Arquivo mensal: agosto 2017

Sobre ostentação, Maslow e a Vida Alheia – #tbt

Originalmente publicado na Feedback Magazine, em 19 de Novembro de 2013. As opniões do texto não refletem, necessariamente, a minha opnião atual, já que eu sou um ser em constante evolução e que prefere “ser esta metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opnião formada sobre tudo”.


 

A sensação dos últimos dias na internet foi o vídeo, produzido pela revista Veja SP, sobre o tal “Rei do Camarote”. À despeito de tudo ser tão surreal e caricato que para mim parece um viral (e uma bela barrigada da Veja), algumas coisas me chamaram a atenção.

Antes de tudo, eu sou da opinião que as pessoas podem fazer o que acharem melhor para sua vida, desde que não prejudiquem outras pessoas. Neste caso, o dinheiro é do cara, desde que ele tenha ganho honestamente, ele faz com o dinheiro dele o que ele quiser. Ninguém tem nada a ver com isto. Se ele quer encher o camarote dele de Marias “Veuve Cliquot” e ser encoxado por um humorista (dos ruins!), o problema é só dele e das pessoas que o acompanham.

Mas a primeira coisa que me chamou a atenção foram os dois pesos e duas medidas de algumas pessoas ao fazerem julgamentos. Já começaram errado por fazerem julgamento, mas já que o fizeram, que ao menos usassem de imparcialidade e tivessem coerência. O que o Alexander gasta num ano, o Ronaldo Fenômeno, por exemplo, deve ter gasto em apenas uma das suas festas de casamento. E não é exclusividade dele. Jogadores de futebol e artistas da música e da TV adoram exibir suas conquistas. E quase não se vê críticas quando isto acontece.

Recentemente surgiram os tais “funkeiros ostentadores”, que ao emplacarem seus sucessos têm conseguido uma quantidade boa de shows, o que os proporciona manter um padrão de vida do mesmo nível do tal do Alexander, e com atitudes parecidas com as dele. Mas ao invés de receberem as mesmas críticas pela ostentação (vamos esquecer a questão musical), acontece o contrário, existiram até programas de TV e blogueiros analisando como um fenômeno sociológico a tal “ostentação”.

A incoerência acontece quando as pessoas que sempre exaltaram um jogador de futebol ou um artista, por ter saído de uma “condição humilde” e ter se superado na vida, julgam uma pessoa que, aparentemente (ninguém sabe a história do cara), teve algumas chances a mais, usando outro peso. Quando diz que é empresário então, já taxam de explorador, corrupto, etc. Isto é preconceito. Do mesmo tipo que dizer que favelado é tudo bandido, ou que gay é tudo promíscuo.

O ser humano gosta de se destacar no meio da multidão e exibir suas conquistas. Antigamente era o mais forte, o mais apto à caça, depois o que tinha mais posses, ou o que fazia parte da nobreza ou do clero. Natural que, no caso das pessoas que possuem mais dinheiro, este seja o meio de exibir. É só ler um pouco de Maslow que facilmente se percebe que isto não é apenas um comportamento de um “rico babaca”.

Pirâmide das necessidades do ser humano de Abraham Maslow. | Créditos: gestaonossadecadadia.com.br

O segundo ponto que me chama a atenção é a relação que o Brasileiro, assim como os demais povos de origem latina, têm com o dinheiro. Vamos primeiro tentar explicar o que é o dinheiro.

Dinheiro é apenas um meio de troca. Antigamente, quando as pessoas trabalhavam no campo e em atividades extrativistas, o excedente conseguido era trocado com vizinhos por outros produtos de seu interesse. Para facilitar a troca, já que muitos destes produtos eram perecíveis e/ou tinham um volume e/ou peso muito grande para ser carregado de um lado para o outro, as pessoas inventaram meios de facilitar esta troca. Um dos meios mais conhecidos foi o utilizado durante o Império Romano, onde os soldados recebiam do Império sal como pagamento por seus serviços, e utilizavam este sal para adquirir outros produtos de seu interesse. Daí vêm as palavras “salário” (de sal) e “soldo” (de soldado) para designar pagamento por trabalho.

