Arquivo mensal: novembro 2017

Wanderlust #42 – Porto, Aveiro e Vila Nova de Gaia – Portugal (Parte I)

(23/Jun/2017-27/Jun/2017)

Cais da Ribeira – Porto

Chegamos no Porto propositalmente no dia da Festa de São João. A festa é o maior evento da cidade, atraindo mais de um milhão de pessoas de todo o mundo. Já no aeroporto havia uma recepção de organizadores da festa distribuindo os tradicionais martelinhos (explico abaixo) e o calendário das atrações, que contava com vários shows na Avenida dos Aliados e a tradicional queima de fogos no Cais da Ribeira (as barcas com os fogos ficam no Rio Douro). Este ano os balões foram proibidos devido ao tempo seco e a onda de calor, que haviam causado uma tragédia em Pedrógão Grande poucos dias antes.

Dia 1
Após chegarmos na cidade, numa sexta-feira, demos uma rápida volta na região do hotel Mira D’Aire, onde haviamos nos hospedado (ótimo, por sinal), comemos algo e fomos em direção ao Cais da Ribeira para acompanhar a festividade. Não vou dizer que gostei. Ao menos não do “evento principal” (a queima de fogos): tem que chegar cedo, lota demais, não tem banheiro e para “ajudar” ainda houve um atraso de quase meia hora na queima de fogos. Pelo que já me falaram do réveillon em New York, é meio que a mesma roubada (quer dizer, se colocar o frio, provavelmente NY é até pior). Talvez os “eventos paralelos” sejam mais interessantes.

Dia 2
No sábado começou realmente o passeio pela cidade. Saímos da freguesia (equivalente aos bairros brasileiros) da Cedofeita, e fomos em direção à Praça dos Leões, onde fica a Universidade do Porto e a bela Igreja do Carmo, cuja lateral é coberta por aqueles tradicionais azulejos desenhados em azul (será que dai vem a palavra azulejo?) e branco. Passamos pelo Jardim da Cordoária, pela Torre dos Clérigos, a Praça de Lisboa e depois fomos em direção à Avenida dos Aliados.

Depois fomos até a estação de trem São Bento para comprarmos as passagens para  Aveiro. A estação também é toda revestida com belas imagens feitas com os famosos azulejos. Vale perder um tempo admirando os detalhes das paredes e do teto. Na sequencia, subimos até a Sé do Porto, de onde se tem uma bela vista da cidade (e de Vila Nova de Gaia). E claro, do Rio Douro, que separa as duas cidades. E aqui vale um comentário: a paisagem do Rio Douro é uma das mais belas que eu já tive a oportunidade de ver.

Cruzamos o Douro pela parte superior da Ponte Luís I, que junto com o próprio rio e as duas cidades vizinhas, formam uma das paisagens mais icônicas da Europa. Já do lado de Vila Nova de Gaia, caminhamos pela beira do rio e podemos ter uma ótima visão da cidade do Porto (será que rola a mesma “provocação” que rola em relação à Niterói e o Rio?).

Voltamos para o Porto pela parte inferior da Ponte Luís I e fomos caminhar pelo cais da Ribeira, desta vez sem toda a muvuca da noite anterior. A região é cheia de restaurantes, bares e lojinhas de souvenirs. A arquitetura da região é muito interessante e lembra muito algumas cidades portuárias brasileiras, como o próprio Rio de Janeiro e Santos. Andamos mais um pouco pela área central e fomos relaxar na Cervejaria do Carmo. Ainda andamos mais um pouco pela cidade à noite e depois fomos descansar.

Dia 3
No domingo fomos até Aveiro, em um gostoso passeio de trem. A cidade é conhecida como a Veneza Portuguesa por conta dos canais e das “gôndolas”. Achei meio tosca esta historia das gôndolas (motorizadas) subindo e descendo o canal principal. Mas fora isto a cidade (que é bem pequena) é bastante charmosa. Como era domingo estava ocorrendo um “mercado de pulgas” na área central. Demos uma volta no local, experimentamos o famoso doce de ovos e depois acabamos encontrando o ótimo Zeca Aveiro, um pequeno bar / café, com um atendimento muito bom e algumas cervejas artesanais produzidas na cidade. Petiscamos um pouco e fomos dar uma volta pela área antiga da cidade, do outro lado do canal. A cidade era uma vila de pescadores e a principal rua desta área da cidade (um calçadão fechado para carros) é toda decorada com redes de pesca. Por ser domingo, a maioria do comércio local estava fechado.

