Arquivo mensal: setembro 2019

Wanderlust #58 – Porto Rico

(23/12/2018-01/01/2019)

Ano passado decidimos que não iriamos passar as festas de final de ano em casa e que iriamos procurar algum lugar quente para fugirmos um pouco do frio. Fazendo algumas pesquisas, descobrimos que Porto Rico se trata de um vôo doméstico e sairia bem em conta. Ainda conseguimos comprar as passagens com milhas. E que grata surpresa foi visitar este local, que apesar de ser um território norteamericano, tem sua própria cultura!

Dia 1

Além da ilha principal onde fica a capital San Juan, Porto Rico conta com diversas outras ilhas, sendo duas delas mais importantes e turísticas: Vieques e Culebra. Não haveria tempo hábil para visitar as duas e também conhecer a ilha principal como queriamos, então acabamos por escolher Culebra meio que aleatoriamente. Como chegaríamos no final de tarde em Porto Rico, para não corrermos o risco de algum inconveniente, resolvemos pernoitar em San Juan e tomar o vôo para Culebra na manhã seguinte.

Assim que chegamos, fizemos o checkin no hotel e fomos dar uma volta em Condado, um dos bairros turísticos da capital. Condado basicamente se resume a uma avenida de uns 800 metros com alguns hotéis, um cassino e bastante bares e restaurantes. Após uma breve volta paramos no The Place para comermos algo e tomarmos uma cervejas, de leve, já que a viagem se iniciaria de verdade no outro dia.

Dia 2

Depois de um tempo procurando, conseguimos achar o balcão da Vieques Air Link e despacharmos as malas. Estranhei um pouco o atendente perguntando quanto pesávamos, porém quando nos dirigimos à pista para embarcar entendi que era para poder distribuir corretamente o peso dos 6 passageiros na pequena aeronave Britten Norman BN-2 Islander (que tem capacidade para 8 passageiros, além de dois tripulantes). O passeio no “teco-teco” foi uma atração a parte, especialmente porque antes de chegar a Culebra ele fez uma parada em Vieques para deixar os demais passageiros. Ou seja, além da bela vista proporcionada ainda tivemos uns 10 minutos de um “vôo privado”, com direito a selfie tirada pelo piloto.

Chegamos a Culebra e a segurança do aeroporto nos ajudou a chamar um táxi, mas talvez nem precisasse, já que a agradável pousada Country Family ficava a poucos minutos do pequeno aeroporto. Culebra é bem pequena e muita gente aluga aqueles carrinhos de golf, que também é um modo de transporte comum aos moradores da ilha. Mas resolvemos fazer as coisas à pé mesmo. Depois do checkin e de algumas dicas da Mari, a simpática dona da pousada, fomos dar uma volta na área mais habitada da ilha. Já sabiamos que a ilha era pequena (cerca de 3 mil habitantes), mas não achavamos que era tanto!

Demos uma parada primeiramente na Dinghy Dock , um bar todo aberto à beira Ensenada Honda, a principal baia da ilha, para comermos um peixe e tomarmos uma cerveja. Em seguida andamos para o centrinho, onde estavam acontecendo os preparativos para a noite de natal. Depois do rápido passeio, voltamos ao hotel para nos prepararmos também.

De volta ao centro da cidade passamos no Mamacitas Bar & Grill onde tomamos uma ótima Piña Colada (talvez a melhor que eu já tomei) e depois fomos jantar e passar a noite de natal novamente no Dinghy Dock.

Dia 3

No outro dia, fomos até a Playa Flamenco, talvez a mais conhecida da ilha. Haviamos decidido caminhar os quase 4 quilometros até lá, porém antes da metade do caminho dois turistas num carrinho de golf nos ofereceram carona. Cobra-se uma pequena entrada de US$ 2,00 por pessoa para acessar a praia à pé e carros pagam um adicional pelo estacionamento. Mas a praia conta com infraestrutura como quiosques (em uma espécie de “praça de alimentação”), banheiros e duchas. Também é possível alugar cadeiras de praia e guarda-sóis, porém existem bastante árvores ao longo da faixa de areia, então dá pra apenas estender uma canga debaixo de uma delas e ficar à vontade.

