Cristóvão Colombo descobriu a América). Pelo que o texto deu a entender, o autor estava sozinho (quer dizer, com o seu gato) e começou a colocar no papel uma série de idéias que eram “sugeridas” pela idéia anterior. Tanto que o texto apresenta muitas vezes a expressão “e por falar nisto”. Achei muito interessante esta forma fluída de colocar idéias no papel. Preciso pegar um tempo para tentar o mesmo exercício algum dia.

Gostei bastante do estilo de Vonnegut e suspeito que ele tende a se tornar um dos meus autores favoritos em dois ou três livros.

Be happy 🙂