Na volta ao Porto fomos direto à Letraria,  o bar / Biergarten  da cervejaria A Letra.  O Bar inicialmente dá a impressão de ser apenas um pequeno estabelecimento, mas ai você desce uma escada e se depara com um belo e grande jardim, com algumas árvores frutíferas. Um dos bares mais agradáveis que já fui na minha vida (sério!). Altamente recomendado. Ao sair de lá resolvemos procurar algum lugar para comer e acabamos encontrando a ótima Casa do Carmo. Pelo site parece ser um lugar mais fancy, mas é só a aparência mesmo. Os petiscos são ótimos e muito baratos. Pedimos os Rojões, as Punhetas e as Moelas. Tudo muito bem feito e delicioso. Na volta ao hotel ainda acabamos cruzando com um DJ tocando forró na Praça de Carlos Alberto. Pena que já estávamos cansados e não conseguimos ficar por muito tempo.

Dia 4
Na segunda-feira era o dia de visitar os primos da Lu (e agora meus também!) no Porto, então fizemos uma programação pensando em metade do dia. Inicialmente fomos (na verdade eu fui) até a Livraria Lello, que é considerada uma das mais belas do mundo. Em seguida fomos fazer o tour por uma das caves que produzem o famoso Vinho do Porto (uma invenção Inglesa, que é produzida no vale do Rio Douro e envelhecida em Vila Nova de Gaia!). Acabamos escolhendo a Calém porque era a mais conveniente para nós. Não creio que haja muitas diferenças entre elas, tanto em questão de preço como de atrativos. Pra quem não é um conhecedor/apreciador do Vinho do Porto qualquer uma vai servir ao propósito de conhecer a história, entender o processo de produção e tomar os samples. Mesmo para adquirir os vinhos não precisa passar pela visita e pode-se ir direto para a loja que cada uma das caves possuí.

Depois demos uma parada num pequeno restaurante do lado da cave para tomar um caldo verde antes de irmos visitar os primos!

No outro dia, antes de nos dirigirmos ate a estação de Campanha para tomarmos o trem para Lisboa ainda deu tempo de passar, pela segunda vez, na Confeitaria da Lapa. Uma confeitaria nova, mas que foi criada nos moldes das tradicionais confeitarias Portuguesas, que por sua vez inspiraram as padarias brasileiras. Ótimas opções de comida e um ótimo de atendimento. Fica a dica para quem se hospedar no hotel ou na região. Tinha até coxinha!

Observações, dicas e considerações:

  • O sistema de transporte público do Porto, muito baseado em VLT/Tram, é muito eficiente e dá pra se virar muito bem na cidade com ele. E funciona 24 horas durante os fins de semana (só em São Paulo que “não é tecnicamente possível!”).
  • Para os Portugueses os Brasileiros falam outra língua: o Brasileiro. Concordo com eles!
  • Assim acontece com com cariocas, os Portugueses se cumprimentam com dois beijos.
  • Uma das tradições do São João é um martelinho (igual aqueles do Chapolim). Segundo a lenda, dar “marteladas” na cabeça dos outros (inclusive e principalmente desconhecidos) é uma maneira de dar sorte. Chega uma hora que enche o saco estas marteladas. Mas ainda é menos chato do que o alho (a planta toda, que tem quase uns 2 metros de comprimento): o pessoal esfrega no seu nariz (imagino o sofrimento pra quem tem rinite) com o mesmo objetivo de te desejar/dar sorte.
  • Uma das coisas que achei interessante em Portugal (mas que é mais visível na região do Porto) é a inexistência de terrenos baldios: tudo quanto é terreno sem construção (como por exemplo terrenos ao lado de linhas de trem, ou debaixo de torres de transmissão de energia elétrica, que não podem ter construções) vira uma plantação. Geralmente uma horta ou plantação de milho. Podiam fazer isto no Brasil criando hortas coletivas, por exemplo.
  • Estão dando uma destinação interessante para os telefones públicos no Porto: a companhia telefônica está transformando os “orelhões” em pontos de Wi-Fi. Muito boa idéia!
  • Os custos em Portugal são muito baixos, inclusive quando comparado com o Brasil, mesmo convertendo. No Porto é mais barato ainda do que Lisboa. Só pra ter uma idéia, no café da manhã a gente geralmente pedia duas tostas mistas (misto quente), dois cafés, algum doce (geralmente pão doce) e uma água e sempre dava em torno de  4 euros. Um café da manhã destes na maioria das padarias de São Paulo (as de bairro mesmo) não deve sair por menos do que 20 reais.
  • Em Portugal normalmente se dá gorjeta: basta calcular uns 10% e deixar na mesa antes de ir embora (após o garçon trazer o troco). Arrendonde para cima em intervalos de 50 centavos (se deu 45 centavos, arredonde para 50, se deu 90 centavos, arredonde para 1 euro, se deu 1,25 euros, arredonde para 1,50, etc).
  • Fiquei triste durante a visita à Livraria Lello. Como o negócio de livrarias já não vai muito bem no mundo todo, eles começaram a cobrar uma entrada de 4 euros (e agora eles permitem fotografias no interior da loja). Só que esta entrada pode ser usada com desconto na compra de livros (e somente livros). Eu, como um aficcionado por livros, não consigo entrar numa livraria e não comprar um livro (mesmo sem desconto nenhum!). Mas percebi que nem com o incentivo do desconto as pessoas compravam. Tinha gente que chegava no caixa com algum outro item (uma camiseta por exemplo) e ao ser informado que o “bonus” só valia para livros, simplesmente preferia “perder” os 4 euros a adquirir qualquer uma das diversas obras disponíveis (e nos mais diversos idiomas!). Triste, muito triste!

Be happy 🙂

Festa de São João – Cais da Ribeira – Porto

Universidade do Porto – Porto

Avenida dos Aliados – Porto

São Bento – Porto

São Bento – Porto

Sé do Porto – Porto

Porto

Rio Douro – Porto

Rio Douro – Vila Nova de Gaia

Rio Douro – Vila Nova de Gaia

Cais da Ribeira – Porto

Cais da Ribeira – Porto

Igreja do Carmo – Porto

Estação de Aveiro – Aveiro

Largo da Praça do Peixe – Aveiro

Aveiro – Portugal

Aveiro – Portugal

Forró na Praça de Carlos Alberto – Porto

Livraria Lello – Porto

Sample flight de Vinho do Porto também vale! – Calem – Vila Nova de Gaia

Hotel Mira D’Aire – Porto

Ponte Luís I – Vila Nova de Gaia

 

Wanderlust #41 – Bélgica

(17/Jun/2017-23/Jun/2017)

Palais de Bruxelles – Brussels

Quando estávamos planejando a visita à Bélgica percebemos que, pelo fato do país ser pequeno e Bruxelas ficar bem na parte central do país, as cidades que haviamos decidido conhecer ficavam todas a cerca de uma hora da capital. Resolvemos então ficar hospedados em Bruxelas e fazermos day-trips para as demais cidades, para evitar o faz check-out as 10 da manha, vai pra outra cidade, faz check-in as 3 da tarde e ai praticamente perdeu o dia.

Dia 1
Chegamos em Bruxelas por volta das três da tarde do sábado e, depois de subir seis andares com malas, pois o elevador do hotel estava quebrado, fomos dar uma volta atrás de uma das melhores atrações da Bélgica: as cervejas! Paramos logo de cara no Le Poechenellekelder para descansar e iniciar as degustações. A cervejaria conta com uma área aberta bem em frente a uma das principais atrações da cidade, que também é uma das mais decepcionantes: o Manneken-Pis. Além de ótimas cervejas, é bom para ver o movimento.