A praia era usada há algumas décadas como área de treinamento da marinha americana e uma das atrações são alguns tanques de guerra que eram usados como alvo para os treinamentos. Obviamente os tanques estão envelhecidos e enferrujados, mas foram “decorados” com grafites. Depois de aproveitarmos um pouco a praia (sem entrar na água), resolvemos sentar em um dos quiosques (onde já tinhamos tomado café da manhã) para almoçarmos e tomarmos umas cervejas. Tivemos que ficar um tempo a mais pois caiu uma baita chuva e iriamos voltar à pé. Mas novamente no meio do caminho duas turistas nos ofereceram carona.

Fomos então para o centrinho da cidade. Estava ocorrendo uma festa de natal tradicional na ilha, onde eles enfeitam os carros (incluindo os de golf) com luzes e se reunem à beira do porto da área central para beber e dançar (tinha música ao vivo). Depois fomos outra vez tomar umas e agora jantar no Mamacitas.

Dia 4

Tomamos o pequeno avião de volta a San Juan logo cedo. Lá chegando pegamos o carro alugado e fomos fazer a programação na ilha principal. Nossa primeira parada foi Barceloneta. A cidade lembra muito as pequenas cidades do interior de São Paulo, mas além de um Outlet que fica na beira da estrada (e que pode ser atração para alguns) e uma pequena praia (La Boca), não tem nada que valha muito a pena a parada. De lá seguimos para Aguadilla, no Oeste da ilha.

Escolhemos Aguadilla para ficar pois à partir dela teriamos acesso tanto às praias do Norte quanto do Oeste da ilha. A cidade em sí é bem pequena e a maior atração talvez sejam as casas coloridas existentes numa encosta do morro que cerca o centro do povoado (além de uma pista de patinação no gelo!). Depois de darmos uma volta neste pequeno centro e passarmos pela Crash Boat Beach, a praia mais popular da região, fizemos o check-in. Mas como o dia já tinha praticamente acabado e o restante da programação seria feita no dia seguinte, fomos até o Beer Box, um bar de cervejas especiais a cerca de 20 minutos do hotel.

Na volta acabamos encontrando, sem querer, uma loja de conveniência bem próxima ao hotel que tinha um deck externo e vendia algumas cervejas diferentes. Então ficamos lá tomando algumas Medallas mesmo e observando o movimento.

Dia 5

Na quinta-feira fomos conhecer as praias da região, primeiro as do norte, na região de Isabela. Por lá existem várias praias que lembram muito as do litoral norte de São Paulo, como Punta Sardina, Middles Beach e Jobos Beach. Para quem visita Porto Rico atrás de praias, este seria um bom lugar para ficar hospedado.

De lá seguimos sentido oeste, e demos uma parada nas Ruinas del Faro, em Punta Borinquen. Com tempo até vale a rápida parada, mas também não tem nada demais em termos de visual.

Fomos então até Rincon, que assim como Isabela, também conta com várias praias que lembram o litoral norte de São Paulo e é também uma ótima pedida para quem quer curtir praia. A principal diferença de Rincon para Isabela é que em Rincon existe um balneário e mais infraestrutura. Este balneário,  na área central da região, lembra inclusive algumas praias mais movimentadas do litoral paulista. Outro ponto interessante em Rincon é o Faro Punta Higueras, que fica no alto de um penhasco e conta até com um bar. Deve ser bem legal pra ver o por-do-sol.

Para finalizar a programação do dia, fomos até Mayagüez, que é uma das maiores cidades fora da região metropolitana de San Juan, com seus pouco mais de 70 mil habitantes! Para turistas de fora do país não existe nenhuma atração interessante.

Voltamos para Aguadilla e à Crash Boat, desta vez para sentarmos e tomarmos uma cerveja. A praia é muito movimentada e bem popular na região. No início da noite voltamos à loja de conveniências da beira da estrada, onde tinhamos ido no dia anterior (sério, é bem agradável e tem ótimas opções de cerveja!). Depois fomos jantar no Aliyah’s Rooftop, que fica ao lado.

