Arquivo mensal: julho 2022

Johnson Space Center – NASA, Houston

Wanderlust #67 – Texas (16/51)

(22/11/2019-30/11/2019)

Finalmente chegou a hora de conhecer o Texas! Claro que, por ser praticamente o maior estado dos EUA (o Alaska é maior em área, mas bem menos populoso e com partes inóspitas), tivemos que dispender mais de uma semana para podermos conhecer ao menos as principais cidades. E por isto também o texto ficará grande.

Dia 1 – Dallas

Como havíamos planejado apenas um dia completo em cada uma das cidades, voamos na noite anterior (dia 21/11/2019) até Dallas para podermos acordar cedo e aproveitar o dia todo. Assim que saímos do hotel a caminho do centro passamos pelo Reverchon Park e logo encontramos a Katy Trail, uma antiga linha de trem que após ser desativada foi transformada em um parque linear. Katy é a pronúncia de K-T (Kentucky-Texas), como o trecho era conhecido.

Com o tempo melhorando (estava garoando quando saímos), caminhamos até downtown, cujas principais atrações são a Thanks-Giving Square e a Giant eyeball. Uma outra atração local é a Dealey Plaza, que foi palco do assassinato de John F. Kennedy. Tem até um tour com o tema, mas preferimos pular. Muito mórbido.

Tirando estas “atrações”, downtown não tem lá muitos pontos turísticos. Então caminhamos até o Dallas Farm Market, que além da “feira-livre” conta com uma praça de alimentação e várias lojinhas de bugigangas. De lá fomos caminhando até a melhor surpresa de Dallas, Deep Ellum: uma região cheia de bares, restaurantes, lojas de tatuagem, galerias, tudo isto decorado por vários murais com grafites.

Em Deep Ellum e já debaixo de um baita sol, paramos primeiro na Braindead Brewing, que além de cervejas muito boas tem um flight de bacon! Deep Ellum me “ganhou” nesta hora. De lá fomos até a Deep Ellum Brewing Company, uma cervejaria com um ótimo espaço aberto onde estava rolando uma banda de country texano raiz (uma mistura do country tradicional com música mexicana, a famosa “música tejana”). Na sequência ainda passamos na fraquíssima Westlake Brewing Company.

Já na região do hotel, para onde voltamos no começo da noite, tivemos a segunda melhor surpresa de Dallas: o Ferris Wheelers Backyard and BBQ onde comemos um delicioso churrasco Texano, com direito a pulled pork e brisket, com mac and cheese, potato salad e quiabo de acompanhamento.

Dia 2 – Dallas – Austin

No Segundo dia, depois de pegarmos a “barca” na locadora (se soubéssemos que iriam dar um carro tão grande nem reservaríamos hotel!), passamos no Bishop Arts District, um bairro um tanto afastado do centro que conta com galerias de arte, bares, cafés, restaurantes. Muito charmoso. No final ficou aquela sensação de que talvez poderíamos ter ficado um dia a mais na cidade para aproveitar tanto o Bishop quanto algum dos bares às margens da Katy Trail.

Mas fomos então pegar as cerca de 3 horas de estrada até Austin, para novamente termos gratas surpresas (parei de contar). A primeira, no meio do caminho, é a rede Whataburger, que tem os melhores hamburgueres que eu já comi nos EUA em redes de fast-food. Outra grata surpresa, a maior do estado, é Austin em si. Cosmopolita, jovial, alegre. Cidade em que eu moraria.  

Depois de fazermos o check-in fomos dar uma volta em Austin’s East Side, que ficava perto do hotel. A região vem sendo revitalizada atualmente, com prédios residenciais modernos, bares, restaurantes. Estava até rolando um Flea Market (era domingo). De lá pegamos um Lyft e fomos até uma área isolada da cidade, meio industrial, onde tinham algumas cervejarias. Paramos primeiro na 4th Tap Brewing, que tem umas cervejas bem interessantes. Já no final da tarde, quase anoitecendo, fomos até a Oskar Blues, uma cervejaria já famosinha nos EUA, que é bem grande a conta com uma enorme área externa.

Dia 3 – Austin

Na segunda de manhã fomos explorar a cidade. Primeiro passamos no capitólio do Texas, que fica dentro de um belo parque. O prédio, apesar de ter a mesma forma dos capitólios de outros estados, é muito bonito.

De lá demos uma bela caminhada até o Market District, uma das várias áreas da cidade com atrações como bares, restaurantes e galerias. Praticamente colado fica uma outra área destas: Warehouse District. E colado no Warehouse District, fica a 2nd Street District, ao longo da 2nd Street, que é um calçadão com pouco movimento de carros. A 2nd Street é também conhecida como Rua Willie Nelson. Todos estes distritos têm suas particularidades, mas a ideia é a mesma: bares, restaurantes, lojas, tudo colados uns dos outros.

Aproveitamos que a 2nd Street fica do lado do Rio Colorado e fomos dar uma olhada. Dos dois lados do rio tem trilhas para caminhada e pedalada. Mas só olhamos mesmo e fomos até outro distrito de entretenimento, o Convention Center District, que é mais “urbano”, com mais escritórios, mas que ainda conta com bares e restaurantes. Todos estes distritos são colados uns nos outros, como se formassem um “arquipélago” de entertainment districts.