Depois de algumas garrafas, fomos dar uma volta em direção à Grand Place, que é uma das praças centrais mais bonitas que já conheci. Depois de jantarmos (e claro, tomarmos mais algumas cervejas), fomos descansar pois no domingo iriamos para Bruges.

Dia 2
Pegamos o trem logo no domingo de manhã e fomos em direção a Bruges, uma cidade medieval cercada por canais, lembrando uma versão miniatura de Amsterdã ou Hamburgo. As construções de pedra, as ruas estreitas, a praça central, as catedrais, enfim, tudo na cidade, dão um charme interessante para ela. Ficamos andando pela cidade sem rumo por umas cinco horas e depois paramos na área externa da Brewery Bourgogne des Flandres, à beira de um dos canais.

Na volta a Bruxelas paramos na Moeder Lambic, que ficava do lado do hotel, para fechar o dia (já falei que cerveja é um dos atrativos da Bélgica).

Dia 3
Na segunda fomos começar a conhecer Bruxelas, passando primeiro pela Place de la Monnaie, que fica muito próximo à Grand Place, depois passamos pela Les Galeries Royales Saint-Hubert, um “shopping” muito bonito, pela Cathédrale des Sts Michel et Gudule e saimos andando pela parte norte da cidade. Depois de umas duas horas andando, chegamos a Place Charles Rogier e notamos que haviamos andado em círculo e chegado ao ponto de partida (mas a intenção era andar a esmo mesmo, pois é a melhor forma de conhecer lugares novos).

Subimos em direção ao Palais de Bruxelles, passando pelo Parc de Bruxelles. O Palais de Bruxelles é a residência oficial da família real Belga. Existe até a possibilidade de uma visita guiada por dentro do palácio. Seguimos pela Rue de la Régence, onde se encontram diversos palácios e praças. Destaque para as praças Petit Sablon e Grand Sablon. Ao final da Rue de la Régence se encontra o Monument A la Gloire de l’Infanterie Belge, de onde se tem uma vista boa da cidade. Dá até para ver o Atomium de lá!

Na volta paramos na À la Mort Subite, uma ótima e tradicional (e cara) cervejaria Belga, muito famosa por suas fruit lambic (que mais lembram um cooler ou um frisante), mas gostei mais da Gueuze deles. Depois fomos até a Brasserie du Lombard antes de voltarmos para o hotel.

Dia 4
Na terça era dia de conhecer Gent e levantamos cedo para tomar o trem até a cidade. Diferentemente de Bruges, Gent já é uma cidade maior, com avenidas largas, mais urbanizada, com movimento, muito por conta da Universidade de Gent, que atrai muita gente de toda a Europa (e até de outros continentes) para a cidade. A beleza da cidade já começa na estação de trem. Passa pelo Citadel Park, mas é na região central, com suas igrejas e praças que ela fica em evidência. Um dos lugares que mais achamos interessantes foi o Holy Food Market, uma “praça de alimentação” montado numa antiga biblioteca, que por sua vez havia ocupado o lugar de uma igreja. Pena que estava muito cedo e a maioria dos “quiosques” estavam fechados. Continuamos andando pela cidade por mais algumas horas e depois voltamos até Bruxelas.

Já em Bruxelas, paramos primeiramente na área externa do Rooster’s, e pudemos observar o movimento local em um dia de semana. Depois fomos nos decepcionar no Delirium Café (veja mais abaixo). Em seguida fomos novamente na Brasserie du Lombard para finalizar o dia. Enquanto estávamos lá, começou um movimento de policiais, exército, ambulância. Mais tarde ficamos sabendo que havia ocorrido uma tentativa de atentado terrorista de um extremista islâmico na estação central de Bruxelas, a uns 500 metros de onde estávamos.

