Lembrancinha do Adeus: História(s) de um Bandido – Julio Ludemir (23/2014)

Lembrancinha do AdeusSegundo o autor, o livro era para ser um romance-reportagem, mas ao checar as informações colhidas junto ao bandido Lambreta, usado como fonte para a parte da reportagem, ele descobriu que muita informação não batia e na verdade o bandido se colocava como um personagem principal de muitos eventos importantes no desenvolvimento do crime organizado no Rio de Janeiro desde o final da década de 70.

Ele descobriu ai que a fama de um bandido é sempre acompanhada de muitas lendas e resolveu desenvolver um romance baseado neste mote: o bandido que aumenta enormemente os seus feitos para impressionar os outros. Neste caso, um outro, Lembrancinha, o adolescente do morro do Adeus aspirante a bandido.

O livro é praticamente um diálogo entre os dois (Lambreta e Lembrancinha), onde o velho Lambreta, recentemente liberado da prisão após cumprir 30 anos, conta para Lembrancinha, como se fosse “contos de fada” a história do crime organizado no Rio, tendo sempre ele mesmo, claro, como personagem principal. O relato ocorre durante vários dias, enquanto ambos estão em um esconderijo devido à uma guerra no morro.

Apenas mais um personagem interage, rapidamente com os dois: o Pastor Uóston, conhecido em sua vida de bandido como Presença, e recém convertido à alguma das várias seitas evangélicas que infestam os bairros pobres e periféricos da maioria das cidades brasileiras.

A estória faz um apanhado geral do desenvolvimento do crime organizado atual do Rio de Janeiro, desde o já conhecido envolvimento de bandidos comuns com crimes políticos na Colônia Penal de Ilha Grande, apontado por vários especialistas como fator determinante para a conversão de bandidos comuns em bandidos organizados que houve no Rio.

Para quem não é do Rio ou não tem familiaridade com eventos e personagens dos últimos 30 anos (guerras entre quadrilhas, chacinas, bicheiros, traficantes, etc) e não tem familiaridade com a geografia do Rio, às vezes fica um pouco complicado “ligar os pontos”, apesar do autor fazer com que Lambreta, ao contar suas histórias, tente “situar” um pouco as pessoas, fatos e locais.

Para quem não conhece gíria (ou não conhece as do Rio, como eu), o início também é um pouco complicado, pois, como disse, não existe um narrador e o livro é basicamente um diálogo entre dois bandidos, que como deve ser, usam gírias (Lambreta usa inclusive gírias mais antigas, mas tem o cuidado de explicar à Lembrancinha).

Mas é um livro bem interessante, especialmente para quem tem interesse em antropologia, segurança pública, etc. Eu fiquei achando que o livro seria ótimo como base para um filme deste “cinema marginal” (Carandiru, Cidade de Deus, Salve Geral, Tropa de Elite, etc) que surgiu nos últimos anos no Brasil.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s