De lá andamos até a Rainey Street, um outro distrito de entretenimento, a uns 10 minutos de caminhada do Convention Center. Ele é também o distrito boêmio mais antigo da cidade. Tem bons bares e restaurantes, a maioria deles montados em antigas casas de madeiras que lembram bangalôs. Bem charmoso.

Aproveitamos que era início da tarde para abrir os trabalhos e darmos uma forrada no Banger’s Sausage House & Beer Garden. Não é uma cervejaria, mas conta com diversas opções de cervejas artesanais locais, além de ótimos petiscos, como as salsichas da casa (o bar tem temática Alemã).

Mas não acabou ainda! A caminho de outro distrito de entretenimento, passamos pelo 6th Street Entertainment District, uma rua com vários bares com música ao vivo. Na mesma 6th, mas do lado leste da cidade, passando a Freeway que corta Austin de Norte a Sul, existe outro distrito de entretenimento, este mais moderninho, revitalizado como o Austin’s East Side, que fica próximo.

Lá paramos então na Lazarus Brewing, que conta com uma ótima área aberta, mas com umas cervejas bem mais ou menos. Tinha um monte de gente lá trabalhando enquanto tomava cerveja (segundou!).

Já tínhamos combinado de comer no Stagger Lee, outro beer garden na Rainey, cujo BBQ é servido pela Do-Rite BBQ. No caminho até o Stagger Lee achamos outra grata surpresa: a Central District Brewing, que por ser muito nova, nem havíamos colocado nos planos. Ótimas cervejas! Tão boas que voltaríamos em 2021 enquanto passamos pela cidade numa road-trip da costa leste até a costa oeste dos EUA (daqui uns 10 anos este post sai!).

Quando havíamos passado na área antiga da 6th street, no final da tarde, a gente combinou de voltarmos para conhecer algum dos bares com música Country ao vivo. Demos uma volta e acabamos parando no San Jac Saloon , que tem até aquelas portinhas que parecem janelas e que a gente vê em filmes de cowboy.

Dia 4 – Austin – San Antonio

Antes de pegarmos a estrada para San Antonio, tentamos dar uma passada na HOPE Outdoor Gallery, uma área que seria cheia de grafites. Porém, acabamos descobrindo que o terreno onde ela ficava foi adquirido e a galeria foi fechada. A prefeitura cedeu um outro local para ela ser refeita, porém ainda estavam montando.

Já em San Antonio, após fazermos o check-in, fomos dar uma volta na cidade, que é histórica e turística. Nela ocorreu a batalha do Alamo, que foi o marco da independência do Texas, que até então era parte do México (depois de ter sido colônia Espanhola e Francesa). Passamos pelo centro da cidade e fizemos uma bela caminhada até o Historic Market Square, meio que um shopping a céu aberto, focado em culinária e artesanato Tex-Mex.

De lá fomos até a Alamo Beer Company, uma enorme cervejaria que fica embaixo da Hays Street Bridge, um viaduto antigo por onde passavam linhas de trem e que hoje é uma passarela de pedestres / parque linear. De lá se tem uma ótima vista do skyline de San Antonio, especialmente durante o pôr-do-sol.

Já no início da noite fomos dar uma volta no River Walk, bem no centro histórico da cidade. O River Walk é um parque que foi construído em um canal artificial que começa e termina no Rio San Antonio, formando um quadrilátero. A ideia era o canal ser usado como dispositivo de escoamento do Rio em caso de enchentes e foi idealizado na década de 20, depois de uma cheia que matou dezenas de pessoas. O arquiteto responsável sugeriu então que se montasse um “calçadão” com várias atrações à beira deste canal, que viria a ser o River Walk. Demos uma volta por ali e paramos no Ritas On The Riverwalk para jantar.

Dia 5 – San Antonio

Depois de tomarmos café da manhã no Schilo’s , um Dinner que nasceu com influência alemã, mas que atualmente serve de tudo, fomos conhecer as famosas Missões de San Antonio.

As missões eram como “postos de apoio” que a igreja católica montava para servir de base no seu projeto de evangelização dos nativos norte-americanos. Eram vilazinhas cercadas (para se proteger de ataques), e contavam com prédios administrativos, religiosos (obviamente), algumas instalações para prover hospedagem, estábulos, etc.

Existem muitas delas na Califórnia também, como a de San Luis Obispo, que deu origem à cidade de mesmo nome. As de San Antonio são tombadas pela UNESCO. Passamos em quatro delas e não me lembro agora porque não passamos pela quinta (Mission San Antonio): Mission Espada (a mais antiga e praticamente toda em ruinas), Mission San Juan (um pouco mais nova, um pouco maior e com estruturas mais conservadas), Mission de San José (a maior e mais organizada, onde fica inclusive o tourist center das missões) e finalmente Mission Concepción (basicamente apenas uma igreja).

