Wanderlust #53 – Islândia

(11/07/2018-14/07/2018)

Nunca tinha pensado em visitar a Islândia e o país nunca esteve na minha lista de destinos. Mas depois de assitir a série Sense 8 da Netflix e de ouvir alguns colegas de trabalho falando bem do destino, fizemos umas pesquisas e resolvemos conhecer. E que bela surpresa!

Chegamos em uma quarta-feira de manhã com uma baita chuva. Como o check-in do hotel seria só depois das 15:00, deixamos o carro em um estacionamento no centro de Reykjavík e fomos dar uma volta com chuva e tudo. Inicialmente chovia bastante, então tivemos que ficar debaixo de uma marquise até a chuva dar uma amansada. Na primeira oportunidade, fomos andar pela região central da cidade. Depois caminhamos até a Hallgrimskirkja, um dos pontos turísticos mais famosos da cidade. Em seguida voltamos para o centro para fazer mais uma hora até dar o tempo do check-in.

Após o check-in feito, como já tinhamos praticamente conhecido tudo o que tinhamos programado para o dia, fomos até o Icelandic Craft Bar, um bar muito charmoso, que só serve cervejas locais. Fizemos o sample e fomos assistir ao jogo entre Croácia e Inglaterra no Bjarni Fel Sports Bar. Ainda continuamos a peregrinação no The English Pub. Umas 23:00hrs, com o dia ainda claro mas caindo de sono, voltamos ao hotel para descansar.

Na quinta-feira, como já programado, fomos fazer a road trip pela parte sul da ilha. Primeiro passamos por Seljalandsfoss e Skógafoss, duas quedas d’água fantásticas. A duas são maravilhas da natureza de literalmente deixar de queixo caido. Continuando o passeio, passamos por Vik, onde paramos na Black Sand Beach, que como o nome diz, tem areia preta de origem vulcânica. Infelizmente a chuva e a neblina não nos deixaram ver a Reynisdrangar, uma formação rochosa bem no meio do mar. Seguimos a viagem, parando por alguns pontos no meio da estrada até chegar à Diamond Beach e Jökulsárlón. Jökulsárlón é um lago onde existem icebergs que se descolam do glacial ali presente e ficam boiando no proprio lago, que é ligado ao mar por um canal. A cor azulada dos grandes blocos de gelo é fantástica. Pequenos pedaços que se espalham na beira do lago e na praia são bem translúcidos, como diamantes (daí o nome da praia). Depois do lago, voltamos um pouco no caminho para nos hospedarmos no Fosshotel Nupar onde pernoitamos. Imagino que o hotel seja bastante procurado durante o inverno por quem tem a intenção de assitir a aurora boreal.

Na sexta-feira, fomos completar a viagem, agora na parte central da ilha, num circuito turístico conhecido como Golden Circle. Primeiro passamos pelo Kerið, a cratera de um vulcão extinto onde existe atualmente um lago no fundo e onde eventualmente ocorrem alguns eventos. Infelizmente estava garoando e ventando muito forte, então decidimos nem descer até o fundo. De lá seguimos para Gullfoss, uma queda d’água enorme, bem maior que as anteriores e onde, diferentemente delas, o passeio é feito somente na parte superior. Na volta paramos no Geysir, que sinceramente achei meio sem graça. De lá fomos até o Þingvellir National Park, que é simplesmente fantástico. O local era usado para reuniões dos representantes dos povos/tribos que já habitavam a ilha há alguns séculos, quando estes tinham que decidir sobre algo, e portanto é um sitio arqueológico. Além disto também é o local de junção de duas placas tectonicas, que inclusive já espremeram uma estrada que passava por ali. De volta a Reykjavík fomos conhecer o Skúli Craft Bar, também especializado em cervejas locais.

No sábado bem de manhã fomos finalmente conhecer uma das principais atrações da Islândia, a Blue Lagoon. Ela fica bem próxima ao aeroporto e por isto muita gente resolve visitá-la na chegada ou na saída, já que eles contam até com armários para guardar bagagens. Bem diferente você pegar uma “piscina” aquecida (naturalmente) com a temperatura externa próxima do zero. É interessante reservar com antecedência, pois além do acesso ser controlado pra não lotar, também é possível pegar descontos (falha nossa, deixamos para ver isto na véspera).

Voltamos ao hotel para deixar a roupa de banho e fomos dar uma volta pela shore walk, um calçadão à beira da baía da cidade. Passamos pela Harpa, um belo prédio onde acontecem concertos e fomos comer o famoso hot-dog da Bæjarins Beztu Pylsur, que é bom mas não faz juz à fama (nem tinha purê!). De repente o sol resolveu aparecer (depois de dois meses, segundo os locais). Não era aquele calor, mas ao menos já dava pra andar só de camiseta para aproveitar o calor de 15 graus.

No caminho para o Old Harbor, que conta com uma pequena vila com bares, restaurantes e lojas de souvenirs, acabamos topando com o Kolaportið Flea Market. Flea markets e mercados centrais são sempre interessantes para conhecer um pouco da cultura local. Já no porto, notamos muita gente tomando sorvete (estava 15 graus! Calor caramba!) e acabamos encontrando a sorveteria Valdís, que estava relativamente cheia e vende ótimos sorvetes. Depois fomos até a cervejaria Bryggjan Brugghús e aproveitamos para tomarmos algumas cervejas produzidas por eles no deck externo. Mais algumas voltas depois paramos no MicroBar, um bar realmente pequeno, no subsolo de um restaurante. Eles não produzem cervejas, mas contam com algumas boas opções, tanto locais quanto importadas.