Atualmente, onde as ideias, conexões e influência (E por que não sorte?) geram mais valores do que o trabalho braçal (que pode ser substituído por máquinas), faz mais sentido ainda ter um meio de troca.

Portanto, uma pessoa que tem muito dinheiro (partindo do princípio que ela ganhou honestamente), é apenas uma pessoa que conseguiu gerar muitos frutos do seu trabalho e, portanto, não deveria ter vergonha de tê-lo ou demonstrar tê-lo. Nos EUA, Canadá e em vários países europeus, as pessoas se orgulham de ganharem mais e não tentam esconder isto, pois é sinal que a pessoa gerou bastante riquezas à partir do seu trabalho.

Porém, e acredito muito que devido à influência da Igreja Católica (Dinheiro é pecado! Nos entregue que nós nos livramos dele para vocês!), nos países latinos, dinheiro é visto como algo sujo, vergonhoso, algo que as pessoas devem evitar. Se não for possível evitar de ganhá-lo, então “compartilhe” com as demais pessoas.

Como consequência, ouvimos frases do tipo: “com tanto dinheiro assim, ele tinha que distribuir”, “porque ao invés de gastar com baladas, não doa aos pobres”. Se você tem a caridade como princípio de vida e isto faz bem pra você, ótimo. Talvez ele não tenha, e não é demérito nenhum.

Erroneamente, sempre levam a questão para esse lado.

 

E aí caímos no terceiro ponto que me chamou a atenção. E este eu acho particularmente muito perigoso. Vi muitas pessoas dizendo “coitado, ele não é feliz”, “podia fazer tal coisa que iria ser melhor”, “não deve ter amigos”.

Quem disse que o que é bom para você tem que ser bom para todo mundo? Quem disse que “ter amigos verdadeiros” é bom para ele? Talvez ele prefira estes amigos de ocasião e seja feliz desta forma.

As pessoas têm que entender que cada pessoa é um indivíduo, que tem seus valores, princípios, ideologias. E repetindo: desde que não faça mal a mais ninguém, nenhum valor ou princípio é melhor do que o outro. São só diferentes e devem ser respeitados.

Só lembremos que muitas das desgraças que ocorreram na humanidade, tais como guerras, ditaduras, genocídios, entre outros, aconteceram quando um grupo decidiu que a sua ideologia política, a sua raça, o seu intelecto ou a sua religião eram melhores do que a das outras pessoas (mesmo que estas outras fossem maioria) e decidiram impô-los às estes demais. Ou então eliminar quem se opusesse.

Quanto à mim, a única coisa que achei foi graça. Tanto que li a matéria na internet e assisti o vídeo umas três vezes. Mas ao menos eu escolhi assistir ao vídeo, e não foi alguém, dentro de um transporte público coletivo, que resolveu me “presentear” com a exibição

Be happy! 🙂

Wanderlust #38 – PCH (Pacific Coast Highway) e San Luis Obispo, Califórnia (3/51), Estados Unidos

Ventura: a onda corre perpendicularmente ao calçadão da praia.

O trecho da Pacific Coast Highway, também conhecida como State Route 1 (SR 1), ou PCH para os locais, entre Los Angeles e San Francisco deve ser, muito provavelmente, a “road trip” mais percorrida dos EUA. Apesar da Rota 66 ser mais conhecida (ela tambem termina – ou começa, vai saber – em Los Angeles, especificamente no pier de Santa Monica), o trajeto da Rota 66 é mais longo e com menos atrações turísticas não ligadas diretamente à uma road trip.

Como nunca tinha ido até San Francisco (shame on me!), que desta vez estava no roteiro, colocamos este passeio na programação. Para nao ter que dirigir mais de sete horas direto (tem um caminho mais rápido, que leva umas 6 horas, mas a paisagem não é tão legal) e para poder parar em alguns pontos de interesse, adicionamos um pernoite em San Luis Obispo.