Depois de deixarmos o carro no hotel, fomos então visitar o Alamo, que como já explicado, é um marco histórico e onde pudemos aprender um pouco da história do estado e consequentemente dos EUA.

Depois do Alamo, fomos dar mais uma volta no River Walk e passamos pela La Villita Historic Arts Village, um “shopping” a céu aberto, que conta com algumas lojas de “artesanias”. Caminhamos então a uma região mais afastada para conhecermos algumas outras cervejarias.

A primeira delas foi a Blue Star Brewing Company, que fica num centrinho comercial mais descolado, com um café, loja de bicicleta, floricultura. De lá fomos então à Künstler Brewing, cervejaria focada em receitas alemãs, que tinha umas brejas muito boas.

Pra finalizar a passagem em San Antonio, claro que fomos jantar mais um tradicional BBQ texano, agora no County Line, no River Walk.

Dia 6 – San Antonio – Houston

Como quinta era o Thanksgiving, um feriado onde normalmente está tudo fechado nos EUA, nem nos preocupamos em sair muito cedo de San Antonio com destino à Houston. Nossa única preocupação era encontrarmos algum lugar para comer. Quando fomos à Virginia, quase não conseguimos encontrar um lugar aberto entre o meio-dia e umas 8 da noite.

Encontramos o Buc-ee’s, uma rede que é tipo um Graal, existente no sudeste e centro dos EUA. E como já havíamos previsto, chegamos em Houston com praticamente tudo fechado. Ainda mais porque a cidade é bem “urbana” e com poucas atrações realmente turísticas.

Mas felizmente achamos a Flying Saucer Draught Emporium, um tap room com mais de 50 torneiras que, segundo anunciado, abre 365 dias por ano. Foi a salvação para um dia que geralmente é morto.

Dia 7 – Galveston – Houston

Na sexta de manhã dirigimos cerca de 50 minutos até a cidade costeira de Galveston. Apesar de ter um centrinho com algumas atrações, a cidade é meio que um balneário na costa do Golfo do México. Então, se você não vai realmente para passar uns dias e aproveitar a praia, não tem muita atração para outro tipo de turistas, como nós. Mais tarde ficaríamos sabendo que a cidade foi palco do evento que deu origem ao Juneteenth, pois foi o último local dos EUA onde os escravos foram libertos, mais de dois anos depois da proclamação do fim da escravidão no nível federal. Em 2021 o dia 17 de Junho, dia desta libertação, se tornou feriado nacional nos EUA.

Voltando a Houston, demos mais uma volta pelo centro da cidade e realmente confirmamos que não havia muitas atrações turísticas. Então fomos fazer um tour pelas cervejarias, iniciando pela 8th Wonder Brewery, que tem um pátio gigante, com uma escultura dos Beatles também enorme. Porém achei o atendimento meio confuso.

De lá demos uma passada no Truck Yard : um misto de beer Garden, Food Court e parque de diversões, além de algumas atrações como fliperama e música ao vivo. Porém só demos uma olhada mesmo e logo fomos à True Anomaly Brewing Company, que tinha ótimas cervejas. Para finalizar o dia, fomos comer no Pappas Bar-B-Q, uma rede de fast-food de BBQ Texano muito boa.

Dia 8 – NASA – Houston

Sábado era dia de voltar para casa, mas não sem antes passarmos na principal atração de Houston, o Johnson Space Center, centro de desenvolvimento da NASA, onde também se treinam astronautas e de onde se comandam algumas das missões da agencia espacial norte-americana. Com nosso voo era no meio da tarde, não conseguimos fazer todos os passeios disponíveis, mas pelo menos conseguimos fazer os principais. Talvez devêssemos ter pulado Galveston no dia anterior e termos feito a NASA sem pressa. Mas valeu a experiência de qualquer forma.

Observações, dicas e considerações:

  • Tanto em Austin quanto em Dallas ficamos bastante impressionados com a quantidade de gente andando com cachorro. Acho que foi o local em que mais vimos pets até agora.
  • Também nos impressionou em Austin a quantidade de gatos de rua, coisa rara no restante dos EUA.
  • O Texas tem aquela imagem (ao menos para nós Brasileiros) que vemos nos filmes, com um monte de caipiras, de chapelão, andando armados. Até vimos alguns caipiras e uns poucos chapéus, mas definitivamente não vimos ninguém armado (tirando seguranças e policiais, obviamente).
  • No meio do caminho entre Austin e San Antonio vimos uma daquelas cenas típicas de filmes e desenhos: uma casa inteira sendo transportada por caminhões. Quer dizer, não estava “inteira”, já que eram dois caminhões, cada um transportando metade da casa.
  • whataburger_wonder_womanO logo do Whataburger é quase idêntico ao da Mulher Maravilha (Wonder Woman em Inglês). Mas parece ser apenas coincidência, já que a própria Whataburger, que usa este logo desde 1972, nunca reclamou com a DC (segundo o Google, o da Mulher Maravilha é de 1985). Isto até recentemente, quando a DC Comics estava planejando lançar alimentos com o tema da Mulher Maravilha.

Be happy 🙂