Memórias Póstumas de Brás Cubas – Machado de Assis (02/2021)

memorias_postumas

Machado de Assis é provavelmente o maior escritor brasileiro de todos os tempos e “Memórias Póstumas” é uma de suas principais obras (provavelmente a mais famosa e mais lida delas), que forma junto com Quincas Borba e Dom Casmurro aquilo é conhecido como a “trilogia Machadiana” (ou Trilogia Realista). Se você nunca leu esta obra ou se nunca leu Machado, apenas pare tudo o que está fazendo agora e vá ler. É imperdoável para qualquer brasileiro (diria até para qualquer falante nativo da Língua Portuguesa) não ter lido pelo menos a trilogia.

Eu tinha lido esta obra na minha adolescência, lá pelos 16 anos, numa edição “tijolo” que contava também com Quincas Borba e Dom Casmurro. A primeira coisa que me chamou a atenção à época foi o fato de ser um livro narrado em primeira pessoa, porém por um defunto. Ou seja, uma autobiografia póstuma! O livro começa exatamente com a dedicatória de Brás Cubas ao verme que “primeiro roeu suas carnes frias” para em seguida descrever como ocorreu o seu funeral. Genial! Depois deste início, ele volta ao começo de sua vida, na verdade até antes, descrevendo seus antepassados e toda a sua vida, até emendar com o funeral novamente.

Uma outra coisa que também me chamou a atenção foi o humor ácido e a fina e nobre arte da ironia. Se na época da primeira leitura eu já conhecesse o Monty Python, Douglas Adams, e outros do gênero, com certeza teria feito uma relação com o humor britânico. Imagino que o tipo de sarcasmo de Machado era bem à frente do seu tempo e que muito provavelmente o livro tenha sido incompreendido por muitos à época.

Não vou entrar em detalhes da estória pois, como já disse, ela é leitura obrigatória. Então vou falar um pouco da edição: quando soube que lançariam uma edição do Memórias com ilustrações do Candido Portinari, que haviam sido feitas para uma edição comemorativa na primeira metade do século XX, fui obrigado a colocar na lista. Edição de colecionador mesmo (e olha que eu não costumo guardar livros).

Os desenhos são fantásticos e ilustram muito bem personagens e passagens da obra (a capa é o próprio verme já citado!). As notas de rodapé, o prefacio (explicando a edição) e o posfácio (explicando Machado e sua obra) são muito interessantes também. Claro que tudo isto são “complementos” para o prato principal, que é o texto delicioso de Machado. Daqueles que te fazem não querer parar de ler o livro enquanto ele não termina.

Mas ainda bem que com o tempo eu aprendi a saborear o prazer de ler, ao invés de devorar livros, e desta vez pude apreciar cada momento da releitura (coisa que faço bem pouco também) décadas depois da primeira vez.

Be happy 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s