Para finalizar, voltando para o hotel, lá pelas 23:30, vimos um lindo por do sol (no lugar onde na verdade o sol não se põe). Quando viramos para o outro lado, fomos presentados com um belo arco-íris. E para variar, acabamos topando com um pedaço de Berlin: uma seção do muro, como vários existentes em toda a Europa, para que ninguém nunca se esqueça deste período triste da recente história do continente e da humanidade.

Para quem nunca tinha imaginado conhecer a Islândia estamos até pensando em voltar, desta vez no inverno para tentar ver a Aurora Boreal.

Observações, dicas e considerações:

  • A primeira observação: é frio! Mesmo no ápice do verão a temperatura de dia fica abaixo dos 10 graus. Os 15 que a gente pegou foram bastante atípicos. A boa notícia é que no inverno, devido as fontes geotérmicas debaixo de praticamente toda a ilha, a temperatura não é tão baixa, ficando na média dos 2 graus, exceto no Highlands (norte da Ilha) onde a altutide é maior. E chove pra caramba. Não uma chuva forte, mas aquela chuva fina e constante. E pelo jeito eles estão muito acostumados, porque simplesmente as pessoas andam na chuva sem guarda-chuva, capa, nada. Nem cobrir os carrinhos de bebê eles cobrem. Andam como se a chuva não existisse.
  • Por falar em Highlands, se a idéia é ir até lá, precisa obrigatoriamente alugar um carro 4×4.
  • E por falar em carro, à partir de duas pessoas, ele é a opção mais barata e mais flexivel para se locomover na ilha.
  • E por falar em barato, tirando o aluguel de carro e o combustível, tudo é bem caro. Uma cerveja num bar fica na faixa dos 14 dólares. Um lanche simples, na faixa dos 10. Um jantar um pouco mais elaborado, lá pelos 25 dólares. 
  • A cerveja (e qualquer bebida alcólica) é cara pois ela é supertaxada. Como é política nos países nórdicos, a comercialização de álcool e tabaco é bastante controlada. Em supermercados só se encontra produtos com no máximo 2,5% de teor alcólico e qualquer coisa acima disto é vendida somente nas Vínbúðin, as lojas estatais (ou então em bares e restaurantes, somente para consumo no local). Estas lojas tem horários bem restritos, inclusive nem abrindo aos domingos.
  • Quase não se usa dinheiro e o plástico (na maioria aqueles cartões que só enconstam) é usado para tudo. Não vi nenhum nativo usando dinheiro, só turistas.
  • Todo mundo fala inglês fluente. Mesmo! Eventualmente até entre eles. E na TV o que mais tem são canais da Inglaterra.
  • Nos postos de gasolina encontra-se de tudo: comida, roupas, souvenirs, itens de mercado, etc. (Chupa Posto Ipiranga!)
  • Algumas outras dicas ao dirigir: a velocidade máxima é de 90 km/h, mesmo nas poucas estradas com mais de uma faixa; o farol tem que estar aceso o tempo todo, mesmo na cidade e durante o dia; nas estradas, precisa tomar cuidado com animais (especialmente carneiros) atravessando a pista; várias pontes só tem uma faixa para os dois sentidos e a preferência para passar é de quem chega primeiro à elas.
  • A vegetação e as formações rochosas me lembraram muito o Hawaii. Provavelmente por ambas as ilhas serem resultado de explosões vulcânicas, o que deve “ditar” a flora.
  • Vale a pena subir os 429 degraus para chegar ao topo de Skógafoss. Se tiver tempo, existem algumas trilhas lá em cima também.
  • Roupa impermeável é indicada para as visitas as quedas d’água (e por conta da chuva também).
  • Boozt Bar é uma rede que vende smoothies feitos com skyr, um iogurte típico do país. Recomendo provar.
  • Fiquei imaginando do porque da Groelândia, que só tem gelo, ser chamada de Greenland (terra verde), enquanto a Islândia, que tem uma flora fantástica e é toda coberta de vegetação, ser chamada de Iceland (terra do gelo). Descobri que no caso da Islândia o nome de “terra do gelo” era dado para desestimular possíveis invasores vindos do continente. Acho que o inverso deve ocorrer com a Groelândia: deram este nome para atrair pessoas.
  • Esta história do sol não se pôr deixa o organismo realmente confuso. Imagina como deve ser no inverno, quando ele praticamente não nasce.
  • O Islândes tem uma letra que tem o mesmo fonema do “th” do Inglês, Þ, mas ele parece uma mistura de T com F com P que é praticamente impronunciável pra mim. Alguns meses depois visitando a Grécia (stay tuned!) descobri que eles também tem um fonema igual (Θ, theta), só que no grego ele se pronuncia literalmente como o F, que é como os brasileiros geralmente pronunciam o “th” do inglês (“fank” you!).
  • Nesta linha etimológica, também descobri que as palavras Falls (inglês), Foz (Português) e Foss (Islandês), além de terem praticamente a mesma pronúncia, também têm um sentido parecido, de água saindo de um lugar mais alto para um mais baixo, apesar das traduções literais diferirem.
  • Agora eu descobri de onde o Douglas Adam tirou inspiração para dar nomes aos planetas no seu Guia do Mochileiro das Galáxias.

Be happy 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s