História do Cerco de Lisboa – José Saramago (09/2017)

Interessante ter lido este livro logo após o Manual de Pintura e Caligrafia, já que os dois usam o mesmo “mote” como linha mestra: uma crise existencial que faz com que o personagem principal cometa um arroubo dentro de sua atividade profissional, o que acaba por mudar os rumos de suas vidas.

No caso da História do Cerco de LIsboa, Raimundo Silva, um notório revisor literário, ao trabalhar em um livro que relata o fato histórico da retomada de Lisboa, que ficou sobre controle dos Mouros (islâmicos) entre os séculos VIII e XII, resolve adicionar uma negativa, contrariando os fatos históricos (da forma como são conhecidos). Inicialmente ele se vê às voltas com a culpa de ter, deliberatamente, tentando alterar a história.

Porém o fato em sí não causa tantos inconvenientes quanto Raimundo imaginava, e acaba por abrir uma nova possibilidade profissional: reescrever a história à partir do ponto em que ela foi modificada por ele mesmo.

À partir dai o revisor / escritor vai revisitando os fatos e os lugares, já que a estória (do Saramago) também se passa em Lisboa. Com toda a liberdade literária, ele escreve um interessante romance e, no processo de escrever, também vai trazendo fatos da história verdadeira (através das suas pesquisas e das possibilidades para a história).

A leitura é mais fluida do que o do Manual. “Fluída” para o padrão Saramago, que não usa uma organização normal em parágrafos e diálogos, mas escreve tudo (narração e diálogos) continuamente, sem identificar o emissor da frase, apenas separando-os por vírgula. É cansativo inicialmente, mas depois de pegar o embalo fica um pouco mais fácil (alguns trechos requerem uma leitura mais detalhada e eventualmente releitura).

Além de tudo, foi bem interessante para mim, porque como fui há alguns meses à Portugal, ficou bem fácil montar o “filminho” na minha cabeça dos lugares por onde Raimundo anda durante a estória.

Uma diferença interessante entre o Manual e o Cerco é que no Manual, o personagem que enfrenta a sua crise existencial está na faixa dos quarenta anos, enquanto no Cerco, o personagem está na fase dos cinquenta. Levando-se em consideração que os livros foram lançados com um intervalo de pouco mais de dez anos e que, segundo os biógrafos de Saramago, o Manual é uma obra biográfica. Imagino que o Cerco também tenha algo do próprio Saramago.

Be happy 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s