Dia 6

Na sexta-feira saímos cedo em direção a Ponce. Acabamos parando em Mayagüez novamente, que ficava no meio do caminho, para tomarmos café da manhã na padaria Ricomini, que lembra muito as padarias brasileiras. Vale a pena comprar lá o Brazo Gitano, que é um rocambole recheado de goiaba e queijo e que lembra um pouco o Bolo de Rolo. Seguimos então para San Germán, que assim como Mayagüez, também não tem quase nenhuma atração turística (e nem uma padaria!).

Chegamos então em Ponce, que é a maior cidade fora da região metropolitana de San Juan (130 mil habitantes!). Ponce, apesar de pequena, tem algumas atrações turísticas interessantes. Passeamos pelo Parque de Bombas, um antigo quartel de bombeiros transformado em museu e pela Plaza del Mercado, que já estava quase vazia.

Demos mais uma passeada pela cidade, almoçamos e fomos andar na La Guancha, um boardwalk que conta com vários quiosques. O boardwalk estava fechado para reparos, provavelmente por conta dos danos causados pelos furacões Maria e Irma, em 2017. Vale a pena parar em algum dos quiosques para tomar uma cerveja e uns drinks. Pelo que pudemos perceber, à noite rola um “fervo” por ali.

Mas como já tinhamos outros planos, saimos logo no início da noite em direção ao bar Birriola, que oferece umas 10 taps com cervejas locais. Depois jantamos no restaurante Sabor y Rumba e fomos descansar.

Dia 7

Levantamos cedo para ir a San Juan e fomos parando em algumas praias, meio aleatoriamente, nas cidades de Guayama, Humacao, Fajardo e Ceiba, mas não lembro os nomes das praias. Muitas delas são bem interessantes, porém muita coisa ainda está danificada por conta dos furacões.

Chegando na região metropolitana de San Juan, paramos primeiro no Balneário de Carolina, onde existem muitos prédios residenciais (ou de veraneio?) enormes. A região é bem turística, com bastante restaurantes, lojas de bugigangas (guarda-sol, brinquedos de praia, etc.), bem “Brasil” mesmo. Aposto que muitos norteamericanos mantém estes imóveis na ilha para passarem temporada.  

Depois de devolvermos o carro e tomarmos um Uber até o hotel, fomos dar uma volta em Miramar, região onde ficamos hospedados. Miramar é uma área mais comercial, mas conta com vários prédios antigos e alguns museus. Andando pela Avenida Juan Ponce de León, acabamos topando com o Lote 23, uma praça gastronomica bem agradável.

De lá continuamos a peregrinação até a Calle Loiza, uma região boêmia mais “alternativa”, que lembra um pouco a antiga Vila Madalena. Fizemos um pit-stop no El Tap, que tem 50 torneiras, a maioria delas com cervejas locais e umas poucas (4 ou 5) com vinho e cidra. O bar é até meio “fancy” para a região, mas nada que destoe e não teve nenhuma frescura. É chegar, pedir a bebida, se alojar no balcão ou em alguma das mesas ou sofás e aproveitar. Depois jantamos um ótimo e barato PF no Ana’s Cafe Restaurant. A região estava bem movimentada, mas caiu uma baita chuva (“mucha água!”) e resolvemos voltar para o hotel.

Dia 8

No domingo, debaixo de um calor escaldante, fomos finalmente conhecer a parte mais turística de San Juan, a Isleta de San Juan, onde fica Old San Juan. Mas primeiro, já na ilheta, passamos pela Punta Escabron, onde fica o Balneário El Escambrón, que tem um belo paisagismo e bastante infraestrutura (bares, chuveiros, estacionamento). É uma boa pedida para pegar uma praia e diferentemente do Balneário Carolina, onde os prédios ficam colados na areia, existe um parque que separa a faixa de areia da avenida principal, ou seja, tem um visual mais “natureza”.

De lá, pegamos o “boardwalk” que leva até o San Juan antiga. Quase chegando em San Juan, fica o Capitólio, que é o palácio de governo e, assim como o de Cuba, parece uma cópia do Capitólio dos EUA. Em frente ao Capitólio tinha um vendedor de águas e resolvemos comprar uma. Acho que ele percebeu que tinhamos caminhado bastante debaixo daquele sol e gentilmente nos deu uma água.