Saindo da cidade de Los Angeles, já existem algumas praias bem interessantes que valem uma parada. Sunset, Topanga, Malibu, Point Dume, Zuma Beach, Leo Carillo (esta vale até para passar algumas horas), Dana Beach, além de algumas outras, são recomendações que eu daria. Mas desta vez resolvemos subir direto até Ventura e iniciar a trip à partir dali.

Nunca havia parado em Ventura. Me parece uma cidade bem legal inclusive para passar uns dias. Tem um ar jovial. Achei muito interessante o calçadão denominado Surfers’ Point at Seaside Park, em Downtown Ventura: as ondas se formam perpendicularmente à este calçadão, então dá pra ver os surfistas a poucos metros de distância.

De Ventura, partimos para Santa Bárbara, que é uma cidade de veraneio onde, aparentemente, o pessoal mais “de grana” vai passar as férias e feriados. Por isto, ela tem uma estrutura bem turística: vários restaurantes, serviço de aluguel de bikes e até aqueles “bondinhos” que são comuns em praias brasileiras.

De lá, seguimos direto para San Luis Obispo (aka SLO), pois queriamos chegar ainda de dia para podermos conhecer a cidade. Não vou dizer que foi uma idéia ruim, mas também não foi um passeio que valeu a pena.

Por ficar quase no meio do caminho entre LA e San Francisco, SLO nasceu (em 1856) e se desenvolveu como um ponto de parada para as pessoas que se deslocam entre as duas grandes cidades. Então a cidade até conta com uma rede hoteleira (para este propósito, ou seja, hotéis e motéis simples, para pernoite), restaurantes e algumas lojas. Hoje em dia a California Polytechnic State University, baseada na cidade, traz um outro público. Mas pra ter idéia do “potencial turístico” da cidade, a maior atração é um beco onde as paredes são forradas de chicletes mastigados (isto mesmo!). Tá bom, tem a Mission San Luis Obispo de Tolosa, uma missão católica que deu nome à cidade.

Valeu o descanso (até porque, algumas supresas aconteceriam no restante do trecho, conto abaixo) e para conhecer a Central Coast Brewing, que além de ótimas cervejas, tem um “deck” bem aconchegante. Também deu para conhecer a SLO Brew, que até tem umas cervejas legais, em um ambiente gigante, mas como fomos “expulsos” (pra variar!) do local, a experiência não foi as melhores.

No dia seguinte era hora de continuar a viagem. Já haviamos mapeado alguns pontos interessantes e o primeiro era Morro Bay (resolvemos pular a praia de San Luis Obispo, por ficar afastada da cidade), outra cidade de veraneio, que conta com um calçadão bem legal, além de uma ótima vista do morro que dá nome à praia. Pelo que vimos na cidade, parece que rolam bastante eventos por lá durante o ano todo.

Seguindo a viagem, fomos decidindo o que fazer e paramos novamente em Cambria. A praia é bonita, mas fica meio que num conjunto residencial. Então foi só tirar fotos e “pé na tábua”. As paradas seguintes seriam Ragged Point, Gorda, Lucia, Big Creek (pois queria parar na Rocky Creek Bridge para umas fotos), Big Sur, Point Lobos, Carmel-by-the-Sea, Monterrey e, se desse tempo, Santa Cruz e San Jose, antes de chegar em San Francisco.

Mas em Ragged Point tivemos duas surpresas, uma boa e outra nem tanto. A boa é que Ragged Point é um daqueles lugares de tirar o fôlego, de tão belo. Do alto de um morro você enxerga a encosta toda esverdeada, que parece que foi pintada para combinar com o mar lá embaixo. Uma pena que estava um vento gelado e quase não conseguimos ficar, apesar do sol. E como nem tudo são flores, uns 200 metros a frente de Ragged Point avistamos um bloqueio, ao perguntar para o funcionário o que ocorria, fomos informados que, devido às chuvas de inverno, parte da encosta havia desmoronado e a PCH estava interrompida. O desvio mais próximo ficava a 40 milhas na direção de onde viemos e, contando com o trecho que teriamos que percorrer para chegar num ponto em que poderiamos voltar para a PCH, perdemos umas tres ou quatro horas.