Dia 5
Quarta era o dia reservado para conhecer Antuérpia. A população da cidade é maior que de Bruxelas (mais que o dobro) e apenas um bate e volta acabou deixando aquela sensação de que foi pouco. As surpresas da cidade já começam na fantástica estação central de Antuérpia, que é a mais bonita que eu vi até hoje. O centro da cidade, que é um polo comercial e financeiro do país, tem toda aquela mistura de prédios históricos e modernos edifícios que dão charmes à cidades como São Paulo e Nova Iorque. Como as demais cidades que visitamos, Antuérpia também conta com uma praça central que, em épocas remotas, era onde a vida acontecia (são conhecidas como mercados, pois eram onde as pessoas iam realizar os escambos). A de Antuérpia chega a ser até maior que a de Bruxelas e com as mesmas belezas. Aconselho a andar olhando para o alto para ver os detalhes no topo dos prédios.

Andamos para caramba por lá, mas não chegamos a conhecer nem metade da cidade. Mas é uma daquelas que entraram na lista para uma possível segunda visita. Depois do cansativo passeio, voltamos ao Rooster’s para um happy hour e depois fomos descansar.

Dia 6
Quinta feira fomos conhecer o restante de Bruxelas que haviamos planejado conhecer (antes de chegar e já na cidade). Andamos da Place Fontainas, onde ficava o nosso hotel, até o Parc Léopold, numa bela caminhada. No caminho ficam vários prédios da administração da Comunidade Européia e no próprio parque fica o parlamento Europeu. Depois caminhamos mais um pouco até (e pelo) Parc du Cinquantenaire. Para quem gosta de carros, no parque fica a Autoworld, uma exposição permanente sobre a indústria automotiva.

De lá pegamos o metrô até o Atomium, que na verdade é outra atração meio que sem graça, mas que sobrando tempo vale “riscar da lista”. O Parc d’Osseghem Laeken, que fica ao lado do Atomium é, aliás, bem mais interessante que a própria atração. Pegamos o metrô de volta e fomos encerrar o ciclo tomando mais algumas novamente na Poechenellekelder. Antes de voltarmos ao hotel, resolvemos enfim experimentar o famoso Waffle Belga (com sorvete, claro!). E ainda demos mais uma volta na Grand-Place, desta vez ao cair da noite, para admirar a bela praça iluminada.

Observações, dicas e considerações:

  • Em Bruxelas e Antuérpia tem Wi-Fi publico por quase toda a cidade. Quando não tem (e em Gent e Bruges), bares e restaurantes quebram um galho. Portanto, não há necessidade de comprar um chip.
  • Curiosidade que me bateu na viagem: como eles fazem quanto ao idioma nas escolas? Segundo pude pesquisar, as escolas são organizadas pelas comunidades, então cada comunidade decide qual será o idioma, que vai refletir a lingua falada naquela comunidade: o Francês, o Flemish (a variação belga do Holandês) ou o Alemão (não sabia que o Alemão era forte na Bélgica). Em locais como Bruxelas (que são oficialmente bilingues), normalmente encontram-se opções de escolas em Francês e em Flemish. Geralmente estas escolas oferecem, além do Inglês, as demais línguas como opção de “língua estrangeira” a ser estudada depois do ciclo básico.
  • Na Bégica fuma-se em praticamente qualquer lugar aberto, inclusive áreas externas de restaurantes. E fica a dica: quer identificar um brasileiro, é só ver o “nariz torcido” quando alguém acende um cigarro numa área liberada para fumantes. O povo que reclama de tudo!
  • A maior decepção da viagem foi com certeza a Delirium: estava esperando tomar aquela bela Witbier, mas ai o cara pega um copo usado, dá aquela xuxada numa pia com detergente, outra xuxada pra “enxaguar” numa outra pia com água (e resto de cerveja e detergente) e serve a cerveja naquele copo mesmo. Ou seja, a espuma da minha Wit era mais de detergente do que da carbonatação. Quanto mais o bar fica cheio pior é a higiene.
  • Interessante (e assustador) a forma como as pessoas se acostumam com coisas que não deveriam. No episódio do atentado, as pessoas que estavam no bar checaram o celular, viram o que tinha ocorrido, e continuaram com sua vida, como se um atentado terrorista fosse a coisa mais natural do mundo.
  • É tanta opção de marcas e estilos de cerveja que dá a impressao que a única coisa que o pequeno país se dedica a fazer é cerveja!
  • Os Belgas são um povo muito educado, simpatico e prestativo.
  • Acabei descobrindo lá que os Cartoons são uma arte muito popular na Bélgica (sabia que o Tintin era uma criação belga, mas não sabia sobre os Smurfs e o Asterix). Isto também se reflete na street art, com muitos grafites remetendo à cartoons clássicos.

