Arquivo da tag: Sobre os “rolezinhos”: muito barulho por nada!

Sobre os “rolezinhos”: muito barulho por nada! – #tbt

Originalmente publicado na Feedback Magazine, em 30 de Janeiro de 2014. As opniões do texto não refletem, necessariamente, a minha opnião atual, já que eu sou um ser em constante evolução e que prefere “ser esta metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opnião formada sobre tudo”.


Eu estava um tanto quanto relutante para escrever sobre a polêmica da vez, o tal “rolezinho”, pois acho que estão gastando muito esforço com uma coisa desimportante. Mas vou fazê-lo mesmo assim, desta vez tentando observar os diversos pontos de vista.

Dos funkeiros “rolezeiros”

Primeiramente, para explicar o “fenômeno”, uma explanação sobre a geografia de São Paulo: a região central e a maioria dos bairros de classe alta e média alta de São Paulo são separados do resto da cidade (basicamente a periferia) pelos dois principais rios que cortam São Paulo (o Rio Tietê e o Pinheiros). Isto cria uma barreira geográfica entre as classes menos privilegiadas e a “elite”, tal barreira foi até cantada em uma música dos Racionais MC’s.

Como morador “do lado de cá da ponte”, do alto dos meus 13, 14 anos, eventualmente, quando havia condições financeiras, juntávamos um pessoal (da escola, do bairro, etc.) e “atravessávamos a ponte” para procurar diversão. Inicialmente esta diversão era concentrada em Shoppings (no caso o West Plaza e o Matarazzo, que ficavam mais próximos) ou o SESC Pompéia, todos eles no bairro Pompéia, Zona Oeste de São Paulo. Mais tarde, migramos para “rolês” na Galeria do Rock (durante o dia) e o bairro boêmio do Bixiga (reduto de vários bares de rock), ambos na região central de São Paulo. Outras “tribos” também buscavam diversão nesta “ilha” que existe na região central de São Paulo: Broadway (pessoal que curtia música eletrônica), Clube da Cidade (black music, samba), Clube do Palmeiras (black music, rap), Caipirão (sertanejo), etc.

O que buscávamos era apenas diversão: comer no McDonald’s, mexer com algumas garotas, mesmo aprontar alguma estripulia nestes lugares (subir uma escada rolante que estava descendo) e, vez ou outra, até uma briga acontecia. Coisas de adolescente. O que este pessoal do rolezinho procura é basicamente a mesma coisa que minha turma procurava: se divertir, beijar, comer e aprontar. O único problema é que, com o advento das redes sociais, estes eventos (que na minha época juntavam 8, 10, 12 pessoas e nunca chegou a passar de 15), tomou proporções bem maiores, chegando a juntar milhares de pessoas.

É claro que, em todo evento que reúne bastante gente, seja ele um jogo de futebol, um show, uma manifestação, uma praia, existirão pessoas de má índole ou má intencionadas, mais ou menos na mesma proporção em que elas existem na sociedade como um todo (aliás, o único lugar em que a existência de pessoas de má índole ou má intencionadas é superior é na política). Porém, como geralmente acontece com o Estado brasileiro, ao invés de identificar e punir os desvios de conduta, o Estado tenta fazer o “mais fácil” e cria proibições. Um bom exemplo: ao invés de identificar e punir eventuais brigões em jogos de futebol, resolveram proibir a entrada de bandeiras, instrumentos musicais ou qualquer coisa que pudesse ser usada como arma (frutas, por exemplo), o que não diminuiu em nada a violência relacionada ao futebol. Outro exemplo bem paulistano: para coibir os excessos no uso da propaganda visual em vias públicas, ao invés de fiscalizar e punir quem não obedecesse as regras, simplesmente resolveram proibir todo e qualquer outdoor em São Paulo. Agora no lugar dos outdoors ou temos muros e paredes cinzas e mal conservadas ou pixações. Chegou-se ao ponto de um vereador querer proibir o uso de motos para levar caronas, pois a maioria dos crimes praticados com motocicletas era praticado por duas pessoas. (Não seria mais fácil prender os bandidos?)

À despeito do tipo de som que estes adolescentes ouvem, ninguém pode julgar ninguém. Eu não gosto de funk, mas tem muita gente que também não gosta dos sons que costumo ouvir. É uma questão de gosto e ponto.

Dos Shoppings

Com o incremento na renda média do brasileiro e a consequente ascensão em massa de pessoas das classes D e E para as classes C e B que ocorreu nos últimos 20 anos no Brasil, os empreendimentos comerciais e de lazer resolveram “atravessar a ponte” para o lado de cá do rio. O problema é que, ao invés de tentarem entender o comportamento do público de periferia, estes empreendimentos vêm tentando implementar a mesma solução que existe nos bairros de classes A e B.

Não adianta fazer um shopping com música clássica como som ambiente, pois as pessoas de periferia, na sua grande maioria, ouvem samba, rap, sertanejo e funk. Este público tem comportamento diferente do público dos shoppings tradicionais e estes ambientes deveriam ser pensados exclusivamente para eles. Os mesmos “pais de família” que as administradoras de shopping alegam estar protegendo, há 10 anos atrás eram os mesmos adolescentes que hoje se reúnem nos tais “rolezinhos”.

