Arquivo mensal: dezembro 2018

Ernest Hemingway – The Old Man and the Sea (12/2018)

O Velho e o Mar é um curto romance do Nobel de Literatura Ernest Hemingway.  Ele conta a história de Santiago, um velho pescador de Havana que já está há quase três meses sem conseguir pegar um bom peixe, o que é associado ao azar. Porém no 84º dia ele se depara e consegue fisgar o maior peixe da sua vida (um Marlin).  À partir dai o livro descreve a luta do velho pescador com este peixe e, mais do que isto, contra toda a natureza. Mas não só a natureza externa, mas a própria natureza de envelhecer, já que a idade cobra o seu preço a Santiago, tanto física quanto psicológica e emocionalmente.

Foi o primeiro livro que eu lí do Hemingway e a primeira impressão foi muito boa. A narrativa é bem fluida e em boa parte sai da “boca” do próprio personagem (seja em forma de pensamento ou de falas propriamente). O autor usa parágrafos bem curtos e que vão direto ao ponto, sem deixar de lado um nível de detalhes impressionante. Fiquei curioso pra conhecer outras obras dele.

Be happy 🙂

Wanderlust #51 – Chicago, Illinois (10/51), Estados Unidos

(25/05/2018-28/05/2018)

Chicago Riverwalk

Aproveitamos o feriado do Memorial Day e uma promoção de passagem aérea para conhecer Chicago, que muitos dizem ser a cidade mais legal dos EUA. Confesso que meu coração, atualmente dividido entre New York e Los Angeles (novamente), ficou abalado. A começar pelo belo O’Hare International Airport, muito bem decorado com bastante luz natural e trechos com neon e grafite. Bastante alegre, como deve ser a porta de entrada de qualquer cidade. O fato de também ter um metrô que liga o Aeroporto à Zona Central (e a praticamente qualquer lugar da cidade) é um ponto a mais em relação à Los Angeles (New York neste quesito ainda é imbatível dentro dos EUA).

Após o check-in no hotel, fomos dar uma volta pela região central (downtown), também conhecida como “The Loop” pelo fato dela ficar entre um quadrilátero formado por duas linhas circulares de trem, daquelas suspensas (um looping, já que os trilhos não tem fim, parecendo um ferrorama). A região conta com bastante lojas, comércio e uma universidade, então está sempre bem movimentada. Como era a última sexta-feira do mês, estava rolando uma Critical Mass, que é um evento que ocorre em várias cidades do mundo todo, sempre na última sexta de cada mês. Neste evento, os ciclistas “tomam” as ruas da cidade, preferencialmente no horário de pico. É uma forma de “marcar” território sobre os veículos automotores.

Depois da volta no centro, com direito a um sorvete, pois estava bem quente, fomos percorrer o Chicago Riverwalk que é tipo um parque linear às margens de um dos rios da cidade. Neste “parque” existem bares, restaurantes, espaços para simplesmente sentar e relaxar e mesmo os donos de barcos apenas param na margem para curtir o clima (existe a possibilidade de alugar um barco também). Como paulistano dá uma inveja danada quando eu vejo algum rio que corta uma metrópole sendo aproveitado ao invés de ser escondido ou usado como esgoto. Fomos procurar algum lugar para beber e acabamos caindo num bar meio sem graça que até esqueci o nome. Sinal que nem valeria a pena recomendar.

No sábado acordamos cedo, tomamos café e fomos conhecer o Millennium Park e mais uma série de parques contíguos a este (North Park, South Park, North Rose Garden), que formam um belo conjunto de lazer às margens do enorme lago Michigan. Depois andamos pela margem do lago até o Navy Pier. O caminho também pode ser feito de bicicleta, já que existe uma ciclovia que percorre toda a margem. No Navy Pier existem várias atraçoes, como parque de diversões, restaurantes e bares. Interessante que dá pra beber ao ar livre na área do pier. Continuamos andando, passando pela Ohio Street Beach e pela Oak Street Beach, duas das diversas praias existentes à margem do lago.

Em seguida, com o sol já a pino, nos dirigimos até Old Town, um distrito cheio de bares, atêlies, restaurantes, etc. Demos uma parada na Old Town Pour House para acompanhar a final da Champions (infelizmente o Liverpool perdeu). Dali, já no início da noite, nos dirigimos para a Goose Island, onde a tradicional foto foi feita, excepcionalmente, com a camisa do Liverpool.