Be happy 🙂

Bruges

Bruges

Brewery Bourgogne des Flandres – Bruges

Brussels

Place du Petit Sablon – Brussels

Brussels

À la Mort Subite – Brussels

Citadel Park – Gent

Korenmarkt – Gent

Holy Food Market – Gent

Sint-Baafskathedraal – Gent

Brussels – capital do Cartoon?

Délirium Café – Brussels – que decepcão!

Antwerpen-Centraal

Antwerpen

Grote Markt – Antwerpen

Grote Markt – Antwerpen

Antwerpen-Centraal

Parlement Européen – Brussels

Parlement Européen – Brussels – Parece que Berlin me persegue!!!…hehehe

Parc du Cinquantenaire – Brussels

Atomium – Brussels

Atomium – Brussels

Poechenellekelder – Brussels

Manneken Pis – Brussels

Grand-Place – Brussels

Tempo Perdido – #tbt

Originalmente publicado na Feedback Magazine, em 23 de Dezembro de 2013. As opniões do texto não refletem, necessariamente, a minha opnião atual, já que eu sou um ser em constante evolução e que prefere “ser esta metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opnião formada sobre tudo”.


No meu primeiro artigo na Feedback Magazine, tentei mostrar, sobre o ponto de vista econômico, a importância de programas sociais de inclusão das camadas mais pobres da população no chamado mercado de consumo. Um ponto que eu não citei no artigo é que, assim como o programa de microcrédito na Índia, que permitiu que a economia nas camadas mais baixas fosse “turbinada” até que o país realizasse os investimentos de longo prazo necessários, o Bolsa Família deveria ser uma solução emergencial e temporária, pelos motivos já citados no artigo anterior.

Para que o Brasil se torne uma nação capaz de se desenvolver de maneira sustentável e de longo prazo, a ponto de não depender tanto de programas sociais do tipo e de uma maneira que não fique tão vulnerável à crises internacionais, entre tantos problemas a serem solucionados, existem dois que são os mais urgentes: infraestrutura e educação.

O problema da infraestrutura, mesmo à passos de tartaruga, está sendo tratado no Brasil e, de uma forma ou de outra, também pode ser contornado no curto prazo.

É no segundo, a educação, que mora um dos calcanhares de aquiles do Brasil. Não quero entrar no velho discurso de que uma nação sem educação escolhe mal seus líderes, porque isto é uma meia verdade, já que existem nações com qualidade educacional bem superior a nossa e que também escolhem mal seus líderes (está aí a Itália, ou mesmo a Argentina, para não me deixar mentir); porém, quero me ater à como isto afeta o desenvolvimento do país.

Nas últimas duas décadas, o governo brasileiro se “esforçou” para implementar programas para incentivar a educação superior e técnica, como o FIES e o ProUNI, além de ter aumentado o número de vagas em universidades públicas e escolas técnicas. Devido a estes esforços, tivemos um aumento considerável no número de cidadãos possuidores de diploma de nível superior. O que deveria ser comemorado pela sociedade acabou virando mais um motivo de preocupação, já que este aumento de pessoas com ensino superior foi somente numérico, e não refletiu no aumento da capacidade intelectual e de agregação de valor à produção, que é o que gera riqueza para as nações.