Finalmente chegamos em Old San Juan e fomos caminhar pelas ruas estreitas da parte mais antiga da cidade. Andamos também pelo Paseo de La Princesa, passamos em frente à Fortaleza e entramos novamente na cidade pelo Portão de San Juan.

Caminhando um pouco mais pelas rua estreitas (muitas delas fechadas para veículos), acabamos topando com a La Taberna Lupulo, que até tinhamos mapeado anteriormente, mas não esperávamos que fosse tão legal. O bar foi montado em um imóvel antigo, com portas largas e janelas enormes (lembra o Frangó e o Empório Sagarana), que torna o local bem agradável, especialmente no calor da cidade. Além disto, o atendimento é muito bom e tem uma boa carta de cervejas, tanto nas taps quanto em garrafas e latas. Após tomarmos umas e petiscarmos algo, perguntamos se no outro dia, véspera de reveillon, eles estariam abertos (estariam!) e fomos dar mais umas bandas.

Dando mais uma volta, acabamos caindo sem querer na Calle Tanca, que fica na entrada da comunidade La Perla. A comunidade é muito parecida com as favelas brasileiras e é onde parte do clipe de Despacito, do Luis Fonsi, foi gravado. A rua é fechada e estava ocorrendo uma festa, muito parecido com os pagodes encontrados no Brasil, com músicos se revezando (e improvisando), a galera dançando, bebendo. Tirando a diferença de estilo musical (ritmos latinos ao invés de samba), me senti praticamente em algum morro do Rio ou periferia de São Paulo. Ficamos um bom tempo ali degustando algumas Medallas (aliás, vale assistir o clipe Calma, de Pedro Capó, para entender como a cerveja faz parte da cultura local) e mojitos com os locais.

Já no começo da noite, fomos até o Restaurante Raices, que é meio turístico, mas é uma boa opção para degustar alguns pratos da culinária local. Resolvi encarar a Chuleta Kan Kan que estava muito boa. Porém, além de bem gordurosa ela é grande e acabei passando mal durante a noite (e olha que tenho estômago de avestruz).

Mas felizmente, mesmo sentindo o peso da chuleta, demos uma passada na La Factoria (onde outra parte de Despacito foi gravada). O bar fica num imóvel bem antigo, que deveria ser uma fábrica. A especialidade da casa são ótimos drinks. Ótimos mesmo, inclusive com diversos prêmios internacionais. Uma portinha atrás do balcão dá acesso à parte “secreta” do bar: mais 3 ambientes onde ocorre música ao vivo e DJs à partir das 23:00 hrs até a hora do sol nascer.

Dia 9

Na véspera de ano novo, fomos dar uma volta em Condado, para conhecer de dia. Tem algumas praias interessantes também, quase no estilo do Balneário Carolina. Os restaurantes ficam abertos de dia, mas talvez por conta do feriado, estavam bem vazios.

À tarde nos preparamos e fomos para o centro. Primeiro passamos na La Factoria novamente, para tomarmos os bons drinks. Depois do “exquenta” fomo até a La Taberna Lúpulo (que fica em frente) para jantarmos e passarmos a virada tomando boas cervejas. Depois da virada, voltamos à La Factoria para curtimos um pouco a balada (e claro, mais alguns bons drinks) como saideira.

Observações, dicas e considerações:

  • A primeira coisa a se pontuar sobre Porto Rico é que ele é um caso especial: ele não é uma nação soberana, mas um território que pertence aos Estados Unidos mas que não faz parte dele (um “território não-incorporado”). Qualquer pessoa nascida em Porto Rico tem cidadania norte-americana. Residentes de Porto Rico não votam para presidente dos EUA, já que a eleição para presidente é indireta, através de voto dos representantes dos 50 estados da federação. Porém, alguém nascido na ilha pode se registrar e votar, caso resida em algum dos estados. A perda do direito a voto ocorre também para alguém que tenha nascido em algum dos 50 estados e tenha se mudado para a ilha. O território não tem representantes no congresso, já que os representantes também são estaduais. Localmente eles elegem um governador e legisladores. O lado positivo desta situação é que os residentes de Porto Rico não pagam o imposto de renda federal (apesar de ainda precisarem fazer a declaração, que é exigida de qualquer cidadão norteamericano, mesmo os que moram fora do país) e mesmo empresas têm bastante atrativos para se instalarem na ilha (e muitas o fazem, inclusive empresas não norte-americanas).

