The Machine Stops, The Celestial Omnibus, and Other Stories – E. M. Forster (03/2018)

Eu vou comprando livros e acumulando e as vezes nem lembro o que me levou a comprá-los. Comprei este livro há alguns (vários) meses atrás e não lembro quem deu a “dica”. O livro é um compêndio de estórias curtas de Edward Morgan Forster, um famoso escritor inglês que eu não conhecia, mas que pelo que eu pude pesquisar, possui uma vasta obra, algumas delas transformadas em filmes e séries pela BBC.

A primeira história do livro, The Machine Stops, é bem interessante e retrata, no melhor estilo distópico, uma sociedade futura onde as pessoas vivem em “vomitórios”, que se tratam de “células hexagonais” em colônias subterrâneas. Estas pessoas passam o dia todo se comunicando através de um sistema interligado (outra previsão do surgimento da Internet?), atendendo e dando aulas. Não há mais a necessidade de sair dos vomitórios porque finalmente chegaram à conclusão de “por que usar transporte para levar as pessoas às coisas, quando é mais fácil levar as coisas às pessoas?” (Amazon?!?!?). E não há a necessidade das pessoas visitarem outros lugares, já que tudo é “lamacento e poeirento” (e a máquina “conecta” as pessoas).

A entidade que controla tudo isto é conhecida como “A Máquina” (The Machine) e, apesar de, em tese, não existir religião nesta sociedade global, os membros acabam cultuando a própria máquina. Um dos membros desta sociedade resolve se aventurar na superfície e descobre que na verdade ainda existe um mundo a ser visto fora dos domínos d’A Máquina. A estória me lembrou muito Der Fisch.

Como gosto do estilo distópico, achei The Machine Stops bem interessante, ao contrário dos demais textos do livro. Apesar do conto principal ser uma estória fantástica, ao menos é algo factível. As demais estórias são fantásticas, mas já vão para o lado do misticismo, especialmente relacionados à um “ente superior que domina a natureza”.

Além de tudo o inglês utilizado é de difícil compreensão. Tive que reler vários parágrafos para poder entender. Encontrei uma versão traduzida de The Machine Stops aqui (tem o texto original e a tradução).

Be happy 🙂

Uma ideia sobre “The Machine Stops, The Celestial Omnibus, and Other Stories – E. M. Forster (03/2018)

  1. Pingback: Sucker’s Portfolio – Kurt Vonnegut (04/2018) | Botecoterapia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s