Quando uma empresa, ou mesmo o governo (o principal motivo do atraso das obras de infraestrutura do PAC é a falta de gente capacitada a gerenciar os projetos), tenta contratar algum profissional para exercer um trabalho que exige qualificação, apesar de encontrar no mercado vários candidatos que, por possuirem diploma de nível superior, teoricamente estariam aptos a realizar este trabalho, esbarram na falta de preparo em algumas áreas que deveriam ser pré-requisitos para o acesso à universidade.

São candidatos que não conseguem compreender um texto simples e, da mesma maneira, não conseguem se comunicar de maneira clara e concisa. Também faltam à estes candidatos capacidade de raciocínio lógico e analítico.

Isto gera um efeito negativo na economia, pois uma empresa, ao analisar vários mercados, afim de expandir (ou mesmo manter) suas atividades, vai levar em conta a disponibilidade de mão de obra capacitada para exercer as tarefas necessárias àquela empresa, entre outros fatores (e na maioria deles, como impostos, burocracia e infraestrutura, o Brasil também perde). Ou seja, bens que poderiam ser produzidos aqui, que agregariam valor às matérias primas extraídas aqui (o que seria uma vantagem), podem estar sendo produzidos em outros países (muitas vezes com matéria prima brasileira), por conta da falta de pessoal capacitado.

Eu sei fazer o serviço, só não sei ler e escrever direito.

Eu mesmo já passei pela experiência, na empresa onde trabalho, de precisar encontrar profissionais para aumentar a equipe, não conseguir encontrar no Brasil e ter que utilizar profissionais de outros países para executar o trabalho (na área de TI, como na maioria dos negócios relacionados à serviços, é ainda mais fácil mover um posto de trabalho de um país para o outro).

Apesar da aparente preocupação dos últimos governos com o ensino, esta preocupação se refere mais aos números que são mostrados à sociedade do que com a qualidade do ensino em si, e com isto criam mecanismos que fazem com que o número de analfabetos diminua, o numero de universitários aumente, a evasão escolar seja reduzida, mas mesmo assim (e apesar destes mecanismos), nossa classificação em testes internacionais de ensino básico e médio só tem piorado, a quantidade de artigos acadêmicos publicados em revistas internacionais não acompanhou o aumento do número de estudantes (e a citação destes artigos diminuiu) e chegamos ao cúmulo de não termos nenhuma universidade entre as 200 melhores do mundo. (Duzentas!!!)

Além da doutrinação (ideológica, política e até religiosa) que ocorre, ao menos nas escolas públicas, o que faz com que os estudantes sejam meros papagaios repetidores, sem a mínima capacidade de fazer uma análise racional e formar seus próprios conceitos, o Estado concentra muitos esforços no ensino superior, deixando a educação básica em segundo plano. É como querer construir uma casa pelo teto, ao invés de levantar fundações, colunas, paredes e, aí sim, construir o telhado. Esquecem-se que a educação básica, que serviria de base para desenvolver aquelas características já citadas (compreensão de textos, capacidade de comunicação, raciocínio lógico, analítico e matemática), além de desenvolver nas pessoas a sede do conhecimento, é a que cria as bases para que o ensino superior seja de qualidade e melhor aproveitado. Mas infelizmente, ao invés disto, prefere-se criar fábricas de diplomas (em todos os níveis).

Segundo o professor James Heckman, para cada dólar investido em educação infantil (creche e pré-escola), têm-se um retorno de nove dólares para a sociedade (leia aqui uma ótima entrevista com o professor James Heckman), portanto, a educação não é só um ato político, como pregava Paulo Freire, mas também um ato social e econômico.

E desde o primeiro governo FHC, já se vão quase 20 anos, ou seja, as crianças que entraram na escola àquela época já poderiam estar formadas, muitas delas produzindo conhecimento, se o investimento na base tivesse sido feito àquela época. E o pior é que, como nenhum dos governos subsequentes também se preocupou com isto, se começassemos este tipo de investimento agora, ainda teríamos que aguardar mais 20 anos para iniciar a colher os frutos.

Nossos governos ainda insistem em continuar “jogando para a torcida”. E sinceramente não vejo perspectiva de mudança..

Be happy! 🙂