  • Pra entrar na ilha precisa do visto americano: não existe um visto portoriquenho, como não existe mais um passaporte portoriquenho. A moeda é o dolar, o sistema de telefonia é norteamericano (apesar de várias operadoras do continente não prestarem serviço na ilha e operarem através de roaming), as leis de trânsito se assemelham muito às leis dos estados norteamericanos (as regulamentações de trânsito nos EUA acontecem no nível estadual). Até as estradas lembram muito as dos EUA, com apenas uma diferença: as placas de velocidade e distâncias normalmente apresentam valores em milhas e em kilômetros. Também existe muita placa em espanhol e em inglês. Mas o idioma mais falado na ilha é o espanhol mesmo.

  • Existe muita propaganda na ilha incentivando os residentes a aprenderem inglês. Meu palpite é que a falta de domínio no idioma mais utilizado nos EUA seja um empecilho para que mais empresas se instalem na ilha. E a título de curiosidade: o inglês NÃO é o idioma oficial dos EUA. Os EUA não tem, propositalmente, um idioma oficial. A nação foi fundada à partir da união de várias ex-colônias (Britânica, Francesa, Holandesa, Espanhola, etc.) e determinar um idioma a ser utilizado iria prejudicar a unidade.

  • Outro ponto interessante é que pode-se beber em público, coisa que só é permitido nos EUA em duas cidades (Las Vegas e New Orleans) e, eventualmente e temporariamente, em alguns outros lugares, mas não no nível estadual em nenhuma das unidades federativas.

  • O Natal parece ser a principal festividade da ilha. Todo mundo se prepara, é o dia dos parentes “voltarem para casa” e se reunirem, é dia de visitar os amigos, comer, beber, dançar, se divertir. De acordo com os dois turistas que nos deram carona até a Playa Flamenco, outra comemoração muito importante é o Dia de Reis (6 de Janeiro). Segundo eles, é o carnaval deles e a festa onde a galera “perde a linha”.

  • Ainda tem muito dano dos furacões de 2017, mesmo na capital (outdoors retorcidos, imóveis sem teto, etc.). A eletricidade de Culebra até este ano era feita por geradores já que as conexões submarinas foram danificadas pelo furacão Irma. Os ferries são muito inconstantes, não existe venda antecipada e a preferencia é sempre dos moradores das ilhas. Por isto aconselha-se a tomar um avião se o tempo para visitar Vieques ou Culebra for pouco, já que turistas podem não conseguir embarcar. E para pegar o Ferry com carro só se for morador da ilha, já que turistas não podem embarcar com carros alugados.

  • Servi-carro é o drive-thru dos restaurantes. Faz muito mais sentido!

  • A experiência com o pequeno avião foi bem legal, mas na volta eu pensei “se o piloto tem um piripaque ferrou”, já que não tinha co-piloto. Preciso tirar logo meu brevê!

  • Em San Juan existem caixotes nos pontos de ônibus onde as pessoas compartilham livros. Qualquer um pode deixar ou pegar um livro pra levar. Bela idéia! Pena que esqueci de tirar foto.

  • Chinchorro é um boteco pequeno que vende de tudo: cerveja, drinks, comida, frutas, verduras, etc. É tipo aquelas vendinhas que tem em bairros periféricos do Brasil. Chinchorrear portanto é botecar (comer e beber, mas invariavelmente sempre acaba em festa e música). Vacilar é curtir, aproveitar, e não “dar mancada” como no Brasil.

  • Os portoriquenhos são muito simpáticos, receptivos e educados. Além de serem bastante festeiros.

Be happy 🙂