No domingo já haviamos decidido conhecer a região da Logan Square e a Milwaukee Ave, que também conta com uma série de cafés, bares, atêlies, entre outras atrações. Descemos na estação Division St da Blue Line e resolvemos caminhar pela avenida os pouco mais de 4 kilometros até a Logan Square. Não foi lá uma idéia muito boa, pois o sol estava escaldante e a avenida tinha pouca sombra. Quase desistimos durante o percurso. Ainda bem que não desistimos, pois no meio do caminho conhecemos a Bloomingdale Trail, que é um parque contínuo construido sobre uma linha de trem desativada, igualzinho ao High Line de Nova Yorque. Esta trilha liga diversos parques, na chamada Rota 606. Também passamos pelo famoso Grettings from Chicago mural. Finalmente chegamos a Logan Square, que na verdade não tem nada demais, mas ao menos estava ocorrendo uma Farm Market. Depois voltamos alguns metros pela Milwaukee Ave para tomarmos uma cerveja na Revolution Brewing. De lá, como já tinhamos conhecido tudo que haviamos planejado, terminamos a trip na
Forbidden Root Restaurant & Brewery, uma ótima cervejaria, com petiscos muito bons.

Chicago me deu a impressão de ser uma cidade muito legal, daquelas que valeria a pena morar. Só agora escrevendo este artigo eu fui perceber que ela é a cidade dos EUA (das que eu conheço) que mais se assemelha a Berlin em diversos quesitos, como arquitetura, existência de vários parques, transporte público abrangente e com uma diversidade enorme. Talvez por isto ela tenha me encantado logo de cara.

Observações, dicas e considerações:

  • Chicago é onde foi filmado o clássico Curtindo a Vida Adoidado. Aquela cena dele cantando Twist & Shout e bem no The Loop. E reassistindo agora o vídeo percebi que se tratava de uma Oktoberfest….hahaha.
  • A cidade aparenta ser bem tolerante e diversa em todos os quesitos (etnias, LGBT, imigrantes, etc.).
  • No hotel em que ficamos estava rolando uma convenção da Mapfre da Espanha, um dia subindo de elevador entraram alguns espanhois e começaram a falar. Quase puxei um “bella ciao” (estava assistindo La Casa de Papel na época….kkk).

Be happy 🙂

O’Hare International Airport

O’Hare International Airport

New East Side

The Loop

Muddy Waters by Kobra – The Loop

The Loop

Millennium Park

Millennium Park

Buckingham Fountain

Lake Michigan

Navy Pier

Lake Michigan

Ohio Street Beach

Old Town

Lincoln Park South Fields

Bloomingdale Trail

Critical Mass – Philip Ball (11/2018)

Critical Mass é um livro que tenta trazer ao público os conceitos da econofísica, um campo de estudo bem recente, ainda em desenvolvimento, que busca analisar a economia (um fenômeno comportamental e social, “a mais científica das ciências sociais”) através de teorias e métodos desenvolvidos para a física (o livro Why Information Grows, do César Hidalgo, é um ótimo exemplo deste campo). O livro tem 19 capítulos e mais um epílogo, que podem ser divididos em quatro partes principais.

Nos capítulos de um a quatro, Philip Ball, o autor, faz uma breve introdução sobre alguns conceitos necessários para os demais capítulos. O primeiro capítulo traz conceitos de sociologia e economia, principalmente baseados nas teorias de Thomas Hobbes e na sua obra-prima O Leviatã. Além de Hobbes, muitas das idéias de Adam Smith (e sua “mão invisível do mercado“), Karl Marx, John Locke, entre outros, são mencionadas. No decorrer do livro, outros teóricos, como Friedrich Hayek, John Maynard Keynes e Karl Popper também são também trazidos à tona.

No segundo e quarto capítulos, princípios de física, como a transição de fases entre estados da matéria, são ligeiramente explicados. E no terceiro capítulo, uma breve introdução à história da Estatística (“a ciência dos grandes números”) que ajudará bastante a compreender os capítulos seguintes é feita.

Com esta “base” estabelecida, inicia-se uma serie de capítulos onde casos especificos (dinâmica de tráfego de pedestres, mercado, colaboração, teoria dos jogos, etc.) são analisados sob a ótica destas ferramentas: a estatística analisando os dados para explicar a teorias sociais e econômicas e comparando com teorias observadas na física. É um livro bem denso e alguns trechos eu tive que reler várias vezes para poder entender, mas vale a pena o “esforço” pois traz muitos conceitos interessantes e muita informação acerca dos três temas principais (física, estatística e economia).

Be happy 🙂