Paciencia, faz parte! Mas tivemos que abandonar parte da programação e, devido ao imprevisto, acabamos tendo tempo apenas de passar por Carmel-by-the-Sea (praia interessante, lembrando bastante as praias do nordeste brasileiro) e Monterrey, uma cidade de veraneio que me surpreendeu pelo tamanho e estrutura.

Fiquei com vontade de conhecer os outros lugares, mas como já tinhamos planos em San Francisco (próximo Wanderlust, que não sei quando sai), não daria tempo de voltar e perder mais duas ou três horas de estrada, sem falar no cansaço.

Observações, dicas e considerações:

  • Fiz o trajeto indo de Los Angeles para San Francisco, mas acho que fazer no sentido contrário (descendo de San Francisco para Los Angeles) é melhor, pois além de estar mais perto da costa, fica mais fácil para parar de sopetão, ao avistar um lugar legal.
  • Por outro lado, existe um pouco mais de “perigo” na descida, pois em várias partes você está dirigindo na beira de um penhasco, sem guardrail ou acostamento. Portanto, precisa de muita atenção.
  • Os melhores meses para ir são entre Junho e Novembro: o tempo está agradável (não que faça muito frio na Califórnia, mas no inverno dá pra esperar algo como o inverno de São Paulo) e as chuvas de inverno já terminaram há uns 3 meses, o que dá algum tempo para que as obras de recuperação das vias sejam concluidas (no caso de interrupções por conta de deslizamentos).
  • É sempre bom dar uma pesquisada no Google para ver se existe alguma interdição na PCH. Comemos bola neste ponto (nem imaginávamos!).
  • Para quem gosta de dirigir, a Topanga Canyon Road, que começa PCH, na praia de Topanga Beach, e vai ate Canoga Park, já no San Fernando Valley, é uma boa pedida. A estrada é bastante sinuosa (mas com boa sinalização e visibilidade) e com uma bela paisagem. Depois dá pra voltar pra LA pela 101 e 405 ou pegar alguma outra estrada pra voltar para a PCH (ou mesmo seguir direto até Ventura pela 101, e ai perde-se as praias de Malibu).

Be happy 🙂

Boardwalk em Ventura Downtown

PCH

Santa Barbara

A principal atração de San Luis Obispo: um beco cujas paredes são cobertas por chicletes mastigados!!!

A bela Morro Bay

Cambria

Cambria: bela praia, mas só isto!

Pé na estrada!

Ragged Point!

Pegando o desvio =(

Carmel-by-the-Sea: lembra muito as praias do nordeste brasileiro

Monterey: uma “grande” cidade de veraneio.

Ragged Point: uma pena que uma foto não consiga capturar toda a beleza do local. Mas fica na memória um dos lugares mais belos que eu já conheci.

 

É sempre mais fácil achar que a culpa é do outro – #tbt

Originalmente publicado na Feedback Magazine, em 20 de Outubro de 2013. As opniões do texto não refletem, necessariamente, a minha opnião atual, já que eu sou um ser em constante evolução e que prefere “ser esta metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opnião formada sobre tudo”.


Tomei emprestada a frase do título da música “Por Quem os Sinos Dobram”, do mestre Raul Seixas, para falar de um assunto que dominou as redes sociais, os portais de notícias, os telejornais e outros meios nos últimos dias: o vídeo, filmado pela vítima, em que um assaltante é baleado após uma tentativa de roubo de uma motocicleta.

O assalto foi filmado por uma câmera no capacete da vítima.

Discordo da “socialização” da criminalidade, como muitos gostam de fazer, atribuindo todos os problemas de segurança pública à condição social. Particularmente, por ter crescido em um bairro da periferia de São Paulo, onde moro até hoje, entendo que não é a condição social, falta de oportunidades ou qualquer outro motivo do tipo que faz uma pessoa se tornar um criminoso. Estudei com várias pessoas que passavam privações de todos tipos e que não se tornaram bandidos, assim como conheço alguns que, à despeito de terem muitas oportunidades, resolveram se enveredar por este caminho.