Aliás, acho muito interessante que nenhum destes experts em mercado tenha atentado para o poder de consumo destes adolescentes. Muitos deles trabalham ou ganham mesada dos seus pais, o que os permite comprar os tais tênis de mil reais, bonés e camisetas de duzentos reais e andarem cheios de jóias. Além do potencial atual de consumo, estes lojistas estão se esquecendo que daqui cinco, dez anos, estes mesmos adolescentes serão os pais de família que irão frequentar as praças de alimentação e consumir nestes mesmos estabelecimentos.

Dos movimentos sociais e políticos e dos “experts” em comportamento humano

Aqui é um caso de tentar “capitalizar” um movimento sócio-cultural (sim, é cultural, mas está muito longe de ser político) para fomentar uma luta (de classes, de ideologias) da qual nem mesmo os participantes do movimento querem fazer parte, se é que estão cientes (como disse, eles só querem, como todo adolescente, se divertir).

Aí vêm os partidos e movimentos que tentam angariar simpatizantes entre as classes menos favorecidas pregar a eterna “luta de classes”, dizer que estes jovens veem no shopping o único lugar de lazer possível, pois não existem opções na periferia (engraçado que estes jovens elegeram os tais “templos do consumo” como opção de lazer).

Do outro lado, vêm os partidos e movimentos que tentam angariar simpatizantes entre as “elites” tentando insinuar que estas pessoas estão “invadindo” o seu território (todos os movimentos espontâneos ocorreram em shoppings de periferia) e generalizando todos estes adolescentes como bandidos (Por morarem na periferia? Por ouvirem funk? Por se vestirem espalhafatosamente?)

Da Mídia

A mídia vive de audiência. É com base na audiência que ela angaria mais anunciantes e patrocinadores e, consequentemente, mais dinheiro. É este o negócio deles. Como ficou bem claro durante as manifestações de Junho do ano passado, quando ao identificarem o apoio da maioria da população aos protestos, os órgãos de imprensa mudaram o discurso, que inicialmente classificava os atos como baderna para classificá-los como “uma linda manifestação do povo brasileiro”; a opinião deles muda conforme o “Ibope” que têm.

Então não se deve dar muita atenção ao que é veiculado, pois eles vão mostrar o que a maioria quiser ver e ouvir.

Do Estado

Como os próprios administradores de shopping alegam na tentativa de evitar os tais “rolezinhos”, o shopping é um local privado, portanto, não deveria ser o Estado (através de seu aparelho policial) o responsável por prevenir tais eventos e muito menos por zelar da segurança dos mesmos. Os próprios empreendimentos que contratem seguranças particulares, coloquem grades, proíbam menores desacompanhados… À polícia só cabe intervir em caso de algum ato ilícito estar sendo cometido.

Da mesma forma, chega a ser deprimente juízes perdendo o seu (nosso) precioso tempo para analisar pedidos e conceder liminares. Que os shoppings barrem quem quiserem barrar e, se alguém se sentir discriminado, aí sim, que procure a Justiça para exigir reparação, lembrando sempre que o ônus da prova cabe a quem acusa.

Das “Elites”

Uma das características do ser humano é tentar se diferenciar dos demais. Maslow explica isto de uma forma bem clara em sua pirâmide das necessidades humanas: satisfeitas as necessidades básicas (segurança, alimentação, sexo, etc.), outras necessidades surgem, como as necessidades sociais, de estima e de realização pessoal.

Numa sociedade capitalista, onde o dinheiro faz diferença e é medida de sucesso (antes de mais nada, não é uma crítica, é uma constatação), quem sempre se diferenciou neste quesito se sente “atacado” ao ser colocado no mesmo nível da maioria (não que foram rebaixados, os outros é que ascenderam). Daí nascem as críticas à capacidade atual de mais pessoas provenientes de baixa renda poderem viajar de avião (Vejam só, até para Miami!), terem carros importados (já vi Ferrari e Lamborghini aqui na Zona Norte de São Paulo) e estarem aptos a frequentarem e consumirem em shoppings.

É normal e totalmente compreensível, do ponto de vista do comportamento humano, o incômodo que quem sempre esteve por cima está tendo neste momento.

Conclusão

O movimento do “Rolezinho” é apenas um movimento social, que como tantos outros tende a ser efêmero. Daqui a pouco aparece outro modismo adolescente que vai despertar o interesse dos vários atores da sociedade. Estes adolescentes estão apenas procurando fazer o que todos os outros adolescentes, do mundo todo, independentemente de classe social, nível cultural e educacional fazem, que é apenas se divertir sem compromisso.

Os movimentos políticos e sociais resolveram tomar isto como bandeira para suas ideologias e seus projetos políticos, enquanto a mídia está dando uma atenção excessiva, a fim de angariar audiência. O Estado, que deveria interferir somente em casos extremos, até por ser formado por políticos, também está dando muita atenção ao fato.

Quem sempre foi “diferenciado” pelo poder aquisitivo, está se sentido perdido, pois seu ego não admite que pessoas de origem mais humilde hoje tenham acesso aos mesmos lugares, produtos e serviços que os diferenciavam, que os faziam “elite”.

Até aí tudo normal.

A única coisa que não achei normal nesta história toda foi a reação da iniciativa privada. Eles poderiam estar capitalizando em cima deste movimento, formando uma forte base de clientes (atuais e potenciais). Acho que eles precisam dar uma lida no livro “A Riqueza na Base da Pirâmide”, do professor C.K. Prahalad. Eu, se fosse um deles, já teria “oficializado” o evento, como por exemplo, agendando para um domingo por mês um “rolezinho oficial”. Aí quem não desejasse participar ou se sentisse incomodado, nem iria frequentar o shopping neste dia.

Be happy! 🙂