Não sou psicólogo ou sociólogo para explicar quais os motivos que levam alguém a escolher uma vida destas, mas por conclusão creio que as pessoas são ou não más e, no máximo, a condição social ou algum estado de privação apenas contribui, não sendo o motivo principal, para alguém “escolher” este caminho. Tanto que se fosse apenas uma questão socioeconômica, não teríamos criminosos entre as classes mais abastadas e/ou em países onde estes problemas sociais são praticamente inexistentes.

Entendo que a ação do policial foi corretíssima, assim como acho que o ladrão assumiu o “risco do negócio” e todos que assumem riscos têm que arcar com as consequências. Simples assim.

Mas o que mais me chamou a atenção, especialmente nas redes sociais, é a hipocrisia das pessoas. Boa parte dos “cidadãos de bem” que engrossam o coro de “bandido bom é bandido morto” são pessoas que tem o hábito de adquirir produtos em locais onde, conhecidamente, a origem dos produtos é no mínimo suspeita. Alguns deles até se vangloriam de adquirir produtos “na boca” por preços bem abaixo dos praticados em lojas. Alguns deles também têm o hábito do uso de substâncias ilegais para “fins recreativos”.

Só existe “mercado” para este tipo de produto, que geram ações como a dos criminosos e reações como a do policial, porque existe demanda. Isto é puro princípio econômico.

Acho que falta à muitas pessoas assumirem que, ao comprar um produto fruto de roubo ou furto, de contrabando ou pirataria, e mesmo aquele que “apenas” fuma a sua maconha nos finais de semana, também puxa o gatilho, tanto do policial, quanto o do marginal.

Como diria o Capitão Nascimento: “É você, playboy, quem financia esta merda”.

Cena de Tropa de Elite, onde o icônico Capitão Nascimento dá lição de moral em um estudante viciado.

Be happy! 🙂

Manual de Pintura e Caligrafia – José Saramago (07/2017)

Comprei este livro (e mais dois do Saramago) numa visita a Livraria Lello, no Porto, em Portugal, considerada por muitos a livraria mais bela do mundo. Acabei comprando mais por uma obrigação moral (já que estou com uns doze na lista): visitar uma livraria e não comprar um livro, como fazia quase a totalidade dos visitantes (mesmo tendo um “rebate” do valor da entrada na compra de livros) é um pecado.

Segundo a descrição na contracapa, o livro é uma obra autobiográfica do Saramago. Não tenho conhecimento da biografia deste grande autor (vencedor do Nobel de literatura em 1998), portanto não tive capacidade de associar trechos do livro com a vida dele. Talvez foi uma falha minha não ter tentado saber um pouco mais sobre o autor antes de ler o livro.

De qualquer forma, mesmo como uma “estória” é um livro bastante interessante: ele conta, em primeira pessoa a estória de um pintor retratista (destes que fazem quadro com imagens de pessoas reais) que, em meio a uma crise de meia idade (o livro dá a entender que o pintor se encontra na faixa dos 40 anos, por ter 20 de profissão e não ter terminado a faculdade de belas artes) e a um momento político conturbado em Portugal (o presidente era Marcelo Carneiro, substituto de Salazar no chamado Estado Novo português, a ditadura que durou até 25 de Abril de 1974, fato relatado na última página do livro, que começara a ser escrito um ano antes) começa a se aventurar por outra arte, a da escrita. Genialidade do Saramago ele se “retratar” (sem trocadilho) como um pintor que vai se aventurar justamente na área que ele dominava.

O personagem começa a aprender das artes e oficios da escrita, enquanto faz um apanhado da sua própria vida até então, analisando a sua criação,  seus relacionamentos, seu papel no mundo, enfim, fazendo uma longa sessao de autoconhecimento que o leva a, inclusive, se redescobrir como um artista plástico.

Interessante notar a cabeça a muito a frente do tempo de Saramago. 

O livro não é melhor que o “Ensaio Sobre a Cegueira” ou “As Intermitências da Morte”, mas ainda é um Saramago e, como sempre, uma ótima leitura.

Be happy 🙂